Profissões

Assistente Social: profissional que luta pela garantia ao acesso dos direitos da sociedade através das políticas públicas

Fernanda que atua há 17 anos na profissão é uma das Assistentes Sociais mais experientes de São Mateus do Sul. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

A profissão Serviço Social foi regulamentada no Brasil em 1957, mas as primeiras escolas de formação profissional surgiram a partir de 1936. É uma profissão de nível superior e, para exercê-la, é necessário que o graduado registre seu diploma no Conselho Regional de Serviço Social (CRESS).

Nessa edição conheceremos um pouco mais sobre esse profissional que atua diretamente nas questões sociais, e a personagem que ilustrará a atuação nesta área, é a Assistente Social, Fernanda Garcia Sardanha, de 38 anos, que já atua na profissão há 17 anos e desempenhou a função em diversas áreas em São Mateus do Sul.

Fernanda iniciou seus estudos na Universidade do Contestado (UNC), campus da cidade de Caçador em Santa Catarina, em 1997. No final do ano 2000, veio para São Mateus do Sul e concluiu seu curso no campus da mesma instituição, na cidade de Canoinhas, em 2001. Na sequência seguiu os estudos com as pós-graduações em políticas públicas, políticas na área da criança e adolescente e atualmente frequenta a pós em direito do trabalho.

A profissional relata que escolheu o curso de Serviço Social mesmo sem ter muito entendimento sobre ele, numa época em que não existia a ampla divulgação das diretrizes dos cursos. Baseou sua escolha, por ter uma amiga que era Assistente Social e desempenhava um papel junto à sociedade, o que ela admirava. Fernanda também veio de uma família que sempre se colocou no lugar do outro e colaborou com as pessoas, das mais variadas formas.

Segundo Fernanda, o Serviço Social é uma profissão inserida no mercado de trabalho e atua diretamente nas expressões da questão social, interferindo na vida das pessoas e usuários do serviço em todas as políticas públicas, como educação, saúde, assistência social, nas empresas privadas e através das organizações não-governamentais (ONG’s).

A atuação profissional faz-se, prioritariamente, por meio de instituições que prestam serviços públicos destinados a atender pessoas e comunidades que buscam apoio para desenvolver sua autonomia, participação, exercício de cidadania e acesso aos direitos sociais e humanos.

Podem ser da rede do Estado, privada e ONG’s. A formação profissional é generalista, permitindo apreender as questões sociais e psicossociais com uma base teórico-metodológica direcionada à compreensão dos processos relacionados à economia e política da realidade brasileira, contexto onde se realiza as políticas sociais para atendimento os problemas da sociedade.

O profissional do Serviço Social utiliza de instrumentos técnico-operativos em seu trabalho, com bases teóricas e referenciadas, onde se permite a prática da função. O Assistente Social realiza visitas domiciliares, entrevistas sociais, além de executar, coordenar e elaborar projetos. Realiza também a supervisão, avaliação e pesquisas na área social, além de prestar informações e pareceres sociais.

“O Assistente Social necessita de bases teóricas, metodológicas, técnicas e ética-políticas que são de extrema importância para o exercício da profissão”, comenta Fernanda. Ela ainda destaca que a formação lhe proporcionou uma visão mais crítica das questões sociais.

Atuando como Assistente Social do município, Fernanda já desempenhou sua função em vários segmentos das políticas públicas, como a própria assistência social, a saúde, programas e projetos sociais, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), em empresa e atualmente exercendo a profissão no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), na área de saúde mental, junto de uma equipe multidisciplinar.

“Vivemos num processo de desconstrução de direitos, com inúmeras demandas aos profissionais em todas as instituições públicas e privadas. Novos desafios estão por vir com as desigualdades societárias com a perda de direitos, reflexo dos descréditos de políticas sociais e econômicas”, relata a Assistente Social.

O curso de Serviço Social tem duração média de quatro anos e se desenvolve em meio período. Desse modo, torna-se mais fácil o graduando conseguir conciliar os estudos com um estágio remunerado. Esse curso está inserido na área das ciências humanas e por isso, durante a graduação o aluno receberá aulas de sociologia, teoria política, filosofia, entre outras disciplinas.

Por ser direito do cidadão ter acesso ao Serviço Social, essa carreira está em alta no mercado de trabalho principalmente no setor público. O Assistente Social recebe propostas para trabalhar em equipes multiprofissionais para que seu olhar se aprofunde em outros contextos do conhecimento social e, assim possa atingir a toda comunidade com o seu serviço.

Fernanda enaltece o amor por sua profissão. “Tenho orgulho de ser Assistente Social. Tenho orgulho da minha profissão e sinto amor pelo que faço. Faço reverência a todos os profissionais do Serviço Social que atuam com compromisso ético-político profissional, diante as demandas e dificuldades enfrentadas, seja na área que for. Além desse compromisso, o que nos move é o amor e a luta pela manutenção dos direitos.”

Colaborador

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Mestre de Cerimônia e Assessoria de Eventos: a organização do inesquecível
O profissional frentista e o cuidado com os clientes
Personal Trainer e o contato direto com o desenvolvimento e saúde do corpo humano

Os comentários estão fechados