(Imagem Ilustrativa)

Na última quinta-feira, dia 27 de maio, perdemos, entre tantos outros, duas personagens marcantes na vida brasileira. Cada ser tem a sua importância, para aqueles que os cercam, mas alguns conseguem se destacar por seus feitos, por seu legado que pode influenciar a vida de milhares ou milhões de pessoas. Então, se foram Jaime Lerner (83 anos) e Nelson Mattos (96 anos).

Lerner foi arquiteto, urbanista e político. O paranaense, prefeito por duas vezes e governador por duas vezes, levou Curitiba e o Paraná a uma maior projeção internacional, recebendo diversos prêmios e reconhecimentos, como o Prêmio Máximo das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em 1990, e Unicef Criança e Paz, em 1996. Também em 2010, foi indicado pela Revista Time como um dos 25 pensadores mais influentes do mundo, além de receber a Medalha de Urbanismo da L’Académie D’Architecture, na França, entre tantos outros.

Como atuou politicamente, pode não ter agradado a todos e como todo ser humano, cometido alguns erros. Mas acredito que seus feitos foram maiores, seu legado um diferencial.

Com suas ideias, transformou o transporte urbano não só de Curitiba, mas de várias metrópoles do mundo. Criou muitos dos cartões postais de Curitiba, também.

Minha maior admiração pelos seus feitos está no planejamento e na crença de que as coisas precisam ser bem-feitas e em tempo reduzido, para que se possa usufruir das melhorias mais rapidamente. Quando isto acontece, abre caminho para novos feitos, para o engajamento de outras pessoas e coisas boas voltam a ocorrer. Também não dá oportunidade aos aproveitadores de plantão que tendem a impedir os feitos daqueles que têm o dom da visão, de enxergar o futuro.

Vi, numa reportagem, que o Calçadão da Rua XV foi feito em três dias. A Ópera de Arame em 75 dias e o Jardim Botânico em tempo recorde também. Tudo é uma questão de decisão, planejamento e execução, com vontade de fazer, com dedicação.

Talvez eu só chova no molhado, falando dos feitos de Lerner, mas quem sabe o trabalho dele possa servir de inspiração para muitos de nós.

Em relação à segunda pessoa que nos deixou, eu não conheci muito o Nelson de Mattos até a última quinta-feira. Talvez o nome Nelson Sargento traga mais lembranças para alguns de vocês. Nelson foi cantor, compositor, pesquisador, artista plástico, ator e escritor. O Presidente de honra da Estação Primeira de Mangueira, levava uma vida simples, mas influenciou a vida de muita gente. Ganhou o apelido por ter ficado no Exército por quatro anos. Depois, ganhava a vida pintando paredes. Somente gravou seu primeiro disco aos 55 anos.

Compôs mais de 400 canções, gravadas por grandes intérpretes de samba. Foi autor de vários sambas-enredo vitoriosos da Mangueira. Ele dizia que era enjoado com os parceiros, entre os poucos estava Cartola. Nelson também trazia em suas letras muito significado e mensagens de positividade e de esperança. Vi uma de suas declarações onde dizia que tudo o que precisamos é de união, pois ninguém consegue nada sozinho. Talvez seja por isso que ele vivia rodeado de muita gente.

Mesmo próximo de se tornar um homem centenário, era lúcido e atuante. Dizia que se sentia reconhecido em vida, tendo em conta o número de prêmios que recebeu, mas dizia ainda não se sentir realizado, pois ainda havia muito a ser aprimorado.

Admiro pessoas com capacidade de realização e que lutam, batalham, criam, constroem, encantam até o final de suas vidas. Aproveitaram até o último respiro o dom que lhes foi entregue. Quem sabe eu ainda tenha tempo para deixar um bom legado. Você também!

Adnelson Borges de Campos
Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Imagine
A era das mentiras
Como retratar o amor