Educação e Cultura

A outra face da Biblioteca Pública Municipal Arlete Neves Schramm

Conheça um pouco da biblioteca de São Mateus do Sul, hoje localizada no terminal rodoviário municipal. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Você já se perguntou como as bibliotecas surgiram pelo mundo? Então, na história do mundo ocidental, incluindo a do Brasil, predomina a tradição oral. Reportamo-nos, primeiro, à dificuldade de recurso material para a escrita: o custo elevado do papiro e do pergaminho e, depois, o modo de produção tacanho das tipografias. Segundo, o índice de pessoas alfabetizadas sempre foi baixíssimo.

Contudo, a humanidade sempre sentiu necessidade de registrar e preservar seus conhecimentos. Milênios antes da era cristã, os egípcios já produziam documentos escritos, bem como sumérios, assírios e babilônicos também possuíam, em placas de argila, arquivos informativos. A partir desse contexto, conseguimos entender que a existência de bibliotecas se materializou antes dos livros e até mesmo dos manuscritos.

O advento da biblioteca se deve, se não à existência dos materiais como argila, pergaminho ou livro, então, à primeira revolução técnico-linguística: a própria escrita. Esta atendeu (e atende) àquela imperiosa necessidade humana de registro, independente do tipo de material em que seria (e será) concretizada, e a biblioteca atendeu (e atende) à necessidade de preservar esse registro. Hoje, as bibliotecas estão em fase de grande reestruturação. Talvez mesmo de reinvenção.

Biblioteca em São Mateus do Sul

A Biblioteca Pública Municipal possui como nome referente ao de Arlete Neves Schramm. Ela nasceu no dia 04 de junho de 1933 em São Mateus do Sul, filha de Altair M. e Jocelyn F. Neves. Estudou na Escola Normal “Haidée Cordeiro”, onde se formou professora normalista no ano de 1959. Mais tarde tornou-se professora desta mesma escola, ministrando aulas de psicologia e didática, na cadeira de Fundamentos da Educação, sendo também diretora.

Como funcionária pública estadual na área de saúde, trabalhou em Curitiba e depois em São Mateus do Sul no Posto de Saúde Estadual. Era uma pessoa preocupada em ajudar o próximo estando sempre envolvida com entidades filantrópicas. Foi presidente do Grêmio Recreativo Acácia do Clube Ideal São-mateuense (CIS), onde se organizavam bailes de debutantes e outros eventos, como desfiles e promoções sociais.

Casada com Edson Carlos Schramm, teve três filhas: Karin, Valkiria e Cláudia. Arlete faleceu em 26 de outubro de 1969, aos 36 anos.

A Biblioteca Pública Municipal foi inicialmente constituída de livros, revistas e demais publicações da Prefeitura Municipal, conforme o artigo 2º da Lei nº 03 de 02 de julho de 1952. Foi instalada provisoriamente em uma das dependências do edifício da prefeitura e administrada por um funcionário municipal designado em comissão pelo prefeito municipal Eduardo Sprada. Em 05 de novembro de 1975 sob a Lei nº 550/75, o prefeito Edson Carlos Schramm denominou “Arlete Neves Schramm” a Biblioteca Municipal, em homenagem a sua esposa (in memoriam).

A biblioteca municipal de hoje

Uma biblioteca pode ser considerada um lugar feito para todos os tipos de pessoas, com preferências literárias e necessidades distintas. Antes do avanço da internet, a biblioteca era o principal ponto de encontro entre estudantes para a realização de algum trabalho escolar, ou pelo simples fato da apreciação e fazer da leitura uma prática de lazer.

A procura por respostas de trabalhos escolares e aumento do conhecimento se dava pelas inúmeras enciclopédias que tomavam conta das estantes, com temas variados, e o romance desejado por muitas meninas eram transcritos pelas coleções de livros titulados como Sabrina, Julia, Bianca.

O ápice de toda essa nostalgia, é poder contar hoje para filhos, netos, sobrinhos como era um tempo de pesquisa sem os meios tecnológicos, que hoje fazem a vez de todo esse conceito físico de conhecimento e apreciação por literatura presente em uma biblioteca.

Apesar de todas estas tecnologias, muitas pessoas ainda optam por “sentir com as próprias mãos” livros e revistas presentes em uma biblioteca, a procura por materiais desta categoria faz com que um local como este, não se torne esquecido e regenerado no meio do mundo contemporâneo tecnológico que vivemos.

Hoje, localizada no Terminal Rodoviário Guilherme Kantor, a Biblioteca Pública Municipal conta com inúmeras doações que fazem com que o seu acervo com mais de 25.400 obras, façam parte da vivência e da história, agregando sempre mais aprendizado na vida das pessoas que por ali passam.

Por entre estantes, peculiaridades

Ao caminhar pelas prateleiras repletas de livros nos corredores da biblioteca municipal, você acaba esbarrando por obras consideradas raridades, muitas inclusas como histórias exclusivas do nosso município, outras, estimadas quando se tem vontade de ler mas falta o orçamento para a compra.
Andando um pouco você acaba encontrando a coleção dos contos de horror do famoso escritor Stephen King que foi doada e está entre as obras mais procuradas por apreciadores deste tipo de leitura. Mais alguns passos adiante, você esbarra por obras dos famosos escritores espíritas como Allan Kardec e Chico Xavier, e logo ao lado, encontra dicionários de diversas línguas estrangerias, como por exemplo japonês e alemão.

Garimpando cada vez mais, entre enciclopédias e histórias de dramas românticos, livros sobre microbiologia, direito civil, psicologia, gibis infantis e coleções de receitas de diversos países tomam conta do espaço, e tudo isso entra em sintonia com a parte de livros exclusivamente para portadores de deficiência visual, o vasto material em braile e áudio concretiza da melhor maneira possível o conceito de que a biblioteca é feita para todas as pessoas, independente de condição física ou social.

Obras para portadores de deficiência visual.

Como faço para fazer emprestar livros na Biblioteca Pública Municipal?

A carteirinha para o empréstimo dos livros pode ser feita com um documento (RG, CPF ou carteira de motorista) e um comprovante recente de residência. Podem ser emprestados no máximo 3 livros de cada vez, com prazo inicial de 15 dias para a devolução (podendo ser renovado para 30 dias), e vale a pena lembrar que estes empréstimos são todos gratuitos.

Caso você tenha esquecido de entregar o livro na data prevista, a multa para a devolução se dá pela compra de algum material escolar, como canetas, cartolinas, lápis que serão usados para o consumo da própria biblioteca.

Aberta das 8h às 12h, e das 13h às 18h, a Biblioteca Municipal está situada no terminal rodoviário de São Mateus do Sul, com o telefone para contato (42) 3912-7053.

Doe, empreste e ajude nossa Biblioteca Pública Municipal a manter-se viva.

Coleção das obras do famoso escritor de contos de horror Stephen King.

Obras de culinária de todas as partes do mundo.

Dicionário em japonês.

Faça uma visita e boa leitura!

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Com “Má Conduta”, escritor são-mateuense cresce na cena literária paranaense
Consulado do Coritiba em São Mateus do Sul faz entrega de materiais ao Adolescentro
Cultura & Arte juntas em um só evento

Os comentários estão fechados