No sábado, dia 29 de fevereiro, no Hospital Evangélico em Curitiba, Valtuir Leal Griten aos 38 anos de idade, faleceu vítima de câncer no pulmão. A descoberta da doença foi tão rápida que não deu tempo de iniciar tratamento. Cerca de dez dias entre diagnóstico e falecimento, contam os colegas de equipe.

Formado na turma de 2005 pela Universidade do Contestado (UNC), em Canoinhas, no curso de Direito, Valtuir atuou como assessor jurídico da Prefeitura Municipal de São Mateus do Sul. Querido por familiares e amigos, estes, expressaram sua fé em correntes de oração quando o caso, visto apenas como um resfriado, intensificou-se. Seu corpo foi velado na Câmara de Vereadores no dia 29 de fevereiro e sepultado no último domingo, dia 1º de março, no cemitério da Colônia Taquaral.

Segundo apurações, Valtuir era de família humilde e filho exemplar. Ele deu somente orgulho a todos em sua volta. Tinha muitos amigos e era palmeirense roxo, não dispensava o futebol semanal. Teve Antônio Waldomiro (em memória) como pai e sua mãe chama-se Olaine. Os irmãos são Valmir, Jucimara e Josiane. Além da esposa, Micheli Musialak, onde juntos viveram um amor intenso, segundo informou Josiane, irmã de Valtuir, à nossa equipe. Os cunhados atendem por nome de Maurício, Rangel e Andreas e tinham ele como um irmão e a sogra, Marli, como um filho. Pessoas das quais ele tinha como inspiração, todos tinham muito carinho e ajudaram nos cuidados.

Inicialmente, em dezembro teve dores no peito, falta de ar e tosse. Porém, nunca teve febre, nem emagreceu e sequer fumava. Levava uma vida tranquila, trabalhando normalmente. Teve suspeitas de pneumonia dupla, tuberculose, sarcoidose e endocardite, deixando o diagnóstico cada vez mais tardio. No dia 24 de janeiro foi internado no Hospital Santa Cruz, em Curitiba, com diagnóstico confirmado de pneumonia dupla, tendo alta no dia 28 de janeiro e, retornando para São Mateus do Sul. No final do mês de janeiro, as dores no peito começaram a incomodar. Então, Valtuir resolveu consultar, onde foi realizado um raio X e apresentou uma mancha. Com a realização de uma tomografia, foi constatado um nódulo de 5 cm no pulmão direito.

Na reconsulta realizada no dia 4 de fevereiro, mudou de médico e de hospital. Ficando internado na UTI, onde teve alta no dia 14. No dia 19, obteve diagnóstico de linfoma, que afeta principalmente o sistema imunológico. Retornando para Curitiba no dia 27, internou-se novamente e no dia seguinte foi diagnosticado para também carcinoma. O carcinoma começa nas células que revestem as vias aéreas no interior dos pulmões e são, em geral, encontrados na região central pulmonar, ao lado dos brônquios, segundo o site minhavida.com.br.

“Pessoa fantástica, profissional exemplar que nos ensinou muito, sempre altruísta, humilde e solícito. Suas qualidades eram tantas que será para sempre nosso exemplo! Por mais pessoas assim em nossa sociedade, vai fazer muita falta!”, é o que destaca Jorge Manfroni.

Jackson Machado é vereador da Câmara de Vereadores e compadre de Valtuir, manifestou com bastante sentimento a perda de um irmão, segundo ele. Com uma amizade de mais de dez anos acabou tornando-se seu compadre. Para ele, Valtuir foi uma pessoa sensacional, sempre prestativa e de ótimo diálogo, além de admirado pela quantidade de pessoas em seu cotidiano, no trabalho ou até mesmo fora dele. Compartilhavam trocas de experiências de vida e muitos aprendizados no ramo profissional.

Sua mensagem de empatia para vítimas de câncer é que as pessoas precisam viver intensamente o dia a dia, fazer o bem e o melhor, acreditar e ter fé que para tudo há tratamento e existe sim a possibilidade de cura; jamais desistir. “Valtuir não teve muitas chances de lutar contra, foi um acontecimento muito rápido, mas claro, são casos e casos. Quanto perder ele, sabemos que está num lugar melhor. Terá lugar no meu coração, marcando muito a vida do afilhado dele que lembrará com orgulho do padrinho que teve”, homenageia Jackson.

Wellington Alves Farias, advogado da Câmara de Vereadores, também comentou sobre a troca de conhecimentos diários e evidencia sua “irmandade” com o colega de profissão: “Ele sempre foi uma pessoa republicana tendo muita sensatez com toda classe política do município.

Durante sua história como assessor jurídico procurou buscar um equilíbrio entre Legislativo e Executivo. Atendia de imediato todos os vereadores e sempre que solicitado fazia reuniões na Câmara Municipal”.
A direção da Prefeitura Municipal presta solidariedade:

“A sua partida, tão somente precipitada, foi uma peça dessas que a vida prega de repente e que nos tiram do foco clichê que uma virada de ano impõe. Ninguém poderia imaginar que você nos deixaria tão depressa. Imensurável a nossa dor.

Perdemos um colega ímpar, que nos fará muita falta. A família perde um ente querido e nós da equipe, perdemos um profissional único não havendo substituto à altura em pessoa, maestria e boa índole. Nossos agradecimentos por termos tido a oportunidade de tê-lo entre nós nesses últimos anos.

Desejamos muita serenidade. Você está hoje ao lado de Deus, de alguma forma. Que nossa fé possa ser tão vasta à ponto de lhe alcançar com estas palavras. Um amigo assim jamais será esquecido! Dos seus colegas do Gabinete Municipal.”

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Queda de árvore mata jovem em Mallet
Traficante é preso em São Mateus do Sul
Cadáver é encontrado próximo a Uniguaçu