Um dos convidados da noite foi André Hamerski, vice-presidente da Braspol Nacional, pelo Rio Grande do Sul. (Fotos: Hilda Jocele Digner Dalcomuni)

Na quinta-feira (24), às 20 horas, no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), a Braspol de São Mateus do Sul realizou uma noite cultural em comemoração aos 29 anos da Braspol Nacional (comemorado oficialmente em 27 de janeiro), integrando os núcleos de Palmeira (PR) e Nova Prata (RS).

Estiveram presentes no evento a secretária de cultura da Braspol SMS Ana Marcia Leonarczyk Kotrich; o atual presidente da Braspol SMS Sandro Zimny Vitonski; o presidente da Braspol SMS gestão 2004/2006 Sergio Marchaukowski; o presidente do Instituto Histórico e Geográfico de São Mateus do Sul (IHG/SMS) Mário Sérgio Deina; a professora que atua na Casa da Memória e membra do IHG/SMS Hilda Jocele Digner Dalcomuni e a representante da Braspol de Palmeira Márcia Maiginski.

A reunião foi abrilhantada pela palestra: “Colônia Forte, Polônia Livre” ministrada pelo pesquisador e escritor Gerson Cesar Souza, o qual através da pesquisa histórica revelou a participação de imigrantes poloneses do Paraná e do Rio Grande do Sul como voluntários da 1ª Guerra Mundial, na luta pela reconquista da independência da Polônia.

A reunião foi abrilhantada pela palestra: “Colônia Forte, Polônia Livre” ministrada pelo pesquisador e escritor Gerson Cesar Souza.

Gerson, que continuamente pesquisa sobre vários temas relacionados à história do município de São Mateus do Sul, abordou com honradez e sentimento a participação dessas personalidades históricas que deixaram na memória um exemplo de luta pela pátria mãe, sentimento tão característico dos poloneses.

Esse movimento da reconquista aconteceu em 1918, mas há muitos anos contava com o apoio de são-mateuenses e paranaenses. Antes dessa data a Polônia era dominada por 3 potências: Rússia, Alemanha e Império Austro-Húngaro. Os registros históricos mostram a presença de nomes como os de Luciano Stencel, José Wisniewski, Mariano Gardolinski e Alexandre Nadolny. Segundo o pesquisador Gerson, provavelmente muitos outros devem ter atuado nessa causa. Através desses homens, chegou até São Mateus do Sul o Tenente Henrik Abczynski, líder do exército polonês na França. Esse Tenente fez palestras e motivou os imigrantes a montarem batalhões de soldados e partirem para a guerra.

Durante a palestra foi possível conhecer recortes históricos presentes em jornais, fotos e relatos, onde os imigrantes de São Mateus do Sul, promoveram campanhas para arrecadar fundos para financiar os exércitos que lutaram pela Independência da Polônia, da mesma forma apoiando a formação dos três batalhões que embarcaram para o front francês em 1918.

“Há seis meses o Sandro, presidente da Braspol, me perguntou se nossos imigrantes haviam acompanhado de alguma forma o processo de independência da Polônia, que completou 100 anos em 2018. Eu confessei que não sabia nada sobre o assunto e precisaria pesquisar. E a pesquisa foi surpreendente! Descobrimos que nossos imigrantes mantiveram contato direto com os exércitos de libertação, promoveram festas para arrecadar fundos, fizeram passeatas e encontros nacionais e, finalmente, montaram três batalhões que partiram para a Europa e ajudaram na reconquista da independência polaca. Foi emocionante resgatar essa história e ver o amor que esses homens e mulheres cultivavam pela Pátria”, relata Gerson.

Um dos convidados da noite foi André Hamerski, vice-presidente da Braspol Nacional, pelo Rio Grande do Sul. Em palavras emocionadas falou sobre a continuidade dos valores legados pelos antepassados poloneses que chegaram ao Brasil. Ressaltou a necessidade do conhecimento da história dos imigrantes em nosso município. Segundo ele, “é preciso conhecer para amar”.

André Hamerski, vice-presidente da Braspol Nacional no momento da palestra.


A palestra de valor cultural e histórico contribuiu para a preservação da cultura polonesa em São Mateus do Sul. Como dica de curiosidade, vale a pena conferir o retrato de Józef Piłsudski (1867-1935), que foi o principal líder a assumir o governo da Polônia após 1918. O retrato encontra-se na Casa da Memória Padre Bauer.

De acordo com Hilda Jocele Digner Dalcomuni, a história é uma ciência dinâmica que está em constante transformação, principalmente no que diz respeito às pesquisas e as novas fontes históricas que todos os dias são descobertas. “Conhecer cada vez mais o passado de São Mateus do Sul é sempre gratificante e reforça nossa identidade enquanto cidadãos. Sem dúvida alguma essa palestra foi uma grande contribuição cultural para todos aqueles que se interessam pelo tema”, diz.

A Braspol de São Mateus do Sul deixa aqui registrado um especial agradecimento, a todos que compareceram, prestigiando a cultura e história da imigração polonesa, no contexto sócio cultural, entre Brasil e Polônia.

Fundadora e proprietária da Gazeta Informativa, graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo e pós-graduada em Produção e Avaliação de Conteúdos para as Mídias Digitais.

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Morador de São Mateus do Sul estreia na literatura com livro sobre astronomia
Enem terá mudanças e contará com fase geral e específica com área de conhecimento escolhida pelo aluno
Cinema na Praça chega a São Mateus do Sul com o filme O que queremos para o Mundo?

Os comentários estão fechados