(Foto: Acervo Gazeta Informativa)

A 35ª sessão ordinária da Câmara Municipal de Vereadores de São Mateus do Sul, realizada na última terça-feira (8), teve muitas matérias em discussão. Dentre elas os Projetos de Lei nº 036/2019 que abre ao orçamento do município, crédito adicional especial, no valor de R$ 15.000,00 através de superávit financeiro na fonte 494 – Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde; e o Projeto de Decreto Legislativo nº 001/2019 que ratifica o protocolo de intenções firmado entre o município de São Mateus do Sul e a cidade de Virasoro, da Província de Corrientes – Argentina, para declarar e reconhecer como cidades-irmãs.

Indicações foram apresentadas por alguns vereadores, visando beneficiar vilas e comunidades do interior do município. Em seguida iniciou-se o uso da tribuna, quando o clima começou a esquentar.

Durante a semana passada houve um manifesto por parte dos servidores públicos reivindicando um aumento salarial e que o prefeito municipal, Luiz Adyr Gonçalves Pereira estava demorando aprovar.

O vereador Jackson Machado no uso da palavra apresentou o projeto de reajuste e detalhou para os representantes do Sindicato dos Servidores Públicos que estavam presentes, tentando amenizar o problema criado entre a classe e o Executivo, tranquilizando sobre a garantia que terão o aumento salarial de 2,5% reivindicado.

Jackson falou também sobre os investimentos que serão aplicados na Vila Amaral, a quantia de R$ 1,7 milhão, e que segundo o próprio vereador, não é emenda do deputado estadual Emerson Bacil, afirmando que o mesmo liberou apenas um pouco mais de R$ 200 mil que só dará para pavimentar duas quadras. Machado comentou também sobre a volta das atividades do britador de pedras para melhorar o sistema de empedramentos das estradas do interior e vilas.

A vereadora Fernanda Sardanha repudiou a atitude do prefeito Luiz Adyr com relação ao pedido dela, de uma ambulância para o transporte de pacientes que fazem hemodiálise em Curitiba e que ele só aceitaria se não tivesse sua assinatura. Comentou da perseguição que tem sofrido pelo Executivo e que tudo que pede, nada é atendida. Falou também sobre o caminhão de lixo novinho que se encontra no pátio de máquinas da Prefeitura e o serviço sendo terceirizado. Segundo ela, a manutenção de máquinas e caminhões também foram terceirizados com contrato suspeito, pois os serviços estão paralisados em função da empresa estar atuando de forma irregular.

Fernanda falou também da forma que o Executivo Municipal administra, negando as emendas parlamentares de deputados que não são de seu grupo partidário, pensando que é dono do município e que não pensa no povo, nas necessidades da população.

O presidente da Câmara, vereador Nereu Edmundo Dal Lago quando fez uso da palavra disse que tem tido uma postura séria e que já declarou apoio ao deputado Emerson Bacil, independente se vai sofrer alguma pressão do prefeito, pois foi eleito no mesmo grupo e fará de tudo para trazer as emendas do deputado.

Os ânimos ficaram mais quentes ainda quando o vereador Júlio Balkowski, em suas explicações pessoais, comentou sobre o autoritarismo do prefeito Luiz Adyr. Ele citou negociatas e disse que o prefeito não tem respeito por nenhum vereador, e falta consideração até mesmo com membros de seu próprio grupo político. Júlio referenciou o prefeito com tom de voz alterada e batendo na mesa, se mostrando muito nervoso e revoltado, sendo até interferido pelo presidente da Casa de Leis. Assim que encerrou seu pronunciamento, ele guardou seus pertences na gaveta da bancada e deixou a sessão da Câmara sem se despedir de ninguém.

Vereadora Marta Centa falou que presenciou a demora no atendimento médico no Posto de Atendimento e solicitou mudanças na forma de proceder. Sugeriu também a criação de um aplicativo para que possa facilitar o acesso ao atendimento e que está cansada com essas filas quilométricas. “Estamos no século 21, mas parece que estamos na idade da pedra com esse sistema.”

Marta reclamou também a exemplo dos demais, com relação as atitudes do prefeito em sua forma de governar, com interesses próprios. Comentou do problema da ausência da dentista de Fluviópolis, mas por outro lado elogiou o trabalho dos profissionais da área, que fizeram um trabalho maravilhoso naquela comunidade.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Câmara Municipal de Vereadores reverte verba da construção da nova sede do legislativo para a futura construção do hospital
Regularização na Usina Velha em pauta
Requerimentos importantes são discutidos e votados na sessão ordinária