Histórias de Terra e Céu

A Invasão de São João do Triunfo

Nesta semana completamos 123 anos da ação organizada que levou a colônia São Mateus a ser a primeira localidade do Paraná a aderir à Revolução Federalista. Mas para isso foi preciso atacarmos nossos vizinhos de São João do Triunfo. Embarque comigo nesta história!

A Revolução Federalista foi a mais sangrenta guerra civil que o Brasil já teve. O movimento que se iniciou no Rio Grande do Sul, com os maragatos lutando contra os desmandos de Júlio de Castilhos, logo tomou proporção nacional (contra o presidente Floriano Peixoto), principalmente após a adesão da Marinha, no Rio de Janeiro. Liderados por Gumercindo Saraiva, os maragatos tomaram também Santa Catarina e chegaram à fronteira do Paraná em novembro de 1893. Mas, aqui no estado, o poderoso Vicente Machado prometia impedir o avanço dos revolucionários. Quando, a 11 de novembro, a Vila de Almirante Tamandaré tentou se manifestar em apoio à revolução, Vicente Machado sufocou com força o movimento. Mas o governador não esperava que uma pequena colônia às margens do Iguaçu ousaria desafiá-lo.

Os colonos de São Mateus já estavam contrariados com o governo pelos atrasos nos pagamentos dos serviços realizados por eles na abertura de estradas. Isso se amplificava pelo fato de que os líderes locais (Ulisses Faria, Antônio Bodziak, Nhoca, entre outros) eram simpatizantes dos maragatos. A gota d’água ocorreu quando o governo decidiu alistar à força os são-mateuenses e mandá-los para as trincheiras na Lapa. Em uma reunião na escola, com a presença do professor Kosminski, do padre Smolucha e de grande parte da população, a colônia resolveu enfrentar o governo.

Foi assim que no dia 22 de novembro de 1893 os colonos prenderam o delegado de polícia e colocaram para correr os governistas locais. Mas como São Mateus fazia parte do município de São João do Triunfo, era de se esperar que a sede (no caso Triunfo) tentasse sufocar a rebelião. Porém, antes que isso ocorresse, os “soldados” são-mateuenses liderados pelo farmacêutico Luciano Stencel e pelo ervateiro Joaquim Gomes dos Santos, o Nhoca (foto que ilustra esta coluna) tomariam São João do Triunfo, depondo a câmara de vereadores. Duas décadas depois, Stencel e Nhoca se tornariam prefeitos de São Mateus.

Após tomar a colônia e invadir São João do Triunfo, nossos bravos guerreiros se empolgaram e o batalhão polaco, acompanhado do padre Smolucha, já estava marchando em direção a Palmeira quando foi preciso recuar, pois o governo mandava o exército retomar a colônia. Era apenas o início das muitas batalhas que os são-mateuenses tiveram naquela revolução, onde muitos deles perderam a vida.

Mas parece que a turma gostava mesmo de uma briga e de uma invasão: seis anos depois, por motivos religiosos, os são-mateuenses atacariam a igreja de Palmeira com armas e depois invadiriam Curitiba. Mas isso é assunto para uma outra conversa…

Até a próxima semana e céus limpos para todos nós!

Gerson Cesar Souza
Últimos posts por Gerson Cesar Souza (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Mês Polonês parte 3: Um cervejeiro no mundo da Lua
Brigando no altar: UFC São João do Triunfo!
O massacre dos professores, o garoto de Ibiporã e a Dona Aranha…