Segundo informações contidas no álbum Cinquentenário da Navegação 1882-1932, o Lloyd Paranaense S. A. foi fundado em 15 de março de 1915, tendo como sede, a partir de 1918, a cidade de São Mateus do Sul. Essa empresa de navegação agregou outras empresas que atuavam nesse ramo de transporte, dando mais agilidade e organização à atividade fluvial. Possuíam muitos vapores e muitos funcionários.

Na fotografia, o evento registrado pela lente do fotógrafo desconhecido, mostra a diretoria dessa empresa durante uma Assembleia Geral. A data impressa na fotografia é de 28 de fevereiro de 1948. No Vapor Pery, na posição a bombordo, da esquerda para a direita aparecem três homens adultos: José Nepomuceno (Carvoeiro), Frederico Sherbauer (Fritz) e Luis Gonçalves de Almeida. Os demais (todos homens), estão fora do vapor: Pedro Ibraim Marques, Antonio Carneiro Portes Neto, Nelson Fowler, Manoel Cunha Bittencourt, Olívio Wolff do Amaral, Edgar Linhares, João Batista Distéfano, João Gabriel Martins, José Caetano Ferreira Júnior e Albino Prohmann. Os meninos não foram identificados.

O Vapor Pery pertencia à empresa de navegação Lloyd Paranaense S. A., que chegou a ter 28 embarcações. Ele era um dos maiores com capacidade para 800 sacas de erva-mate e 200 dúzias de tábuas. Era comum os vapores puxarem duas embarcações pequenas carregadas de mercadorias. Em média, os vapores desciam o rio de Porto Amazonas à União da Vitória em 2 dias e subiam em 4 dias. Nessa foto, o Vapor Pery, atracado no porto, já está em sua segunda versão. Aparece também na imagem, a lenha que servia como combustível. Geralmente era a bracatinga e o branquilho, cortada nas margens do Iguaçu.

Na fotografia, logo atrás do Vapor Pery aparece um outro vapor, também pertencente ao Lloyd Paranaense. O local é o antigo porto fluvial “São Matheus”. Ali os vapores foram construídos, montados, consertados e tudo mais que fosse necessário para manutenção da navegabilidade dos mesmos.

Em 1953, extinguiu-se a empresa Lloyd Paranaense. Os barcos foram desmontados ou transferidos para outros rios e o grupo profissional que se formou, dispersou-se para adaptar-se a outras funções. Essa fotografia, portanto, é dos últimos anos das atividades dessa empresa em nosso município e praticamente de toda navegação a vapor, que teve início no final do século XIX.

Referências

RIESEMBERG, Alvir. A instalação humana no Vale do Iguaçu. 1973, União da Vitória;
Mansur, Aziz. Cinquentenário da Navegação do Iguaçu e seus afluentes. Curitiba, 1932;
LANGE, Francisco Lothar Paulo. Iguaçu, um caminho pelo rio. Curitiba, 2005;
Cinquentenário Lothar.

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
História e Memória da Erva-mate: Casa Comercial Hauer e CIA
Fotografia e trabalho: o arado de José Bójanowski
CAPA DE REVISTA