Dos 24 candidatos, cinco conselheiros atuarão de 2020 à 2024

Acontecerá no dia 6 de outubro, (domingo), no Salão Nobre do Colégio Duque de Caxias, a votação para a escolha dos cinco Conselheiros Tutelares de São Mateus do Sul. A votação será das 8h às 17h, e os eleitos atuarão de 2020 à 2024.

Para votar, os eleitores devem ter em mãos o título de eleitor e documento oficial com foto como RG, CNH, Carteira de Trabalho, Passaporte, entre outros. Neste ano, as eleições que acontecem simultaneamente em todo o território nacional, serão provindas através da utilização da Urna Eletrônica.

O voto não é obrigatório. Mas é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, os direitos fundamentais. Além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e pressão (artigo 227 da Constituição do Brasil).

Quer conhecer um pouco mais sobre o currículo e objetivos de cada candidato? Confira as informações enviadas por eles:

A candidata número 101, Nilcelia de Oliveira, mais conhecida como Nega, possui formação em Serviços Sociais e está cursando Técnico em Enfermagem. Atua como Conselheira Tutelar e está concorrendo ao quarto mandato. Se eleita, pretende continuar zelando os direitos das crianças e adolescentes.

Possui formação em Serviço Social com especialização em trabalho social com famílias. Trabalhou como assistente social em diversas instituições do município, e atualmente exerce o mandato de Conselheira Tutelar. A profissional acredita que ainda há muito a ser feito a favor da garantia dos direitos das crianças e adolescentes, e pretende continuar o seu trabalho com compromisso e responsabilidade.

Marcelo Staniszewski atua como Conselheiro há quase 4 anos. Também é bacharel em comunicação social com ênfase em publicidade e propaganda, e também possui a formação em técnico em segurança no trabalho. O Conselheiro busca continuar o trabalho com atuações em projetos sociais em entidades da cidade.

Atua na área desde 2007 com projetos socioeducativos para crianças em situação de trabalho exploratório infantil. Também foi professor da rede regular de ensino e atuou no Adolescentro, instituição da qual permaneceu até o ano de 2016, se afastando para assumir o cargo de Conselheiro Tutelar. Se reeleito espera continuar evoluindo nesta função que se tornou sua bandeira.

Possui formação em pedagogia com curso de informática e espanhol. Já trabalhou nas Escolas do interior como Caitá e Turvo de Baixo e também na cidade, no Colégio da Vila Bom Jesus e na Escola Pedro Effco. Se eleito, o profissional busca garantir e efetivar os direitos e deveres da criança e do adolescente de São Mateus do Sul.

Além da formação no Magistério, Carla é graduada em Serviços Sociais. Trabalhou na Prefeitura de Laranjal (PR), diretamente ligada as redes protetivas. Se eleita pretende zelar pelo cumprimento e garantia de direitos das crianças e adolescentes, tendo como prioridade absoluta a efetivação do Estatuto da Criança e Adolescente (Eca), auxiliando crianças e famílias.

Formada em Psicologia, atua na área de atendimento clínico e avaliações com crianças, adolescentes e adultos. É pós-graduada em Saúde Mental com ênfase em dependência química, e cursos focados no combate as drogas. Já atuou no CRAS do município. Se eleita, além de garantir os direitos do Eca, busca orientar a comunidade por meio de campanhas de conscientização sobre o trabalho realizado no Conselho Tutelar.

O candidato número 108, César Karpinski possui a formação em Educação Física – licenciatura e bacharelado. Se eleito, busca lutar para defender os direitos das crianças e adolescentes do município com campanhas e atividades diretas de incentivo e cuidado como Conselheiro Tutelar, com responsabilidade e ética.

Formada em Pedagogia e com Pós-graduação em Educação Especial, trabalha há 12 anos como professora. Como Conselheira ela pretende obter resultados respaldados na forma da lei, para a proteção e promoção de zelar pelos direitos das crianças e adolescentes, garantindo o acesso à educação integrando a família neste processo.

Formada em Administração e Pós-graduada em Gestão de Recursos Humanos, Liderança e Negócios, atua como professora de inglês. Seu objetivo como Conselheira Tutelar é defender e assegurar os direitos das crianças e adolescentes com base no Eca, e estar inserida no ambiente escolar, levando ao conhecimento das crianças e adolescentes o que é o Conselho, como ele atua e sua forma de ajudá-los.

Formada em Pedagogia e Pós-graduada em Ludopedagogia e Psicomotricidade, atua como Pedagoga há quase 20 anos. Se eleita pretende fazer cumprir o Eca, ministrar palestras nas escolas para falar sobre o Conselho Tutelar, promover reuniões com entidades que executam programas de proteção socioeducativas e visitar comunidades fazendo um trabalho preventivo.

O candidato número 112, professor Samuel (Sassá) já trabalhou como agente educacional e professor na rede estadual de ensino. Se eleito Conselheiro trabalhará com empenho na busca da efetivação dos direitos e da proteção integral da criança e do adolescente, famílias e instituições que visem esse objetivo. Sempre tendo como base o Eca.

Possui formação em Administração e trabalha na área da educação há mais de 8 anos. Está disposta a zelar pelos direitos das crianças e adolescentes, bem como promover, orientar, auxiliar e prevenir para que seus direitos não sejam violados e colocados em risco zelando assim pela integridade. Pretende realizar junto aos demais Conselheiros, promoções à prevenção do abuso e violência, trabalhando em conjunto com as famílias, comunidades e escolas.

