Política e Cidadania

Aprovada em 1ª votação a redução de subsídios do Executivo e Legislativo

Dois polêmicos projetos de leis foram aprovados em primeira votação nesta segunda-feira (28), em sessão ordinária, na Câmara Municipal de São Mateus do Sul. O número de pessoas que acompanharam a sessão foi baixo, em relação a expectativa para a pauta do dia.

O projeto de lei n° 22/2015, que dispõe a redução dos subsídios dos vereadores para R$ 800,00, teve votos contrários dos vereadores Omar Raimundo Picheth, Luis César Pabis e Antônio Wilson Waligurski (Bira); com votos favoráveis dos vereadores Márcio Antônio de Lima Barbosa, Mario Stori Stuski, Manoel Ferreto e Miguel Paulo Ferreira e Geraldo Altevir de Paula e Silva. Já o projeto de lei n° 21/2015, que dispõe reduzir os subsídios do vice-prefeito, e secretários parar o valor de R$ 3.500,00 e para prefeito no valor de R$ 10.000,00, teve votos contrários dos Vereadores Omar Raimundo Picheth, Luiz Cesar Pabis e Antonio Wilson Waligurski; com votos favoráveis dos Vereadores Marcio Antonio de Lima Barbosa, Mario Stori Stuski, Manoel Ferreto e Miguel Paulo Ferreira, Geraldo Altevir de Paula e Silva.

De acordo com o representante do movimento social que reivindica a redução dos subsídios dos vereadores, Emmanuel de Lima Maciel, o movimento surgiu com o intuito de reduzir os subsídios dos vereadores com valores a ser discutido pela população. “Mas considerando que eles elaboraram o referido projeto determinando o valor de R$ 800,00, estamos de acordo e apoiaremos a intenção deles, ou seja, apoiaremos o valor que eles mesmos estipularam. Oportuno frisar que somos, desde o início, favoráveis pela redução dos subsídios dos vereadores e somente deles, não há, por parte do grupo, qualquer intenção para redução salarial do prefeito, vice-prefeito e secretários”, enfatiza.

Emmanuel afirma que o grupo acredita que o projeto de lei n° 22/2015 será aprovado pelos vereadores, “e consequentemente contamos com a aprovação do prefeito, todavia, caso isso não aconteça continuaremos com as manifestações e apresentaremos o nosso projeto e com o apoio e consentimento da população de São Mateus do Sul chegaremos a um valor que entenderemos devido aos vereadores”, finaliza.

O vereador Luiz Cesar Pabis, justifica seus votos contrários aos projetos 21 e 22. “Segui o parecer jurídico contrário do advogado da Câmara de Vereadores e também o parecer jurídico contrário do advogado da Mesa Diretora, que constataram a inconstitucionalidade e ilegalidade dos projetos a serem apreciados e votados neste ano, reportando-se ao artigo 17 da Lei Orgânica do Município de São Mateus do Sul, que diz: Art. 17. Os subsídios do Prefeito, Vice-Prefeito, Vereadores e Secretários Municipais, serão fixados pela Câmara Municipal no último ano da Legislatura até 30 dias antes das eleições municipais, vigorando para legislatura seguinte, observando o disposto na Constituição Federal”.

Segundo Pabis, não houve diálogo com os munícipes ou líder do movimento na construção dos projetos 21 e 22. “No meu ponto de vista faltou habilidade para conversar com quem realmente paga nossos subsídios – os munícipes. Não tem qual foi o critério adotado para a redução dos subsídios, somente na justificativa do projeto que seria um bom exemplo dessa Casa Legislativa. No meu ponto de vista não pode ser nem 8 nem 80, deve-se achar um meio termo e aproveitar este momento para que cada vereador preste conta de seu mandato e a população contribua para definir o valor justo dos subsídios para os vereadores”, finaliza.

O presidente da Câmara, Enéas Melnisk explica que se os projetos forem aprovados em segunda votação, vai para o Prefeito Municipal sancioná-lo ou vetá-lo. Caso seja aprovado, começa a valer a redução a partir de 2017.

Para Enéas o movimento social que busca a redução salarial dos vereadores “é uma organização política criada com a intenção de atacar o Poder Legislativo de São Mateus do Sul e que anteriormente atacava o Poder Executivo”, afirma. Segundo ele, a constatação ocorreu a partir do fato de que na sessão de segunda feira, dia 28, o comparecimento foi mínimo, cerca de 10 manifestantes, onde sim seria discutida e votada a matéria. “A população deve começar a discutir o papel do vereador e usar como parâmetro outras Câmaras na região – que possuem sede própria, diárias, veículos próprios, subsídio maior para o Presidente, reembolso de despesas e cursos, gabinetes, despesas com publicidade, assessores e gabinetes entre outras despesas, que São Mateus do Sul não têm. A Câmara de São Mateus do Sul economiza cerca de R$ 200 mil por mês, que são revertidos ao município”, enfatiza.

Para Enéas é preciso verificar qual a real intenção do movimento, “que não defende instituições (como hospital, CFR, Petrobrás) e não procura se capacitar para entender sobre a Administração Pública, mas apenas uma bandeira política, através da ameaça e de ofensas verbais e morais; Verificar a idoneidade de alguns dos seus componentes, e no final obter um consenso de qual valor deve receber um Vereador. Se concluir que o valor aprovado pelos vereadores é o correto, este deve prevalecer”, conclui.

A segunda votação das propostas acontecem na próxima segunda-feira (5).

Fundadora e proprietária da Gazeta Informativa, graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo e pós-graduada em Produção e Avaliação de Conteúdos para as Mídias Digitais.

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Sessão da Câmara conta com discussões sobre os projetos vetados pelo executivo
Revisão biométrica da 12ª Zona Eleitoral de São Mateus do Sul começa no mês de julho
Jovem advogado trilha em busca da prefeitura

Os comentários estão fechados