Especial

A vitória contra um câncer e o recomeço profissional

Ao todo, foram 13 sessões de quimioterapia que fizeram a jovem vencer um câncer no útero. Dia 15 de março de 2015 nasceu uma nova mulher. (Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Simpatia, alegria e gratidão: esses três sentimentos resumem e muito a vida da são-mateuense Crislaine Oliveira, de 27 anos, que abriu as portas de sua vida e contou um pouquinho sobre a história de vitória contra um câncer no útero e o amor descoberto por uma profissão que retribui todo sentimento de agradecimento sentido por ela durante o tratamento.

Nascida em São Mateus do Sul mas de família mineira, que esbanja carinho e fraternidade, Crislaine foi criada em um ambiente bastante unido. “Sempre falo que sou extremamente grata por tudo que meus pais e minha irmã fizeram em minha vida”, afirma. Além desse aconchego, o amor incondicional pela Laís, sua filhinha de 5 anos, construiu uma relação de cooperação com a família paterna da pequenina, que hoje manifesta o carinho pelas duas. “Esse sentimento que eles sentem por nós é algo que vou levar para sempre”, diz.

Aos 21 anos, Crislaine descobriu que se tornaria mãe. Mesmo com o receio e o baque que isso trouxe em sua vida, a jovem recebeu um grande apoio dos familiares. “Sempre falo que a Laís não foi planejada, mas sim muito esperada por todos que desde o início a amaram muito”, afirma. Após o nascimento de sua filha, a rotina de Crislaine mudou completamente, e a Laís passou a ser o principal motivo de alegria de toda a família. “Ela é um anjo! Sou até suspeita em falar porque sou a mãe (risos), mas a Laís é muito educada e se adapta em todos os lugares que frequenta”, diz orgulhosa.

Após alguns meses do nascimento da filha, Crislaine começou a sentir alguns sintomas diferentes no seu corpo. “Dos 30 dias do mês, 25 eu estava com sangramento. Eu havia perdido muito peso e as pessoas me falavam que poderia ser por conta da amamentação”, relembra. Chegando a pesar 42 quilos, a são-mateuense resolve fazer alguns exames para ver como estava sua saúde, e uma forte anemia foi diagnosticada. Por conta dos sangramentos Crislaine procurou um ginecologista, e após a coleta dos exames, foi encontrado no seu útero um carcinoma no estágio dois. O carcinoma é o tipo de câncer mais comum nos seres humanos, podendo surgir em praticamente todos os tecidos do nosso corpo. A jovem foi encaminhada para um médico oncologista na capital Curitiba. “Não avisei ninguém da minha família desse diagnóstico e fui sozinha na minha primeira consulta. É da minha personalidade não alarmar para tantas pessoas”, diz.

Chegando no hospital de tratamento de câncer, Crislaine ficou assustada com o sofrimento de tantas pessoas. “Acho que um dos nossos principais problemas é não pensar que algo tão ruim acontecerá conosco”, diz. A forma abrupta que o médico a atendeu mexeu ainda mais com o psicológico da jovem, que ouviu que a única forma de cura para a doença era a retirada do útero. “Fiquei sem saber o que fazer”, admite. Voltando para São Mateus do Sul desnorteada, Crislaine afirma que um de seus maiores medos era não ver a filha crescer. “Muitos pensam que o câncer é uma sentença de morte”, expressa.

No meio desse caos, Crislaine conta que muitos anjos apareceram em sua vida. “Tive o apoio de pessoas da área da saúde, como o Doutor Eduardo e o Doutor Mário, que me ajudaram e deram indicações para procurar a opinião de um segundo médico”, conta. Encaminhada para o Instituto Paranaense de Oncologia (Ispon), em Ponta Grossa, a são-mateuense conheceu a Doutora Ana Carolina, que foi uma das principais motivadoras durante o seu tratamento. “A abordagem foi completamente diferente. Ela compreendeu a minha situação”, afirma. A médica explicou todo processo de tratamento que seria feito, e as sessões de quimioterapia iniciaram logo em seguida. “Nesse dia a retirada do meu útero passou a ser a segunda opção.”

A oncologista também explicou quais seriam as possíveis reações que Crislaine teria durante o tratamento. “Só depois que estava com o diagnóstico completo em mãos, que eu fui avisar a minha família que eu estava com câncer”, diz. Mesmo durante o tratamento, a são-mateuense não deixou de trabalhar, e afirma que o contato com o público a ajudou muito durante toda a luta contra o câncer. Ao todo foram 13 sessões de quimioterapia que fizeram a jovem vencer a doença, sem a necessidade de retirar o útero.

Crislaine está cursando Técnico em Enfermagem e se sente realizada no caminho profissional. (Foto: Acervo Pessoal)

Entre as histórias de vida encontradas no Ispon durante o tratamento, Crislaine afirma que os grupos de apoio fortalecem ainda mais o ânimo de viver. “Quando comecei a perder o cabelo parecia que a minha força estava indo junto. Pensava comigo que eu precisava encontrar uma maneira de não me abalar com isso, e lá no Ispon minha autoestima começou a voltar”, relembra. Nos grupos de apoio a troca de lenços passou a ser muito comum no cotidiano da jovem. “O turbante, que hoje as pessoas costumam me ver usando, me traz uma força que é difícil de explicar”, afirma. O tratamento de Crislaine foi um processo silencioso e o momento de cura foi uma data de renascimento. Dia 15 de março de 2015 nasceu uma nova mulher.

O caminho profissional que está sendo traçado pela são-mateuense tem uma importante ligação com a saúde e com a gratidão pelos “anjos” que passaram em sua vida. Há alguns anos Crislaine iniciou uma graduação em Biologia, mas percebeu que esse não era o ramo que gostaria de seguir. Após a realização de um curso de inspeção de equipamentos, ela começou a trabalhar em uma clínica médica, que a aproximou ainda mais da Enfermagem. “Sempre gostei de cuidar das pessoas e ter esse contato. Via que o meu lugar era ali! Me sinto muito a vontade em dizer que hoje eu escolhi uma profissão que quero levar para a vida inteira”, admite.

Atualmente Crislaine está finalizando o curso de Técnico em Enfermagem, mas possui também um curso de especialização na área de Socorrista. “Quero no futuro fazer uma graduação na área e realizar um dos meus principais sonhos que é montar uma equipe para fazer um trabalho voluntário pelo interior de São Mateus do Sul”, afirma.

CHARGE:

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A história do Colégio Estadual do Campo Duque de Caxias que comemora 50 anos em 2018
Estamos todos com você Mary
São Mateus do Sul será representado no Miss Trans Paraná 2018

Os comentários estão fechados