O bloco representa a classe ervateira e tem como objetivo melhorar a produção no Paraná. (Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Aconteceu nesta terça-feira (25), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), a reunião inaugural do “Bloco da Erva-mate”, liderado pelo deputado estadual Emerson Bacil. O objetivo do Bloco é discutir os problemas enfrentados pelos produtores apontando caminhos e traçando metas para o desenvolvimento do produto considerado o “Ouro Verde” do Paraná.

De acordo com o governador Carlos Roberto Massa Júnior (Ratinho Junior), o Estado tem grande reconhecimento mundial pela produção da erva-mate e o Bloco vem com a responsabilidade de fortalecer toda a cadeia produtiva da região do Vale do Iguaçu – em que São Mateus do Sul faz parte. “O Paraná exporta um grande número de erva-mate para o Estados Unidos e Europa, trabalhando uma série de derivados que vai desde a parte alimentícia aos cosméticos”, enfoca Ratinho Júnior, que acredita no potencial do produto para o crescimento do Paraná.

Estiveram presentes na reunião deputados, reitores das universidades estaduais, produtores da erva-mate e representantes de instituições da sociedade civil organizada, como o Núcleo de Desenvolvimento e Empreendedorismo de São Mateus do Sul (NDE). Para Manoel Cordeiro Júnior, presidente do NDE, o encontro representa avanços importantes para toda a região produtora de erva-mate.

O tema do primeiro encontro foi a possibilidade do setor ervateiro, com a diversificação da produção e acréscimo ao valor agregado. A região de São Mateus do Sul tem a primeira Indicação Geográfica (IG) do produto no Brasil, e o estado do Paraná responde pela produção de 86,4% da produção da erva-mate extrativa do país, concentrando 18 dos 20 principais municípios produtores brasileiros. Oito deles, da região Sul paranaense, são responsáveis por 56,59% da produção total do estado, com 197 mil toneladas por ano.

Apesar desses dados, os agricultores enfrentam algumas dificuldades como altos impostos, licenças ambientais e a parte tributária na hora da venda do produto, perdendo algumas negociações para os estados do Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso. “Reunir deputados, reitores e pesquisadores é uma alavanca para o crescimento do setor. Nossa região depende muito da erva-mate, um nicho que gera muitos impostos”, disse o ervateiro são-mateuense Adão Brudnicki Staniszewski para a Alep.

Reitores disponibilizaram algumas equipes de pesquisa para atender as demandas dos produtores, dentre elas a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). “Estamos pesquisando o tema da erva-mate tanto na área da agricultura e produção como também na indústria fármaco e alimentícia”, diz Miguel Sanches Neto, reitor da UEPG. O profissional explica que existem três linhas de pesquisa na instituição focadas na erva-mate, que estão de portas abertas para ampliar o desenvolvimento do produto em todo o Estado.

“De hoje em diante o segmento ervateiro será ainda mais fortalecido por meio do Bloco Temático, com engajamento de outros dez parlamentares. O alinhamento com o governador evidência a oportunidade de se fazer muito por essa cadeia produtiva que pode nos proporcionar muito mais do que o nosso estimado chimarrão”, declarou o deputado Bacil.

Reunião inaugural referente ao Bloco da Erva-mate. (Fotos: Alep)

COGEMATE

No mesmo dia aconteceu o lançamento oficial do Conselho Gestor da Erva-mate do Vale do Iguaçu (COGEMATE). O Conselho foi fundando em abril de 2019 com o objetivo de organizar e representar a cadeia produtiva do mate dentre os nove municípios do Vale do Iguaçu, envolvendo cerca de 100 mil famílias que colaboram para que a região seja a maior produtora de erva-mate sombreada do país, exportando o produto para inúmeras nações da Europa e da Ásia, além dos Estados Unidos. Representando São Mateus do Sul estiveram presentes o vice-prefeito, José Marciniak Stuski e o secretário de agricultura e meio ambiente, Hélio Toshio Sakurai.

Segundo o Secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, com a representatividade do COGEMATE e a frente parlamentar que defenderá a cultura no Paraná, o produto ganhará ainda mais força.

Missão Argentina

Na última quarta-feira (26), representantes de entidades ervateiras de São Mateus do Sul embarcaram para a Argentina para conhecerem de perto a produção da erva-mate produzida no país vizinho. Segundo a equipe do DataMatte, a intenção da viagem é proporcionar desenvolvimento de pessoas e territórios. A equipe também conta com o apoio da Inovamate Agrotecnologia para a I Missão Técnica Yerba Mate – Argentina 2019.

“Com roteiro técnico e evidenciando o que a cultura da erva-mate proporciona para nossos irmãos argentinos, a ideia inicial é que os participantes observem, entendam e façam um balanço sobre o que está correto e o que se pode melhorar em suas atividades e territórios”, expressa o DataMatte. Eles informam que a proposta da missão vai além quando é possível observar as pessoas e instituições que se interessaram e estão fazendo parte desse roteiro. Nas próximas semanas a Gazeta Informativa trará uma reportagem especial sobre a missão realizada pelo grupo.

CHARGE:

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Diretora do Colégio São Mateus recebe bilhete ameaçador
Procon-PR alerta sobre vacina falsificada para combater a Covid-19
O bom e velho guardião da magia do Natal