Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

A Minha Paz, não é a do mundo

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Os cristãos católicos celebram em sua liturgia neste domingo, 01 de maio, a Festa da Ascenção de Jesus aos céus. Jesus que tendo vindo do Pai, vivido no mundo e cumprido Sua Missão, volta para o Pai. Agora, Jesus quer que seus discípulos deem continuidade ao anúncio do Evangelho, e para isso, promete enviar o Espírito Santo, que irá fortalecer os discípulos nesta missão. É a Festa de Pentecostes, celebrada no domingo posterior ao domingo da Ascenção.

Sabendo da insegurança dos discípulos, do medo de ficarem novamente sozinhos após o episódio de Sua morte, antes de partir, Jesus os vai confortando, os animando, os encorajando e mostrando que, estando Ele Vivo novamente, não há porque desanimar. Tudo foi consumado, tudo está nas mãos do Pai. No evangelho de João, capítulo 14, versículo 27, Jesus deixa para os discípulos a Sua paz e pede que os discípulos não fiquem perturbados no coração.

A paz que Jesus promete é fruto da fé, da fé no Ressuscitado, da fé em que, toda nossa vida está nas mãos de Deus. A fé é o elemento que nos faz dar sentido ao que fazemos e ao que somos. Quem tem fé vive sua vida e seus afazeres do tempo cronológico, aqui neste mundo, tendido para o tempo de Deus, o Kairós, a realidade que não vemos, mas que existe em Deus.

Por isso, quando desanimamos na vida e nos afazeres, estamos na verdade deixando de pensar que Deus está no controle, estamos fazendo com que nossa vida não esteja ligada aos Planos de Deus, mas sim aos nossos. Por isso nossos desesperos, nossas angústias, nossa falta de paz. Só se desespera quem perdeu a fé.

O mundo nos estimula a colocar nossa vida e todo nosso fazer na esfera humana, material, e quando não correspondemos às expectativas que o mundo espera, nos frustramos, desanimamos, perdemos a alegria em nosso ser e em nosso fazer.

A Paz que Jesus promete é a paz para quem tem fé, é um convite à fé, é um recado para nos fazer ver que, quando colocamos nossa vida e nossos projetos em sintonia com o Projeto de Deus, não há por que perder a paz, mas cultivar no coração a alegria, a serenidade, a Paz, uma Paz que vem de Deus.

Se nossa vida e nossos projetos estão pendidos para um ideal além, que é Deus, nada pode nos tirar a paz, fruto desta correspondência. Se os apóstolos sofreram pela fé que testemunharam, foi porque suas vidas estavam além da esfera humana e material. Assim também nós. Se há um ideal, nada nos tira a força e a paz para continuar. “Deixo-

Vos a paz, a minha paz Vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração”, nos consola Jesus.

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Viva São João!
O desafio de uma ‘Igreja em Saída’
E novamente é Natal