Artigo de Opinião

A nossa dignidade se dá por conta do trabalho?

Acredito que quando somos crianças uma das perguntas que mais escutamos é “o que você quer ser quando crescer?”, e aí surgem inúmeras hipóteses que quando criança, fantasiamos em nossa cabeça.

Mas o tempo passa, e essa pergunta faz todo sentindo quando percebemos que a realidade está batendo em nossa porta. O que muitos jovens que estão próximos a prestar vestibular se preocupam é na escolha certa da decisão de uma carreira que na perspectiva de muitos, será para a vida inteira. Médico, advogado, administrador, engenheiro, chefe de cozinha, enfermeiro, enfim, inúmeras possibilidades que varia de pessoa para pessoa.

Mas uma situação me chamou muita atenção nos últimos dias, percebi a chacota de algumas pessoas sobre o trabalho braçal de catadores de lixo em uma empresa de triagem. Isso me fez perceber o quanto ainda existe a ignorância por parte de algumas pessoas sobre a “dignidade” que um trabalho pode oferecer.

Só por que alguém está em um trabalho como esse ele não é digno? Ou melhor, só por que eu estou olhando de fora sou considerada melhor? A influência por parte de respeito (e preconceito) entre pessoas, classes sociais e trabalhistas ainda é muito presente, e muitas vezes nos fazemos de cegos em questões como estas.

Acredito muito que a educação vem de casa, mas também acredito que somos moldados por influências de outras pessoas em nosso dia a dia.

Aprendemos na prática como é a vida quando realmente enfrentamos questões como esta em nosso cotidiano. Se eu penso em ser um bom profissional no futuro, preciso aprender a respeitar os meus outros colegas profissionais. Fazemos parte de um ciclo, onde precisamos de outros serviços.

Precisamos de um médico quando estamos doente, da criação de algum engenheiro quando lidamos com alguma tecnologia. Mas jamais precisamos considerar um homem engravatado melhor do que aquele homem que está puxando um carrinho de lixo.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A morte de quem estava cheio de vida
Não faça do final desse ano o final
Aquela frase, “não adianta ir na missa todo domingo e matar o gato envenenado”