Máquina do Tempo

A Polônia Medieval – batalhas, castelos e dragões! Parte II

Rainha Jadwiga D’ Anjou, que se tornou a Santa Edviges. (Imagem Ilustrativa)

No século XIII a Polônia ainda era um reino muito fragmentado, os feudos locais guerreavam entre si, além disso, as invasões mongóis na Hungria, Transilvânia e Polônia também devastaram estes territórios, contudo, a Polônia foi um dos únicos locais que não foi atingida pela Peste Negra, que ocorreu na Europa na metade do século XIV.

Durante o término da unificação do reino polonês pelo duque Ladislau I, por volta de 1320 d.C, os cavaleiros templários da Ordem Teutônica, alemães e prussianos, foram contratados como mercenários por Ladislau para unificar a faixa litorânea do reino, que ainda era resistente. Diante dos altos custos da conquista, os cavaleiros teutônicos foram cobrar sua dívida com Ladislau, que se recusou a pagá-los, pois não tinha mais recursos. Assim, os teutônicos resolveram dominar para si a região de Danzig. Resultando numa guerra sangrenta em que o desfecho foi o empate, contudo, o revanchismo entre poloneses e alemães foi germinado, pois o tratado de paz só foi assinado dez anos depois.

Na Polônia medieval, também houve histórias de amor. Entre 1834 e 1899 d.C, o reino polonês foi governado por uma rainha, Jadwiga, em português, Edviges. Ela tinha uma personalidade forte e era amada por seu povo. Jagiello, Grão Duque da Lithuânia apaixonou-se pela rainha, e para poder casar com ela, abandonou o paganismo e se converteu ao cristianismo. Um dos maiores reis da Polônia também foi Casimir III, o Grande, pois foi durante seu governo, entre 1333 e 1370 d.C, que o reino polonês acumulou muitas riquezas, chegando a ser um dos mais ricos da cristandade medieval.

Para encerrar essa viagem no tempo, vou contar um dos mais antigos mitos medievais da Polônia. Conta-se que Cracóvia, era governada pelo Rei Krak. Depois de um período de prosperidade, a cidade começou a sofrer com alguns desaparecimentos de animais e pessoas. Um dia, um jovem foi colher ervas na beira do rio Vístula, e se aproximou da colina Wawel, que é onde fica o Castelo Wawel. Esse jovem, encontrou alguns ossos e chegando mais perto da colina, pode ver o dragão Smok, vivendo escondido numa gruta. O rei Krak então, reúne seus melhores cavaleiros para lutarem contra o dragão. Mas todos falham nessa missão. Desesperado, o rei anuncia: aquele que libertar a cidade do dragão, cavaleiro ou não, casará com minha filha, a princesa Wanda, e terá metade do meu reino.

Vários príncipes e cavaleiros de reinados próximo chegaram para salvar a cidade, mas novamente, nenhum deles teve sucesso. Então, um jovem sapateiro, tem um plano. Ele pega um carneiro bem gordo e enche o interior do animal morto com enxofre, durante a noite, o coloca na entrada da gruta do dragão. Na manhã seguinte, a população escuta uma explosão. O dragão Smok, depois de comer o carneiro com enxofre, sentiu tanta sede, que foi até o rio e bebeu água até explodir. O jovem sapateiro então, se casa com a princesa e tem muitos filhos. Assim, nasce a população e a cidade de Cracóvia, que na verdade, foi construída em torno das colinas de Wawel! Bacana né pessoal, então, até a próxima viagem!

Jéssica Kotrik Reis Franco
Últimos posts por Jéssica Kotrik Reis Franco (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Uma breve história da cerveja
Futebol e História
A tatuagem na História