Máquina do Tempo

Beleza São-Mateuense: A Rainha Do Mate do Brasil de 1959

(Fotos: Acervo Casa da Memória Padre Bauer)

Segundo a historiadora Mary Del Priore, os concursos de beleza chegaram ao Brasil na década de 50. No auge do cinema hollywoodiano e com a popularização da TV, a imagem da mulher diva se tornava cada vez mais cobiçada nos anos dourados, o estilo Pin Up, e ícones como Marylin Monroe e Elizabeth Taylor viraram referências de beleza. Foi assim que surgiu o concurso de Miss Universo em 1952, que logo ganhou sua versão tropical, na forma do concurso de Miss Brasil, em 1954. Não demorou muito para que os concursos de beleza fizessem muito sucesso por aqui, afinal, a beleza e a vaidade da mulher brasileira sempre foi caraterística marcante da nossa cultura. Com a popularização cada vez maior desses concursos, começam a surgir outras edições, como o concurso nacional da Rainha do Mate, do qual falaremos hoje.

O ano é 1959 e, segundo os arquivos da Casa da Memória Padre Bauer, os concursos de beleza da Rainha do Mate aconteciam no Clube Congresso Recreativo da Lapa, na cidade da Lapa-PR. Concorrentes de várias cidades poderiam participar. Na edição de 59, participaram as candidatas Janete Correia (Irati), Rosicler Nogueira (Antonina), Rosi Leal (Campo Largo), Roseli Maia (Rio Negro), Anita Raquel Dolia (São João do Triunfo), Eriete Cardoso (Porto Amazonas), Carmen Herdem (Itajaí), Glasi Marques (Castro), Maria José Paul (Lapa), Raquel Silveira (Paranaguá) e por fim, Maria Carlota Guimarães Wolf de São Mateus do Sul, na época estudante com apenas 15 anos de idade.

Maria Carlota foi a vencedora do concurso de Rainha do Mate de 1959, diante do esforço da população são-mateuense para eleger a jovem, que recebeu até mesmo uma espécie de “assessoria” pela esposa do então, diretor da Petrobrás. Ela, que havia sido Miss Argentina, provavelmente transmitiu à aspirante a Miss dicas de passarela.

Escolhida pelo júri e muito aplaudida pelo público, a jovem são-mateuense recebeu a faixa diretamente da mão de Adir Pinto, que foi a primeira Rainha do Mate no Brasil. De olhos negros, cabelos castanhos e sorriso radiante, quando retornou à São Mateus, Maria Carlota foi recebida com festividades e homenagens. Hoje, sua faixa de Rainha Do Mate encontra-se na Casa da Memória, junto a uma edição da revista Panorama, que na época fez uma matéria especial sobre a nossa Rainha do Mate e estampou seu lindo rosto na capa! Hoje me despeço e vou ficando por aqui pessoal, até a próxima viagem!

Jéssica Kotrik Reis Franco
Últimos posts por Jéssica Kotrik Reis Franco (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Uma breve história da cerveja
A lenda Guarani da Erva-Mate
I Want to Believe made in Samas