(Fotos: Reprodução / Instagram: @comurggoiania)

Por Razões Para Acreditar

Rogério é um daqueles exemplos extraordinários de luta e superação. Ele nasceu com uma doença nos olhos, conhecida como “glaucoma congênito”, começando a perder a visão ainda na infância. Mas há 5 anos, ficou completamente cego. Ainda assim, o problema nunca foi empecilho para que ele corresse atrás dos próprios sonhos. Tanto que faz 16 anos que Rogério trabalha na Comurg, a Companhia de Urbanização de Goiânia (GO), onde atua na área de jardinagem. E, enquanto trabalha, o jardineiro também estuda (via EAD) em uma faculdade particular, onde faz o curso de Pedagogia.

ANÚNCIO

O material das apostilas não é em braille, mas como Rogério está acostumado a driblar os desafios, ele encontrou uma forma diferente de estudar: gravando as aulas dos professores e anotando tudo que eles falam. “Gravo a aula e gravo também (em áudio) os textos das apostilas que estou estudando”, disse o jardineiro, acrescentando que a filha e a esposa é quem lê as apostilas em voz alta para ele. Assim, boa parte da família também acaba estudando com Rogério!

Apesar da cegueira, ele anda por todo o viveiro da Comurg tranquilamente, todos os dias, seja com a bengala, seja com sua bicicleta. A rotina é pesada: Rogério vai em casa apenas para dormir. “Eu saio às 6h da manhã e retorno às 22h, quando minha esposa me busca”, disse.

Infelizmente, ainda que o trabalho do goiano seja super puxado, sua situação financeira que não é fácil e acabou se complicando: apesar de sua esposa também trabalhar para sustentar as duas filhas, há muitas despesas em casa, fora a mensalidade da faculdade. Por isso, Rogério se viu obrigado a trancar o curso para aliviar as dívidas. “Eu não queria, mas fazer o que… Inclusive, o dia que eu tranquei, fui lá na faculdade [presencialmente]. Na volta, um quilômetro e meio ‘batendo’ bengala, vim chorando, porque não queria trancar”, relembrou.

Foi aí que um amigo – daqueles que mais parecem um pai! – teve a ideia de fazer uma rifa pra pagar as mensalidades do curso do jardineiro. “E deu super certo! Conseguimos comover e motivar o pessoal, e foi um mutirão instantâneo. Conseguimos colocar as dívidas da universidade em dia”, disse o gari José Evangelista Moreira. A rifa foi totalmente vendida em duas semanas.

A história dele e de Rogério é antiga: Evangelista não deixaria de forma alguma o amigo, que ele trata como filho, desistir do sonho de se tornar professor de História e Braille. “Eu vim pra Comurg, né, e ele veio também. Coincidiu da gente vir trabalhar no mesmo local após o concurso para jardineiro e aqui ele me chama de papai, sabe, a gente vai e volta junto… E quando ele decidiu estudar e se empenhou para isso, também demos todo o nosso apoio”, completou o amigo.

Rogério exala força de vontade e é uma grande fonte de inspiração e resiliência por si só!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Tricotando o Amor ao Próximo na extensão do Hospital Erasto Gaertner em Irati
Dos consoles nas lan houses à periféricos próprios: conheça a paixão e investimento dos são-mateuenses pela área de videogame
Eventos de aniversário de São Mateus do Sul