Artigo de Opinião

A verdade é que só damos valor quando perdemos

Falar em perdas é muito complicado, porque na maioria das vezes isso machuca, e te remete a tempos que não voltarão mais. E não me refiro apenas a perdas sentimentais, como de um ente querido ou de um relacionamento malsucedido, mas sim de perdas que custamos aceitar, mas que ficam presas em nosso subconsciente.

Cada pessoa aceita a perda de uma forma diferente. Algumas simplesmente fazem de conta de que nada aconteceu, mas outras ficam remoendo a situação de maneira tão lúcida e fixa, que não conseguem seguir em frente sem desconectar, nem por uma parcela, da perda vivenciada.

Perda de emprego, perda de oportunidade pela falta de coragem no momento certo, perda de dizer realmente aquilo que você deseja para alguém, a perda que transforma da maneira mais banal algo que transcreve e resume uma vida sem a tentativa remota de arriscar-se que se faz presente diariamente na perspectiva de muitos.

Todos os dias perdemos algo, e deixamos de perceber que estas perdas fluem por nossas mãos como água saindo de pressa por uma torneira. Perdemos momentos ao lado de quem gostamos mas para não deixar de perder oportunidades que são de extrema necessidade em nossa vida.
Chega um momento em que o questionamento sobre a validade da perda tem um enorme peso na nossa vida, mas todo este fato não justifica que não devemos valorizar as pequenas coisas antes de perdê-la.

Não deixe de perder momentos, pessoas, oportunidades e conquistas. Pois não é só quando se perde que precisa ser valorizado.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Esquecemos de ter tempo?
Ser professora é virar heroína até depois de partir
Potencialidade turística