Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

A experiência me renovou

Se muito ouvimos dizer, se muito acompanhamos por notícias de programas sensacionalistas, se muito ouvimos resultado de pesquisas que mostram o lado escuro da realidade da juventude, especialmente no Brasil, muito também deixamos de conhecer e saber da realidade positiva dela.

Os meios de comunicação moldam nosso imaginário, formam nossa maneira de olhar grupos, pessoas e o mundo. Até mesmo a Igreja, a sociedade e os próprios pais acabam por olhar a juventude como, um desafio nos dias atuais. A sensação de medo de que caiam em caminhos que estraguem suas vidas, pode até mesmo gerar uma educação mais repressiva, um olhar mais desconfiado, do que uma educação com um olhar de compreensão, de amor, de diálogo.

Mesmo sabendo que há “chagas” em uma parcela da juventude brasileira que, tentando encontrar o caminho da felicidade, acaba escolhendo opções que estragam suas vidas e de suas famílias. Por isso, é preciso olhar para um outro lado. É preciso olharmos para o lado que na mídia não é mostrada, que nas pesquisas não aparecem, mas, que está trazendo resultado na vida de muitos jovens e que alimenta esperança nos pais, na Igreja e na sociedade.

Tive a oportunidade de participar de uma Jornada Jovem, na cidade de Francisco Beltrão – PR, e pude sentir a experiência de que há uma juventude em busca de um sentido para sua vida, em busca de respostas para suas indagações, em busca de valores que lhes gerem paz e verdadeira liberdade.

Movimentos, iniciativas como estas, organizadas pelas instituições religiosas e por outros movimentos, que buscam apontar um caminho de vida plena, que demonstrem ações de transformação, não são midiatizados. São experiências vividas que, nós com o olhar voltado somente para os fatos trágicos, pouco percebemos e, pouco as vezes fazemos para serem midiatizados.

Aproveito neste espaço para alimentar em você leitor (a), a mesma experiência que renovou em mim a esperança no jovem, a abrir o olhar para ver que eles não devem ser vistos como um número estatístico nos casos de homicídio e vandalismo, mas como pessoas que querem viver feliz, e ter a oportunidade de serem construtores da sua história e de todos, mas optando por vezes por caminhos errados acabam não tendo a oportunidade necessária para poder mudar de rota.

Cada jovem deseja ser olhado com alegria, com confiança em seu potencial de viver em paz e transmitir a paz. Em casos particulares, o jovem merece ter a possibilidade de ações como essas para poder se reencontrar no caminho do bem.

Estar no meio, ouvir as angústias, seus desejos e perceber as transformações é uma experiência incomum. Você jovem que lê este artigo, não se deixe vencer por seduções que te parecem mais fáceis, fugindo da realidade. Busque, se deixe conduzir por caminhos que gerem verdadeira e duradoura alegria para você, para sua família e para a sociedade.

Em seu coração mora um desejo de vida, um desejo de amar e ser amado. Por isso, não se deixe levar por caminhos que destruirão sua vida, que te tornarão mais um número nas estatísticas e nos noticiários negativos, mas valorize sua vida. Busque a paz; busque Deus e encontrarás o sentido de sua vida.

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O desafio de cuidar de si
Semana Santa: expressão do verdadeiro amor
Páscoa: celebração da vida em Deus