Máquina do Tempo

A milenar história da Páscoa

(Imagem Ilustrativa)

Na coluna dessa semana decidi escrever um pouquinho sobre as origens da festividade pascal. Não só pela proximidade da data, mas pelo seu verdadeiro significado diante do percurso histórico.

Vários povos e culturas comemoraram a Páscoa ao longo da história. Cada um ao seu modo, mas todos ao entorno do mesmo significado: renascimento. A origem desta data tem suas raízes na Antiguidade. Os povos pagãos do Mediterrâneo celebravam nesta época, o equinócio de primavera, ou seja, a passagem do inverno para a primavera no hemisfério norte. A etimologia da palavra Páscoa, remonta suas origens na Grécia Antiga, onde era chamada de Paska, também no latim romano como Pascae e no hebraico Peschad.

Para esses povos, ligados às tradições pagãs (do latim pagnus, que significa, homem do campo), essa comemoração celebrava suas divindades ligadas à natureza, para que essas lhe garantissem boas novas na agricultura, uma vez que dependiam exclusivamente dela para sua subsistência. Portanto, a morte simbólica de uma estação fria e rigorosa como o inverno, daria origem a outra florida e fértil, como a primavera. Trazendo consigo, vida e esperança.

Comemorada há milênios, dois símbolos da Páscoa perpetuaram-se no tempo. O coelho e o ovo. O coelho no Egito Antigo, era uma figura ligada à fertilidade e ao nascimento, uma vez que se reproduz muito rápido e em grandes quantidades. Já o ovo nas mitologias celta, grega, fenícia, egípcia e chinesa é também o portador da vida. Por isso, já na antiguidade, esses povos praticavam o ato de decorar com desenhos ovos de animais, verbo pessaty, que deu origem as famosas pessânkas. Tal costume foi incorporado principalmente pelas culturas eslavas, devido à sua ancestralidade pagã, como por exemplo, os poloneses. Depois que a Polônia foi convertida ao cristianismo, o hábito se perpetuou e foram incorporados símbolos cristãos na decoração dos ovos. Foi assim, que imigrantes alemães e poloneses trouxeram o costume para o Brasil em meados do século XVII e XVIII. Por fim, para os judeus a Páscoa reelembra o Exôdo hebraico do Egito, relatado no Antigo Testamento Bíblico, demarcando um novo início para seu povo. Já para os cristãos, a data simboliza a ressureição de Jesus Cristo após sua crucificação, essa comemorada pela maioria dos brasileiros.

Vou ficando por aqui amigos leitores, desejando uma boa Páscoa a todos, e que com ela a vida e as esperanças renasçam! Até a próxima viagem!

Acadêmica de bacharelado e licenciatura em História pela UFPR (2015), membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Mateus do Sul (2016), e atua como monitora no Museu Egípcio e Rosacruz de Curitiba (2016). Mesmo sendo sua área de pesquisa a História Antiga, é apaixonada pela História Regional.

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Vilões e mocinhos na História – Barão do Serro Azul, o herói do mate
A História por detrás do ícone de Nossa Senhora de Czestochowa
As águas de Julho

Os comentários estão fechados