Artista são-mateuense Bárbara Licheski. (Foto: Acervo Pessoal)

A artesã são-mateuense Bárbara Licheski, é uma das colaboradoras do projeto intitulado “Amis do Pantanal”. A ação já conseguiu arrecadar mais de R$ 100 mil, que serão posteriormente destinados ao tratamento dos animais que habitam o bioma do Pantanal, localizado na região Centro-Oeste do Brasil. De janeiro a outubro, incêndios atingiram cerca de 4,1 milhões de hectares do ecossistema, segundo o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa), da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

O dimensionamento da situação, de acordo com o Instituto SOS Pantanal, é de que a área atingida por incêndios florestais já corresponde a 28% do Pantanal Brasileiro, que se estende ao longo de cerca de 250 mil km² de paisagens e habitats para diversos exemplares da fauna e da flora. De acordo com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o ano de 2020 foi o que teve mais registros de fogo no Pantanal, desde o fim da década de 90, quando este tipo de monitoramento começou a ser realizado.

“Amis do Pantanal”

A ação social intitulada “Amis do Pantanal”, visa arrecadar verba para as Ong’s (organização não-governamental) que estão trabalhando no Pantanal. São as seguintes: Instituto SOS Pantanal, Instituto Arara Azul, Associação Onçafari e ONG Ampara Animal. O projeto consiste na venda de tutorias de como fazer bonecos de animais do Pantanal, através de uma técnica de crochê e tricô japonesa, intitulada Amigurumi.

(Fotos: Amis do Pantanal)

Artistas de todo o país estão participando, sendo nossa cidade representada pela são-mateuense Bárbara Licheski. “A ideia surgiu com uma artesã de Sorocaba, em São Paulo. Assim que eu vi a publicação dela sobre colaborações, não pensei duas vezes em participar. Eu já possuía uma receita ensinando a fazer um veado, então perguntei a ela se poderia adaptar para produzir o cervo-do-pantanal. Ela é bióloga e já havia definido algumas espécies”, comentou a artesã.

12 artesãs em prol do Pantanal

A moradora de São Mateus do Sul comentou sobre a concepção do projeto. “Em cerca de uma semana os 12 tutoriais foram criados, e organizarmos o perfil nas redes sociais, assim como a divulgação. Não estipulamos nenhuma meta, mas o sucesso atingido pelo projeto surpreendeu a todas nós envolvidas. O projeto ganhou tamanha repercussão, que foi vinculada uma reportagem no Jornal Hoje, da TV Globo. Todo o dinheiro arrecadado será doado para ong’s, que dedicam seu trabalho no tratamento de animais vítimas de queimadas florestais”, explicou Bárbara.

Além das organizações já citadas, o dinheiro arrecadado também será destinado a uma ONG que se dedica ao cuidado de primatas no estado de São Paulo. Para conhecer mais sobre o projeto, acesse o endereço eletrônico amisdopantanal.meloja.com.br. Diversas espécies pantaneiras foram representadas, dentre elas a capivara, a sucuri-amarela e o jacaré-de-papo-amarelo.

No mês de setembro, a Polícia Federal deu início a uma operação para apurar as origens das chamas no Pantanal. Investigações apontaram que ao menos 5 fazendeiros foram responsáveis. As apurações ainda estão em curso e maiores informações serão divulgadas assim que os fatos forem plenamente esclarecidos. O meio-ambiente é um bem de uso coletivo, cabe a todos respeitá-lo e utilizá-lo de maneira racional. Faça a sua parte você também!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
70 anos do Colégio Estadual Duque de Caxias
A originalidade da arquitetura são-mateuense – Parte I
A irmandade em dose tripla