Histórias de Terra e Céu

148 anos da imigração polonesa no Brasil

Foto do livro “Wsród Pionierów Polskich na Antypodach”, de 1927.

O homem que fez a medição dos terrenos e distribuiu os lotes nas cinco colônias de São Mateus do Sul em 1890/91 chamava-se Sebastião Edmundo Wos Saporski. Mas muito antes de ser o líder da imigração em nossa terra, Saporski foi o grande pioneiro da imigração polonesa no Brasil. E é neste mês de agosto que comemoramos 148 anos deste grande feito! Embarque comigo nesta história!

Tudo começou em 1869. Saporski, vendo que o Império brasileiro pretendia povoar o território com imigrantes, e conhecendo a precária situação de seus conterrâneos na Polônia (então dominada por três nações estrangeiras), incentivou a vinda de poloneses para o Brasil. Em junho daquele ano 16 famílias polacas embarcavam no Vapor Victória, rumo ao Brasil.

Em agosto de 1869 o Victória aportava em São Francisco do Sul e depois em Itajaí. As famílias polacas foram destinadas à Colônia Príncipe Dom Pedro, na região de Brusque. O grupo era composto por 78 pessoas (sendo 46 crianças), e podemos registrar com segurança os nomes dos chefes destas primeiras famílias: Franciszek Pollak, Micolaj Wós, Bonawentura Pollak, Thomasz Szymański, Szymon Purkot, Filip Kokot, Michał Prudło, Szymon Otto, Dominik Stempke, Kacper Gbur, Balcer Gbur, Walenty Weber, Antoni Kania, Franciszek Kania, Andrzej Pampuch e Stefan Kachel.

Essas famílias eram originárias da localidade de Siolkowice, região de Opole, na Silésia. No ano seguinte outras 16 famílias polonesas chegariam para a mesma região. Rapidamente apareceu um problema para enfrentar: a localidade já era colonizada por alemães, e a relação entre eles e os poloneses não foi nada amistosa. Saporski começou a realizar esforços para tirar as famílias dali, trazendo para o Paraná, mas os chefes da imigração local reagiram, acusando o “pai da imigração” junto ao governo.

Mas Saporski era persistente. Com o apoio do padre Antônio Zielisnki, conseguiu uma autorização do próprio Imperador Dom Pedro II e, no ano de 1871, transportou as 32 famílias para o Paraná. O governo da província determinou a instalação dos imigrantes na região do Pilarzinho, formando a primeira colônia polonesa do Brasil.

Era apenas o início do sonho de criar uma “Nova Polônia” em nosso país. Milhares de outros imigrantes polacos seguiriam os passos destes pioneiros. No auge deste movimento, em 1890 (a chamada “febre Brasil”), decidiu-se que era preciso colocar os imigrantes em outros locais, a fim de povoar regiões pouco habitadas. Durante uma viagem pelo Iguaçu, procurando estas opções, uma tempestade obrigou Saporski a se abrigar num pequeno porto, chamado “São Matheus”. Bendita tempestade! A história da “Rainha Bela do Iguaçu” mudaria por completo a partir daquele momento.

Até a próxima semana e céus limpos para todos nós!

Gerson Cesar Souza
Últimos posts por Gerson Cesar Souza (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O Universo na sua estante (ou na sua tela)!
Os “50 polacos armados”: São Mateus do Sul ataca Palmeira e invade Curitiba
Nadolny contra os Ervateiros