Além de se reunirem na época festiva de carnaval, grupos do município incentivam a amizade e ações sociais. (Fotos: Acervo Pessoal)

O Brasil é conhecido mundialmente pela sua animação e hospitalidade, principalmente pelos turistas que conhecem de perto o carnaval, uma festa que é tradição há gerações e que virou marca registrada do país. O carnaval nordestino e dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro são os mais famosos do Brasil, mas engana-se o turista que pensa que a festa acontece apenas nesse lugares. Aqui no sul o pessoal também comemora.

Em 2019 o carnaval acontecerá na primeira semana do mês de março, mas a mobilização dos blocos são-mateuenses já está sendo feita. Alguns grupos não se reúnem apenas durante os dias carnavalescos, mas mantém essa parceria o ano todo com ações sociais e festas beneficentes.

Segundo Camila Guimarães Ribeiro, uma das representantes do grupo Pipe Bloco, a amizade foi o principal incentivo para a criação do bloco, em dezembro de 2015. “O grupo surgiu quando alguns amigos se reuniam toda tarde para assistir a última etapa do Campeonato Mundial de Surfe (WSL), e após isso iam para o Chimarródromo encontrar outros amigos”, conta. Próximo ao período de carnaval, o grupo teve a informação de que, mais uma vez, não teria carnaval organizado pelo poder público. “Vimos a necessidade de fazer algo para quem não iria viajar, mas queria aproveitar o feriado aqui na cidade. Dessa forma foi criado o Pipe Bloco, em homenagem às ondas de Pipeline, no Hawaii”, diz.

Cerca de 100 pessoas participam do Pipe Bloco, que nos últimos anos, além de proporcionar a diversão no carnaval, vêm realizando ações voluntárias, como explica Camila. “No Arraiá do Pipe arrecadamos alimentos e doamos à Casa de Passagem São Vicente de Paulo. No Dia das Crianças fizemos uma arrecadação e doamos 253 brinquedos, picolés, doces, roupas e calçados em várias localidades do município. No Natal foram presenteadas 150 crianças, em comunidades no interior do município”, informa. De acordo com os membros, o Pipe só existe para reunir os amigos e fortalecer ainda mais essa união. O bloco também participou da tradicional Gincana organizada no aniversário da cidade, e foram os vencedores do Caça ao Tesouro. “O grupo não tem sede e nem tem dono. O Pipe é a amizade entre todos os membros”, garantem.

Grupo Pipe Bloco tem como objetivo unir ainda mais os amigos. O nome Pipe é em homenagem às ondas de Pipeline, no Hawaii.

Outro grupo que visa essa interatividade e trabalho social é o Bloco Tenda, que surgiu em 2018. De acordo com Cássio Kotrich, um dos organizadores, a ideia de criação do bloco surgiu após pedidos de amigos que frequentam o pub do são-mateuense. “O principal objetivo do nosso bloco é trazer a união e diversão nessa época tão gostosa que é o carnaval. Por São Mateus ser uma cidade pequena, essas datas festivas não eram tão comemoradas, sem ter opções de lugares para se divertir”, comenta. Hoje o grupo soma mais de 300 participantes – e em 2019 contará com a participação do grupo Nóis Q’ Bebe, que também animou o carnaval da cidade no ano passado. “No Dia das Crianças arrecadamos diversos presentes, e com uma equipe de amigos, fomos doar em vilas carentes. Sempre quando temos oportunidades de ajudar o próximo, nós com certeza ajudamos”, ressalta.

De acordo com Cássio, o grupo acredita que o carnaval não é apenas ‘folia’ e álcool. “Todos temos direito de nos divertir pelo menos nessa data. Carnaval é união de amigos, risadas, reencontros. É lugar de conhecer pessoas novas, dançar e cantar, e acredito que no nosso bloco isso é o que não falta e tem de sobra!”

O Bloco Tenda surgiu em 2018 e conta com cerca de 300 participantes confirmados para esse carnaval. Na imagem, uma das confraternizações do grupo.

Não é só de samba que vive o carnaval! E o pessoal do Mutação Alcoólica comemora há 11 anos essa festividade com um bom rock ‘n’ roll! A parceria dos amigos Jota e Guto na criação de uma banda foi tão bem aceita pelos amigos que acabou virando um bloco de carnaval. O objetivo do grupo é fazer um carnaval diferenciado, ouvindo rock. Eles criam as próprias marchinhas, fazem competições entre eles e organizam o “Rock na Praça”, que leva à comunidade são-mateuense mais uma oportunidade para aproveitar o dia. Além de arrecadar alimentos, e outros bens materiais para doação, o grupo já organizou apresentações musicais em entidades como Adolescentro e APAE. Hoje o grupo conta com cerca de 50 participantes, que relembram entre eles todos esses momentos. “A história do carnaval vem de rituais, da liberdade de expressão e movimento e é isso que a Mutação Alcoólica sempre proporciona entre os integrantes. A parte educativa e social vem da colaboração em prol da sociedade”, garante Cristopher Simões, membro do grupo.

O grupo Mutação Alcoólica está há 11 anos em São Mateus do Sul, e leva rock ‘n’ roll para os participantes.

Entramos em contato com organizadores do bloco Smoke, e até o fechamento dessa edição não tivemos retorno sobre as ações e planejamentos feitos pelo grupo.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Conheça o Conselho da Comunidade, órgão da execução penal que atua dentro da 3ª Subdivisão Policial do município
São-mateuenses e as araucárias gigantes
Casamento de casal surdo emociona familiares em comunidade de São João do Triunfo

Deixe seu comentário

*