Os faxinais são extensões de terra, onde não existem cercas delimitando as propriedades. Nesse ambiente rural, os animais são criados soltos em porções da mata remanescente. No entanto, esses espaços foram deixando de existir com a fragmentação das propriedades. Em alguns locais de São Mateus do Sul, por exemplo, restaram apenas os nomes dos lugares, como Faxinal dos Ilhéus, Faxinal dos Elias, Faxinal dos Francos e Faxinal do Emboque, são alguns exemplos. Esses lugares ficaram conhecidos pelos sobrenomes de famílias que moravam naquele lugar ou tiveram algum vínculo com os moradores locais.

Em Faxinal dos Ilhéus, conversamos com seu Tonico Glinski, um senhor muito simpático, de 93 anos de idade, que nos contou um pouco da história daquele lugar. Uma de suas histórias dizia respeito à passagem do monge São João Maria pelo lugar, no final do século XIX. Segundo a tradição oral, o monge, muito considerado na região, andava peregrinando por vários lugares. Tinha o costume de pernoitar ao ar livre, geralmente perto de uma nascente ou “olho-d’água. Fazia benzimentos e orações, receitava remédios naturais e dava conselhos.

Um fato interessante sobre a passagem do monge, era a fixação de uma cruz de cedro no lugar onde ele ficava. Algum tempo depois, a madeira da cruz brotava e se transformava numa árvore de cedro. Na comunidade de Faxinal dos Ilhéus, existe uma capelinha que guarda uma imagem do monge. Atrás dela existe uma cruz de cedro. Muitas outras localidades também relataram a passagem do monge São João Maria.

“A madeira é considerada um símbolo de matéria-prima. Nas tradições nórdicas, por exemplo, a madeira ou árvore está ligada à ciência, assim como alguns de seus frutos estão associados à sabedoria e ao saber. No catolicismo, a madeira ou lenho é usada como sinônimo da cruz.” A própria árvore de cedro, também tem representações espirituais de longa data, o que pode explicar em parte, a escolha dessa espécie pelo monge.

Referências

https://www.significadodossimbolos.com.br/busca.do?simbolo=madeira

Ilustrações: Welington Lima-Pixsul. Livro dos Saberes de São Mateus do Sul. Manuela Dreyer da Silva. Org. Gledson Vigiano Bianconi-Curitiba: INPCON: Instituto Neotropical.2016.p.43,44.

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Assembleia Geral do Lloyd Paranaense
Rio Iguaçu: a fotografia poética
História e Cidade: “São Matheus” pelo olhar de Frederico Lange