Meio Ambiente

A conscientização vem de nós

(Foto: Adeline Volochem)


É só andarmos pela praça do Rio Iguaçu, ou pela sua margem para vermos vários dejetos jogados pelo chão. O lixo que se acumula perto do rio, e espalhado pela sua vegetação, acarreta vários problemas ambientais. Pois, todo o entulho jogado deixa uma má impressão aos que visitam nossa cidade, e também poluí o rio. Além de causar problemas ao meio ambiente, esse lixo pode ser um lugar propício para criar mosquito da dengue.

E para conscientizar a população, todo ano acontece o Encontro Ecológico do Rio Iguaçu, onde voluntários participam recolhendo o lixo do rio, em um percurso de aproximadamente duas horas.

Em entrevista ao Jornal Gazeta Informativa, Crisanto Cavalcante, presidente do Conselho Municipal de Turismo, e coordenador do grupo “Amantes do Rio Iguaçu” fala como surgiu essa ideia. “O Encontro Ecológico completará seus 16 anos nesse ano. Ou seja, alguns anos atrás um pequeno grupo começou a se preocupar com a questão do rio estar muito sujo, e todos esses transtornos que ocorrem hoje no meio ambiente. Pensamos, e tivemos a ideia, na época de fazer uma limpeza ás margens do rio, começou em uma brincadeira, de repente entendeu-se, quando foi criado o conselho municipal de turismo, que poderíamos transformar aquilo  em uma ação voluntaria que tivesse um efeito importante para o município e para a região. É uma referência de preocupação com a limpeza do rio, entendendo que além da preservação ambiental o rio Iguaçu tem uma representação muito grande para a história e para o contexto econômico do nosso município, já que foi um dos rios que deteve um período da navegação mais importante, que mais transportou produtos da nossa região, e trouxe para cá.”

(Foto: Divulgação)

Barqueiros coletam lixo jogado no Rio Iguaçu, Grupo Amantes do Rio Iguaçu

A participação da população tem sido ótima, a cada ano há mais voluntários. “Começamos com 3, 4 barcos, depois incluímos também o boia cross, justamente também para que a população tenha esse contato com o rio de forma esportiva. Qualquer situação assim, natural que o rio possa oferecer passa uma ideia para as pessoas, que possam ver o rio com bons olhos e comecem a gostar, então a cada ano tem aumentado o número de participantes. Em novembro do ano passado, no 15° Encontro Ecológico, tivemos uma participação de mais de 50 barcos, envolvendo mais de 180 pessoas, só na limpeza do rio, e no boia cross tivemos mais de 100  pessoas participando.”

O dia do rio é 24 de novembro, e o Encontro Ecológico sempre ocorre em um final de semana mais próximo. “Então já pode se dizer, que possivelmente na última semana de novembro. Sempre com a mesma programação, várias entidades sendo parceiras, a cada ano pretendemos fazer com que a comunidade participe ativamente. Temos um grande projeto, a partir desse ano despertou a ideia de, nos 20 anos do Encontro Ecológico estar editando um livro com todo esse período, como foi cada evento,  quantas pessoas participaram, quantas mudas de árvores foram distribuídas e plantadas, quantos alevinos foram soltos no rio. O destino do lixo coletado, ele sempre é levado para as cooperativas, pesado e reciclado. A ideia exatamente no 20° ano do Encontro Ecológico, é estar lançando o livro de toda essa história. Encontro Ecológico e o Desenvolvimento do Município”.

As atividades que são realizadas no Rio Iguaçu tem grande importância para a população e para o município. “Vemos que municípios próximos estão buscando o nosso modelo, muitos já estão fazendo, isso é interessante, e que todos possam se integrar nisso, e possamos melhorar cada vez mais o rio e sua vegetação.”

Thales Okonoski,  diretor da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Mateus do Sul, relata que não existem projetos instituídos para melhorar o Rio Iguaçu. “Mas, temos algumas ações esporádicas como o Encontro Ecológico, e outras ações de adequação, como matas ciliares em áreas de nascentes do rio, etc. Mas como o rio Iguaçu passa em vários municípios a maioria das atividades são de nível estadual como instituto das águas. Gostaríamos de criar o comitê da bacia hidrográfica do médio Iguaçu, que é essa nossa região. Que para junto com outros municípios possamos criar algumas atividades mais coerentes.”

Thales relata também que esse projeto, de preservar o rio, não pode ser passado nas escolas. “Se houvesse algum convênio com as escolas, professores, poderíamos. A nossa equipe da secretária em si é pequena, temos o secretário, eu, que sou o diretor, duas estagiárias e um administrativo, ficando reduzido a possibilidade de conseguirmos fazer um trabalho conciso. Como ir várias vezes nas escolas, trabalhar, até a questão da logística e transporte, fica complicado. Mas daria para se fazer isso com uma parceria, como, curso técnico de meio ambiente, com  alguma universidade, daí existiria uma maior possibilidade. Ainda não foi pensado nessa ótica, nós estamos com atividades de educação ambiental ligado a coleta de lixo reciclável no interior, isso vamos trabalhar.”

A Secretaria de Meio Ambiente não compete tanto para a preservação do rio Iguaçu, e sim mais para a preservação do rio Canoas. “Questão de dragagem, de limpeza, de problema de inundações na região central do município, que é um problema grande que estamos buscando soluções através de projetos como bacia de contenção, criação de redutores de velocidade do rio, etc. E outra questão que é imprescindível  para questão de qualidade de água é do rio Taquaral, que é um rio que nasce e deságua no Iguaçu, toda gestão dele é do município, então o nosso foco esse ano é criar um projeto grande de recuperação desse rio, principalmente das nascentes. Já temos as nascentes mapeadas, então pegaremos esse mapeamento e com equipamentos, com construção de cercas em rio de mudas, vamos tentar recuperar essas nascentes, conversar com agricultores, e buscar esse trabalho. Utilizamos do rio Taquaral toda a água potável do nosso município.”

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Mateus do Sul faz apenas parceria com o Encontro Ecológico.

Por Adeline Volochem

Redação

Redação

Redação do jornal Gazeta Informativa
Redação

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
17º Encontro Ecológico e 13º Boia-Cross acontecem em São Mateus do Sul
Falta de segurança impede a instalação de equipamentos na Cosamar
Lixo é descartado inadequadamente e preocupa moradores da região de Embuiona