(Imagem Ilustrativa)

Prezados leitores do jornal Gazeta Informativa, depois de um tempinho ter registrado por aqui alguns versos de meus poemas, venho através deste espaço falar um pouco sobre as minhas leituras e pesquisas como estudante, para ajudar a esclarecer um pouco mais sobre a doença de Alzheimer que é a principal causa de demência. De acordo com o Instituto de Memória – Núcleo de Envelhecimento Cerebral (NUDEC), cerca de 50 a 80% dos casos sobre o cérebro nestes últimos anos, entre outras doenças, o que tem chamado mais atenção é o Alzheimer.

Estudos realizados pelo Instituto de Alzheimer Brasil tem demonstrado que é uma doença que afeta o funcionamento do cérebro de modo lento e progressivo, caracterizada pelo comprometimento de duas ou mais funções cognitivas como memória, linguagem, atenção, raciocíniológico, julgamento, planejamento, habilidade visual e espacial, graves o suficiente para interferir nas atividades da vida diária da pessoa.

Histórico da Doença

Alois Alzheimer, médico alemão que viveu entre a segunda metade do século XIX e o início do século XX, publicou em 1907 o artigo intitulado “A Characteristic Serious Disease of the Cerebral Cortex” em que apresenta os achados clínicos e anatomopatológicos de um caso peculiar. Trata-se da paciente Auguste D., atendida inicialmente aos 51 anos quando passou a apresentar sintomas delirantes caracterizados por ciúmes intensos em relação ao marido. Além disso, desenvolveu alterações de linguagem e de memória, bem como desorientação no tempo e no espaço que se instalaram logo em seguida e com piora progressiva. A paciente faleceu quatro anos e meio após o início dos sintomas em estágio avançado de demência, e foi submetida a exame anatomopatológico.

Alzheimer observou acúmulo de placas características no espaço extracelular, chamadas de placas senis,e lesões neurofilamentares no interior de neurônios, distribuídas difusamente pelo córtex cerebral. Cinco anos após, em 1912, o renomado professor de psiquiatria alemão E. Kraepelin faz pela primeira vez uma menção, em seu compêndio de psiquiatria dissertando sobre o tema utilizando a expressão “esta doença descrita por Alzheimer”. A partir dessa época, o epônimo doença de Alzheimer passou a ser utilizado para os casos de demência ocorrendo na faixa etária pré-senil, ou seja, antes dos 65 anos, e que apresentavam características clínicas e neuropatológicas semelhantes à paciente inicialmente descrita.

Durante várias décadas esse diagnóstico ficou reservado a tais casos de demência degenerativa pré-senil, em oposição aos casos bem mais frequentes e já conhecidos no início do século XX de demência senil. Esta dicotomia teve raízes em disputas acadêmicas entre diferentes escolas psiquiátricas alemãs naquela mesma época. Foi apenas muitas décadas após, no final dos anos 60, que diferentes estudos demonstraram que a então denominada doença de Alzheimer e a demência senil eram, na realidade, a mesma condição clínico-patológica, embora com algumas diferenças de apresentação clínica.A partir da década de 70, o termo doença de Alzheimer passou a ser empregado de forma indistinta para os casos de demência degenerativa que apresentavam as lesões cerebrais descritas como placas senis e emaranhados neurofibrilares, independentemente da faixa etária de início dos sintomas.

Em 1984 um grupo de pesquisadores propôs critérios diagnósticos para a doença de Alzheimer, que passaram a nortear as pesquisas e a atividade clínica de atendimento a estes pacientes. Com o aumento substancial da expectativa de vida da população mundial verificado nas últimas décadas, a doença de Alzheimer tornou-se um sério e importante problema de saúde individual e coletiva, em decorrência da significativa incapacidade que acarreta aos pacientes, das influências sobre os familiares e cuidadores, além dos custos diretos e indiretos que ocasiona.

Espero que estas informações contribuam para aquelas pessoas que, no dia a dia, estão enfrentado esta doença em alguém próximo. Em breve, trarei mais alguns apontametos sobre a doença e o que a família deve fazer para que possa melhorar as condições de vida de seu ente querido. Muito obrigado pela atenção.

Referências:

http://www.institutoalzheimerbrasil.org.br/demencias-detalhes-Instituto_ Alzheimer Brasil/31/o _que e_doenca_de_alzheimer_em 1.03.20.

https://www.doencadealzheimer.com.br/index.php?modulo=home. Instituto de Memória – Núcleo de Envelhecimento Cerebral /NUDEC em 1.3.20

Texto enviado pelo leitor: Paulo Cardoso

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
São Mateus 111 anos
Ler abre os olhos
Mulheres agricultoras: EMPODERADAS ou CERCEADAS?