Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Campanha mobiliza moradores para ajudar pequeno são-mateuense em uma cirurgia que custará R$ 75 mil

Após ser descartada as chances de amputação, familiares realizam mobilizações para arrecadar dinheiro para a cirurgia que fará Eduardo caminhar. (Foto: Acervo Pessoal)

O pequeno são-mateuense Eduardo Removicz Amarante, de um ano e dois meses, está mobilizando campanhas de solidariedade entre moradores do município. Ele possui uma má formação congênita do fêmur esquerdo, e precisa realizar uma cirurgia para que a sua locomoção no futuro não fique comprometida. A família precisa arrecadar R$ 75 mil para o tratamento.

A má formação foi diagnosticada quando Eduardo nasceu, e os médicos disseram que o problema em sua perna seria uma luxação – deslocamento dos ossos. De acordo com Inês Removicz, mãe de Eduardo, ele foi encaminhado para o ortopedista pediátrico, e desde os primeiros meses de vida, realizava consultas no Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba.

Após alguns exames como ressonância e raio x, a amputação de sua perninha esquerda seria a única saída apresentada pelos médicos. “Ele não possui ligamentos, e no raio x, não apareceu que Dudu tinha juntas”, diz a mãe. Inês conta que quando recebeu a informação da amputação levou um choque, sem saber ao certo se isso seria a única solução. “Até para trocar a frauda era difícil, pois eu não sabia se ele sentia dor ou não. Mas aos poucos fui aceitando.”

Pesquisando outros especialistas com a colaboração do grupo Anjos de Plantão, que realiza campanhas de ajuda para os moradores são-mateuenses e de toda a região, Inês acabou encontrando um médico ortopedista em um hospital de referência em Curitiba, e ele garantiu que a amputação seria um caminho extremo à ser tomado. “A amputação seria desnecessária, e com apenas três cirurgias, fisioterapia e um tratamento certo, ele estaria vivendo normalmente em até 8 meses”, explica Juliane Ferraz, membro dos Anjos de Plantão.

Serão três etapas para a cirurgia: a colocação de um fixador no joelho; cirurgia para pôr a patela – osso do joelho – no lugar; e a retirada do fixador. “O tratamento poderá começar quando Dudu estiver com um ano e meio”, explica a mãe. Segundo familiares, o pequeninho é muito simpático, e engatinha com a ajuda do pézinho esquerdo. “Ele não consegue andar pois não tem firmeza no joelho”, menciona Inês.

Se você quer colaborar ajudando o Dudu à vencer essa batalha, está sendo distribuído pelo comércio são-mateuense latinhas de troco solidário e também a venda de rifas com familiares. Inês disponibiliza seu número de telefone para toda e qualquer tipo de ajuda: (42) 98826-2236.

Bingos e bazares também serão realizados durante a campanha. Para mais informações, é só acompanhar o grupo no Facebook “Todos pelo Dudu”. Conta para depósito bancário: Caixa Econômica Federal: Agência 2152; Operação 013; Conta: 21933-3. Nome de Eduardo Removivz Amarante.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: