Artigo de Opinião

As pessoas deixam de ser perfeitas quando pensam que são perfeitas

(Imagem Ilustrativa)

Estava assistindo um vídeo nessa semana e queria que ele se transformasse em uma pessoa só para poder abraçar e dizer, “sim eu te entendo perfeitamente!”. Com a explosão de youtubers por aí – para quem não sabe, youtuber é aquela pessoa que faz vídeo para o Youtube, importante site de mídias da atualidade -, conheci o canal da JoutJout, apelido carinhoso para a Julia, youtuber que traz fatos do seu cotidiano para a vida das pessoas que lhe assistem.
De maneira leve e irreverente, Jout aborda temas que com certeza eu, você e as pessoas em nossa volta já viveram algo parecido. No vídeo que acabei assistindo, ela estava falando sobre como nos martirizamos quando erramos alguma coisa – qualquer coisa mesmo!

Desde que somos pequenininhos, aprendemos que errar é coisa de gente fracassada. Ficamos irritados com um erro em uma prova ou quando falhamos na realização de algum tipo de atividade. Em seu vídeo Jout mostra claramente que não devemos nos cobrar tanto quando vacilamos em algo, mas sim, devemos tirar um aprendizado positivo sobre tal coisa.

É simples, pense em um erro que você cometeu. Agora extraia tudo de positivo que ele trouxe para a sua vida hoje (“ah Cláudia, mas não tem nada de positivo”, pense de novo que tem sim!). Voilà. É muito mais fácil quando tiramos algo positivo, mesmo que seja mínimo, de algo que tanto nos incomoda. Melhor do que fazer essa reflexão é compreender que todo mundo passa por erros todos os dias. É humanamente impossível tudo em nossa vida sair perfeitamente, e o melhor de tudo é não estar sozinho nisso. Se queremos mudar algo, devemos principalmente compreender a situação que o outro também se encontra.

Já passei por vários momentos que errei na minha vida, mas com o mesmo baque que eles trouxeram, busco evitar que isso se repita outras vezes. Sem os erros de nossa vida não seríamos quem somos hoje. Quando não erramos, não temos a possibilidade de acertar.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Aproveita!
Pequena idade, grande responsabilidade
Cresci e mudei. E agora?