Foto: Acervo de Itaci Venâncio Lisczewski

Nas pesquisas históricas sempre somos surpreendidos por documentos e relatos que estavam adormecidos no tempo. E é realmente fantástico quando encontramos um registro raro, como uma foto ou um artefato. A imagem desta coluna é uma destas raridades: trata-se simplesmente da foto da primeira rocha de xisto extraída pela Petrobras em São Mateus do Sul. Embarque comigo nessa história!

Antes de abordar a foto, preciso dizer que devo totalmente essa coluna ao meu amigo Sandro Vitonski, parceiro de pesquisa nas manhãs de sábado, que acabou entrevistando a dona Itaci Venâncio Lisczewski e “minerando” essa pedra preciosa. Poucos sabem, mas a SIX não nasceu paranaense. As primeiras iniciativas da Petrobras para exploração de xisto ocorreram em Tremembé (SP), e a decisão por migrar para São Mateus envolveu discussões técnicas e políticas.

O marido de dona Itaci, Mário Lisczewski, foi um dos trabalhadores que chegou a atuar nas duas localidades. E aqui em São Mateus presenciou a retirada da primeira rocha de xisto, trabalho coordenado pelo engenheiro italiano Guido Pizoni, contratado pela Petrobras para as explorações iniciais.

O italiano era muito enérgico e colocava medo nos trabalhadores por sua brabeza. Na foto desta coluna, Pizoni está ao centro, com suas botas pretas. Ao seu lado direito, com uma espécie de capacete, está o topógrafo, de nome Nicolau Orgustova. À sua esquerda encontra-se o Mário Lisczewski, que foi contratado como eletricista, mas era um “faz tudo”, atuando até como motorista do italiano, conforme relato de sua esposa. O primeiro homem no canto direito da foto (de terno) é João Seleme, figura importante de Canoinhas, que veio a São Mateus acompanhar os trabalhos. Ao seu lado, com a pedra de xisto na mão, o alemão Donald Schroeder, dono de uma cervejaria na cidade. Os demais na foto eram moradores da região, sendo que o primeiro da esquerda, com os pés descalços, seria o dono do terreno.

A foto deve ter sido tirada na virada das décadas de 50 para 60. Dona Itaci diz que não sabe quem tirou a foto, mas cita que “pode ter sido o Budzinski, pois ele era o bom na fotografia em São Mateus”. No seu relato emocionado, cujo áudio tenho gravado, dona Itaci repete algumas vezes com a foto na mão: “Aqui começou a Petrobras em São Mateus!”

Aproveito essa coluna para agradecer aos leitores que têm comentado nossas publicações. Na coluna da semana passada postei a foto do Clube Amantes da Prosperidade. Nosso amigo Edgar Justen mandou e-mail explicando que o dia cinco de julho de 1926 foi a data de fundação do Clube Ideal, e que a fusão do Clube Sãomateuense com o Ideal só viria a acontecer em 1963, com o nome de Clube Ideal Sãomateuense (nome que teria sido sugerido pelo Ozy Mendonça de Lima). Outro amigo, Ismael Luís Bieszczad, avisou que a foto citada era de autoria de Fávaro Antônio, conforme registrado no livro do centenário da cidade.

Essa coluna é escrita a muitas mãos, e sou eternamente grato a cada ajuda recebida. Até a próxima semana e céus limpos para todos nós!

Gerson Cesar Souza

Gerson Cesar Souza

Gerson Cesar Souza atua de forma amadora como astrônomo e historiador. É sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico de São Mateus do Sul. Autor dos livros A Estrela de Jacó e O Imortal Coronel Bodziak, que resgatam a história da imigração polonesa em nosso município, e redator do projeto Dois Minutos de História.
Gerson Cesar Souza

Últimos posts por Gerson Cesar Souza (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O fotógrafo fotografado…
O médico de São Mateus do Sul que foi um dos fundadores da Universidade Federal do Paraná
Cidade Amada