Como espaço público, essa praça representa um importante marco histórico na configuração da cidade. Carinhosamente ainda é chamada de “pracinha” por muitos são-mateuenses. “Era comum ver pessoas sentadas nos bancos, crianças correndo por entre os jardins, jovens que chegavam para encontros marcados. Lugar de conversa, de brincadeira, de namoro, de lazer e de ver o tempo passar”. A praça já não é a mesma, mas continua lá. Os tempos é que são outros!

A fotografia em preto e branco um pouco danificada, mostra a Praça Flórido Nascimento, localizada próxima ao Rio Iguaçu. Duas coisas me chamaram a atenção nessa foto; o relógio que existia na praça no lugar central e a seguinte inscrição: “Praça Carlos Gomes S. Matheus Paraná”. Sem data nem autoria.

Na pesquisa histórica, devemos questionar todas as fontes. Ao procurar pesquisar mais sobre o nome da praça, não conseguia entender o porquê do nome Carlos Gomes. Para confundir um pouco mais quem busca entender o passado, existe uma placa no centro da praça com a seguinte inscrição: “Praça Flórido Nascimento-Inaugurada em 21/09/1968”. Pensei então que a praça tinha como primeiro nome, Carlos Gomes, que está escrito na fotografia, e depois em 1968 foi denominada Praça Flórido Nascimento. Puro engano! Novamente a pesquisa em outras fontes esclareceram minhas dúvidas com relação aos nomes.

Pesquisando outros documentos, encontrei uma lei no livro de Registro de Leis da Prefeitura Municipal de 1922. A Lei Municipal nº 99, de fevereiro de 1923, diz que a praça situada entre as ruas “Manoel Pedro, José Marques e Iguaçu (denominação anterior) terá a denominação de Praça Flórido Nascimento”. Outra lei que ajudou a entender o porquê de Carlos Gomes foi a Lei Municipal nº 114, de 22 de janeiro de 1925. Foi alterado o nome da rua ao lado da praça (Rua “Da Ponte”), para Rua Carlos Gomes. Supostamente, quem escreveu na fotografia não sabia o nome da praça e colocou pelo nome da rua.

Sobre o relógio que existia ali, não temos muitas informações. O relógio nos faz pensar no tempo, que é um conceito muito importante para a História. O trabalho e a rotina das pessoas variaram muito no decorrer do tempo. Os relógios públicos nas praças, foram muito atraentes e variaram bastante. Alguns imensos, outros nem tanto, mas cada um com sua particularidade, tornando-se referência em muitas cidades. Serviam para controlar o tempo, principalmente o do trabalho. Foi muito comum a instalação desses relógios no final do século XIX e início do século XX, principalmente em Curitiba. As cidades menores se inspiravam nessas inovações.

Os tempos são outros, a praça está lá no mesmo lugar com seus bancos e jardins floridos. Do local da praça, podia se ouvir o apito dos vapores, sentir o cheiro da erva-mate no ar e observar as pessoas passando, os cavalos, as carroças, os primeiros automóveis. Um certo sossego. Mas afinal, quem foi Flórido Nascimento? Conto em outro texto.

Referências
Código de Posturas- Prefeitura de São Mateus do Sul.
Leis do Município -1908.

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O silêncio das imagens
Uma caçada de perdizes
O mate doce no “resguardo”