Especial

Após superar câncer, mulher realiza o sonho de engravidar

Noiva do são-mateuense Anderson Filus, Letícia Nunes Rosa passou por problema sério de saúde, e hoje comemora a tão sonhada gravidez. (Foto: Acervo Pessoal)

Sabe aquelas histórias que motivam as outras pessoas a persistirem em seus objetivos? Essa é uma parte da vida de Letícia Nunes Rosa, natural de Imbituba (Santa Catarina), que está vivendo um dos momentos mais bonitos de sua vida: a gravidez e a espera da pequenina Alice.

Mas isso não se resume apenas em uma história de tentativas e resultados, mas sim, no ânimo de viver e cuidar-se da melhor maneira possível para garantir a saúde da filha que está a caminho.

Noiva do são-mateuense Anderson Filus há 5 anos, Letícia passou pela primeira gravidez há 3 anos atrás, e no feriado do dia 15 de novembro, em sua décima semana de gestação, teve um abordo espontâneo. Antes disso, Letícia passava por um período de tratamento de saúde, e estava em busca de um diagnóstico para tratar sintomas negativos apresentados em sua saúde. “Alguns médicos pensavam que era dermatite. Também fui tratada por ansiedade”, explica.

Mas logo após esse abordo espontâneo, Letícia passou por uma bateria de exames, e 15 dias após o aborto, ela foi diagnosticada com um câncer no sistema linfático, chamado Linfoma de Hodgkin, que estava no estágio 4, o mais avançado para a doença.

O Linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer que começa nos linfócitos, que fazem parte do sistema imunológico do organismo. Sendo internada imediatamente, Letícia passa por um sério tratamento, que totalizou 12 quimioterapias e 15 radioterapias. “Durante o tratamento, a médica sempre deixou bem claro a possibilidade dos medicamentos me deixarem infértil, algo que acontecia em grande parte dos pacientes que possuíam este câncer”, ressalta.

Na época da descoberta do câncer, Letícia comenta que ainda estava muito abalada pela perca do bebê. “Demorou muito para cair a ficha de que eu estava doente. Ainda passava muito pela minha cabeça o choque da perda, e só depois de algum tempo, percebi da gravidade do câncer”, diz.

Como a maioria dos tratamentos do câncer, o desgaste corporal e emocional eram visíveis. Contando com o apoio de familiares, e principalmente do noivo que estava sempre ao seu lado, Letícia afirma que esse suporte foi crucial para sua recuperação, principalmente no final do tratamento.

Depois da recuperação, ela voltou a ir periodicamente ao médico para acompanhamento, e dessa maneira iniciou um tratamento com um obstetra de gravidez de risco para nova tentativa de engravidar. “A gravidez sempre foi um sonho. Esse tratamento durou 6 meses, foi muito intenso e mexeu muito com meu psicológico por medo de não conseguir gerar um filho.”

Após finalizar esses tratamentos sem êxito, de forma natural, Letícia engravidou e hoje está no terceiro mês de gestação. “O que estou sentindo é uma felicidade que eu não saberia expressar em palavras. Tudo que eu passei me preparou para me tornar uma mulher mais forte. Com todo esse percurso já vivido, isso me possibilitará ser uma mãe melhor”, garante.

Letícia encerra a entrevista afirmando que acreditar é o ponto chave para qualquer objetivo da sua vida. “Já vi diversos casos em que a medicina desacredita numa gestação. Quando tem que acontecer e é a vontade de Deus, tudo ficará bem. Acredite que na hora certa as coisas acontecem.”

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Falando sobre Setembro Amarelo
Por onde andam os Irmãos Nhanhowski?
Grupo de São Mateus do Sul viaja mais de 12 mil quilômetros