(Imagem Ilustrativa)

O clássico francês mais versátil, tem também suas controvérsias quando buscamos sua origem.

Uns garantem que foi criado pelo marquês Louis Béchameil, que se aventurava em melhorar uma receita de bacalhau; já outros juram ter sido François Pierre de La Varenne, chef de cuisine do rei Luis XIV, e que teria publicado sua receita no livro Le Cuisiner François, e batizado este molho em homenagem ao marquês Béchameil.

Outra versão afirma que o molho foi criado na Itália, em meados do século XVI, onde se chamava besciamella, e teria sido levado da Itália para a França ainda nesse século, quando Catarina de Médici se casou com Henrique II.

Mesmo que não se possa assegurar sua origem, o molho bechamel – ou molho branco – é mundialmente conhecido como uma receita coringa e serve como base para outras preparações.

Se preparado como manda o figurino, com paciência e bons temperos, enriquece os pratos que cobre ou recheia, com a incrível textura napé, cremosa e levemente encorpada e com seu aroma inconfundível.

Acompanha muito bem as massas, carnes, legumes e utilizando dessa base, se podem criar molhos derivados e compor pratos ainda mais saborosos.

E ainda por cima, é super simples de se fazer. Veja só:

Molho Bechamel

Ingredientes:

1L de leite
1 cebola média
45g manteiga sem sal
45g de farinha de trigo branca
04 cravos da índia
02 folhas de louro
Sal
Pimenta do reino
Noz moscada

Faça assim:

Aromatize o leite aquecendo com a cebola piqué [corte a cebola ao meio e em cada metade prenda uma folha de louro espetando os cravos]até começar a levantar fervura. Coe e reserve.

Faça uma roux [derreta a manteiga e adicione a farinha de trigo. Mexa por aproximadamente 4 ou 5 minutos (cuidando para não queimar) para adquirir cor, sabor e textura]levemente dourada, em tom marfim. Não doure demais.

Retire do fogo e adicione uma concha do leite aromatizado. Com um fouet [batedor de claras feito de arame], mexa até desfazer os grumos e encorpar, homogeneizando. Adicione outra concha de leite aromatizado, e repita o processo, incorporando o líquido à base.

Adicione o restante do leite, um pouco da noz moscada ralada fina, mexa e retorne ao fogo médio e siga mexendo. Evite deixar de mexer para que não pegue no fundo.

Após 15 ou 20 minutos de cocção, ele deverá atingir o ponto de cozimento napé [mergulha-se uma colher e o molho a cobre delicadamente, passa-se o dedo nas costas da colher, se forma um caminho e o creme não escorre].

Corrija o sal, a pimenta do reino e a noz moscada.

Se preferir, coe e sirva em seguida com seu prato escolhido.

Fica a dica:

Se não for servir o molho imediatamente, cubra com um saco plástico de vegetais, daqueles transparentes que tem em supermercado. Mas ele deve ficar em contato com o molho, ainda na panela, para evitar a formação de nata e sedimentar o seu molho, atrapalhando a textura lisa e aveludada.

Bon Appétit!

Lincoln Molinari
Últimos posts por Lincoln Molinari (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O doce do amor
Um Presente de Grego
A última sopa