Perfil

A história do Sargento Sandro Skodoski e a simplicidade que leva a vida

Hoje o Sargento Sandro atua à frente do Batalhão da Polícia Rodoviária Estadual em São Mateus do Sul. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

Periodicamente a Gazeta Informativa traz, de uma forma diferenciada, a história dos filhos da terra e daqueles que foram adotados por nossa cidade. Cidadãos simples, que batalham diariamente para ganhar seu pão, educar sua família e viver da melhor forma possível em São Mateus do Sul.

Nessa edição, contaremos um pouquinho sobre a história de um são-mateuense que é reconhecido por muitos através de sua simpatia, amizade e acima de tudo, sua simplicidade: o Sargento Sandro José Pieunoski Skodoski, de 44 anos.

Nascido no interior de São Mateus do Sul, na comunidade de Faxinal dos Elias, em 3 de março de 1974, o filho mais velho de Valdemar Cavalheiro Skodoski e Inês Pieunoski, foi sempre o exemplo para seus irmãos Sérgio e Alessandra.

Ainda pequenino, beirando seus 3 anos de idade, veio junto de sua família morar na comunidade da Vila Palmeirinha, onde seu avô Luciano Pieunoski possuía uma mercearia.

Aquela criança, ladina e muito bem educada, adorava futebol, e passava horas jogando bola com as demais crianças em um campinho de chão batido onde hoje várias residências foram construídas. Torcedor do Flamengo, comenta que era o time que mais tinha acesso na televisão e nos conta que adorava ver o Zico jogar.

Tomado pelas lembranças, emocionado se recorda dos velhos tempos que estudava na escola da vila, e da época em que realizava o ensino fundamental no Duque de Caxias e a formação do ensino médio no Colégio São Mateus. Skodoski frequentou o curso de Informática Empresarial pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Sandro relata que seu amor pela Polícia Militar (PM), começou desde os tempos em que serviu ao Exército Brasileiro na cidade da Lapa em 1993, quando fez o alistamento obrigatório e criou uma aptidão muito grande pelo ramo, o que o levou, logo após concluir as atividades militares, prestar concurso para a PM.

“Eu cheguei lá e gostei muito das atividades desempenhadas e me formei Cabo e até ganhei medalha militar de Marechal Mallet de artilharia. Só não continuei no Exército pela ausência de vagas no quartel e retornei à São Mateus do Sul”, lembra Sandro.

Retornando ao município de origem, atuou durante um ano na ervateira Elizabeth do seu amigo Noedi Steff, almejando prestar o concurso para a PM. Ele realizou o sonho entrando para a polícia em setembro de 1995 e logo após vindo ao Pelotão de São Mateus do Sul, em maio de 1996.

Em 1998 foi para a cidade de Curitiba atuar no 13º Batalhão da Polícia Militar (BPM), onde prestou o concurso de Cabo e foi atuar na popular Operação Verão no litoral paranaense, mais precisamente no 9º BPM. Na sequência dos objetivos, Sandro lembra que prestou concurso à Sargento no ano 2000, onde logo após atuou em mais uma Operação Verão e retornou à capital do estado, onde atuou no 12º BPM até o final de 2001.

O rumo de Sandro foi novamente guiado à São Mateus do Sul, ainda em 2001, quando assumiu o comando do Pelotão do município. Sandro lembra que também atuou na Rondas Ostensivas de Natureza Especial (RONE), na Ronda Tático Motorizada (ROTAM), e também nas cidades de São João do Triunfo e Antonio Olinto.

Em 2009, conta que recebeu o convite do ex-sargento Rene para assumir o cargo na Polícia Rodoviária Estadual, pois ele estava em processo de aposentadoria. Mas devido a mudança da responsabilidade do trecho passar para a Polícia Rodoviária Federal, os planos não deram certo. Assumindo o cargo anos depois, em setembro de 2015.

Hoje Sandro é o 1º Sargento e almeja alcançar o cargo de Subtenente. Para isso já está se preparando e cursando a pós-graduação em Segurança Pública. “Temos de aprimorar nossos conhecimentos e estar nos atualizando para buscar as promoções.”

Sandro comenta que a atuação da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), é bem diferente da PM nas cidades, pois atua no trânsito, nos acidentes e na segurança dos usuários que transitam na via.

Enquanto capitão da PRE, Sandro relata que prioriza o bom atendimento por parte dos policiais e frisa a eles a honestidade, lembrando de casos, alguns deles recém ocorridos em São Mateus do Sul, de corrupção ativa, onde motoristas ofereceram vantagem indevida aos policiais rodoviários e foram detidos em flagrante. Em situações como essa, ele afirma que o profissionalismo tem de falar mais alto e tem de haver a imparcialidade para que a lei seja cumprida.

“A corrupção está enraizada no povo, com seu famoso ‘jeitinho brasileiro’ e é algo que tem de acabar, começando por nós aqui em baixo. Mudando desse jeito, logo refletirá em nossos representantes lá em cima”, enfatiza.

O Sargento é apaixonado por São Mateus do Sul e menciona que vivemos em uma cidade excepcional, onde há cidadãos que vem pra cá e não querem saber de ir embora. “Você tem de ser humilde, independente a função que exerça, seja rico ou pobre, você tem de ter sua simplicidade. Somos iguais e todos nós vamos para o mesmo lugar quando morremos e ninguém é mais do que ninguém e é assim que tem de funcionar. Da vida só levamos as amizades.”

Há cerca de 22 anos como policial, Sandro já ministrou inúmeras palestras nas escolas e colégios da região, principalmente sobre o tema de trânsito, e é conhecido nos quatro cantos da cidade como profissional exemplo na região. E quem não conhece o Sargento Sandro?

Sandro confessa que é um homem bastante família e está sempre rodeado de amigos. “Minhas pretensões futuras é sempre ser o mais correto possível, me aposentar na PM e tocar a vida como ela tem de ser, certa e regrada, não deixando a honestidade de lado.”

O são-mateuense enfatiza que seu maior sonho o acompanha há anos. “Meu maior sonho é que os brasileiros sejam patriotas, amem o país que vivem e levem uma vida honesta.”

CHARGE: 

Colaborador

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A história da são-mateuense que já percorreu mais de 10 mil quilômetros
O amor ao ensinar que é demonstrado até depois de partir
Sonho de cinema que desde criança motiva são-mateuense, se torna realidade sob duas rodas

Os comentários estão fechados