Perfil

A são-mateuense que tem como sonho seguir carreira policial

Cristiane é exemplo de que quando temos nossos sonhos como objetivos para a vida, nada se torna empecilho para não alcançarmos. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

As histórias de vida de cada cidadão são diferentes e singulares em certos pontos, os quais raríssimas vezes se cruzam e impactam em objetivos comuns, sendo diferenciados dos sonhos que por sua vez são muitas vezes inalcançáveis. A história de vida da jovem Cristiane Riclitski, de 22 anos, baseia-se na luta diária em alcançar um sonho que ela mesma destaca como seu principal objetivo de vida, o qual soma todos os seus esforços para que seja realizado.

Desde pequenos mostramos nossos interesses no futuro, principalmente profissionais, e nos inspiramos nas pessoas mais queridas que estão ao nosso redor e crescemos a seu reflexo, pois como diriam os sábios, o cidadão nasce intacto e é moldado de acordo com a sociedade em que vive. O maior sonho da jovem são-mateuense que cresceu na comunidade interiorana do Papuã, é tornar-se uma policial militar, e ao ser instigada ao saber de onde buscou essa inspiração, afirma que mesmo não conhecendo ou convivendo com seu avô, que era policial militar, bem como seu primo que também é policial, sempre se imaginou sendo e tendo essa autoridade, vivendo em constante adrenalina.

Cristiane e sua filha Anna Clara de 5 meses. (Foto: Acervo pessoal)

O objetivo em tornar-se policial militar é incessante em seu cotidiano desde o momento, o qual recorda-se, que quando frequentava o Colégio Estadual Duque de Caxias em São Mateus do Sul, precisamente na quinta série, quando fora instigada a retratar seus sonhos em um singelo pedaço de papel branco, surpreendeu a professora e colegas ao desenhar uma viatura policial e afirmar que queria ser policial e salvar vidas.

Cristiane é brigadista e atua há dois anos como segurança em eventos particulares em uma empresa privada, onde já encarou diversas situações que a motivaram ainda mais diante do seu objetivo, “já passei por uma situação na Lapa onde aconteceu uma briga generalizada. Penso que naquele momento em como poderia ser atuando como uma Policial Militar, seria muito mais respeitada, pois há locais que os seguranças não recebem o mínimo de respeito.”

Mesmo diante o século XXI, a sociedade ainda enfrenta duros e inconcebíveis problemas com conceitos infundados e machistas em relação a mulher ocupar cargos, atribuições e funções antes dominadas ao extremo por homens, e a realidade não é diferente no ambiente militar que ainda existe a forte predominância masculina. Mas apesar de concordar que muitas vezes o pré-conceito por parte de muitos homens diante às circunstâncias onde as mulheres se encontram, Cristiane afirma mesmo enfrentando várias piadinhas quase que a cada evento que atua como segurança, encara isso como fonte de fortalecimento, “estimo ser respeitada! Já vi várias vezes policiais femininas chegarem a determinadas situações impondo respeito, muitas vezes ainda mais que os próprios homens”, conta.

Há dois anos Cristiane vem se preparando para um possível concurso da PM, o qual estima ser possivelmente realizado até o final deste ano e também para o curso de oficiais do exército, apesar de não ser seu principal objetivo. Quanto ao apoio, a jovem destaca que suas amigas e várias pessoas próximas sempre a motivam na busca por seu objetivo.

Enfatizada em como é a Cris família, a sonhadora afirma que gosta da presença da família e estar na presença deles e no aconchego do lar. Mãe da pequena Anna Clara de apenas 5 meses de vida, Cristiane enaltece que a bebê é seu porto seguro, sua fonte de motivação ainda maior para correr atrás de seus objetivos, a fim de lhe dar um futuro melhor.

Adora praticar exercícios físicos e lembra que num passado, enquanto educanda, participava de jogos estudantis representando seu colégio na modalidade de futsal, no qual conquistou várias medalhas e troféus como atleta destaque.

“No momento que estiver formada e fardada, quero dar orgulho para minha família, principalmente meus pais – e assim estarei realizada! E depois de chegar lá, quero correr atrás e crescer dentro da corporação”, destaca.

“Sei das dificuldades enfrentadas pelo sistema, mas espero fazer minha parte em prol aos cidadãos, dando minha vida para salvar a vida do próximo! Quero ver São Mateus do Sul crescer, ser a cidade que terá um futuro brilhante para a minha filha. Mas meu coração irá para onde a PM me levar, mesmo que um pedacinho dele tenha de ficar portado aqui na minha cidade”, conclui Cristiane.

CHARGE:

Colaborador

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O gênero do amor é a igualdade
A vida de quem tem pouco, mas que multiplica muito
O pipoqueiro são-mateuense que conquistou o Brasil

Os comentários estão fechados