Com formação em pedagogia, a candidata atua como professora atualmente na comunidade da Divisa, e se eleita busca levar o nome do Conselho Tutelar nas escolas e comunidades. Busca atuar com medidas de prevenção, pois acredita que o Conselho deve ter esse contato direto com a comunidade.

Possui a formação em Serviços Sociais, e já atuou no Hospital Dr. Paulo Forte e na Secretaria de Saúde, acompanhando as demandas e todo o processo de encaminhamento pertinentes a cada caso. Incentivada pelas experiências profissionais e acadêmicas, foi instigada a se candidatar a Conselheira, visando representar a sociedade na proteção das crianças e adolescentes do nosso município, conforme as atribuições delegadas para atuar como Conselheira Tutelar.

Formado em Licenciatura em Informática, Técnico em Segurança do Trabalho e cursando Licenciatura em Educação Física, o candidato já trabalhou como professor de informática e ensinando jiu-jitsu para crianças e adolescentes. Se eleito, busca agir na prevenção e fazer com que todos tomem consciência que o Conselho Tutelar não é um órgão punitivo e sim um órgão de ajuda. Busca divulgar meios de denúncia anônima e a importância de fazê-la. Seu objetivo também é aproximar o Conselho Tutelar de outros órgãos como a polícia, assistência social, entre outros.

Formada em Comunicação Social e Pós-graduada em Administração, Fabíola realiza trabalhos voluntários nas escolas em que seus filhos estudam. Se eleita, deseja zelar e proteger crianças e adolescentes que tiveram por algum motivo seus direitos violados. Busca mostrar que o Conselho Tutelar pode e deve ser um elo de união entre pais e filhos, que a comunidade sempre que precisar saiba que será acolhida. Busca enfatizar que o Conselho é um bem maior.

É formada em Administração e Pós-graduada em Administração do Ambiente Escolar. É apaixonada por trabalhar com crianças e adolescentes, que incentivaram sua candidatura. Se eleita busca trabalhar com ética, respeito e responsabilidade em defesa dos diretos das crianças e adolescentes. Com a vivência profissional adquirida nos últimos anos, ela entende as necessidades e demandas de ações voltadas a proteção dos diretos, mediação de conflitos e a importância de existência de ações preventivas afim de evitar futuros problemas.

Possui formação em Pedagogia e Pós-graduação em Gestão Escolar, Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional, no momento cursa Educação Especial e Inclusiva. Se eleita busca representar a defesa, garantia e efetivação dos direitos das crianças e dos jovens são- mateuenses. Deseja a parceria nas escolas e comunidades, fazendo palestras e levando mais informações sobre o Conselho Tutelar para toda a comunidade.

Formado em Pedagogia e especialização em Psicopedagogia, Neurociência e Psicanálise, o candidato é natural do estado de São Paulo e já atuou na área da educação em instituições de apoio como na Fundação Casa (Febem). Se eleito, busca trazer suas experiências profissionais e voluntárias à realidade da região, encontrando formas de ajuda para sanar as dificuldades sociais das crianças e adolescentes e a busca de seus direitos.

A candidata número 121 Bianca de Lima Rosa é professora na rede pública de ensino pela Prefeitura de São Mateus do Sul, ela também já atuou como professora no Colégio Integral. Se eleita busca zelar pelo cumprimento dos direitos e garantir absoluta prioridade na efetivação de direitos das crianças e adolescentes, envolvendo todo o trabalho realizado dentro do Conselho Tutelar.

Formada em Letras – Português/Inglês, já atuou na rede estadual do município e também em Antonio Olinto. Atuou também como Diretora do Departamento de Cultura. Se eleita, busca zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, agindo sempre que os mesmos sejam ameaçados ou violados pela sociedade, estado, pais ou responsáveis. Seu objetivo principal é lutar contra todos os tipos de abusos, mas principalmente contra a pedofilia.

Possui formação em Direito e se eleita Conselheira zelará e fiscalizará para que a família, a comunidade e a sociedade estejam em conexão com o Poder Público. Como Bacharel em Direito conhece de forma ampla o Eca e busca atender queixas, reclamações, exercer as funções de escutar, orientar, aconselhar, encaminhar e acompanhar os menores em situação de risco e decidir em conjunto com outros órgãos, sobre a medida de proteção adequada a cada caso concreto.

Formada em Formação de Docentes e também em Direito, com suas experiências profissionais sabe da realidade social das crianças e jovens. Acredita que a causa da infância e juventude precisa mais do que boa intenção, é necessário interesse, comprometimento e capacitação contínua. Seu compromisso se eleita, será de zelar pelas crianças e adolescentes que foram ameaçados ou tiveram seus direitos violados, sempre seguindo as determinações do ECA. Buscar parcerias com as Secretarias de Saúde e Educação, para promoção de palestras educativas.


Você sabe por que é tão importante que todos os cidadãos votem?

O conselheiro tutelar desempenha um papel de extrema responsabilidade na proteção de crianças, Por isso, é preciso eleger pessoas comprometidas e capacitadas para garantir a boa representatividade no órgão.

Eles deliberam as medidas de proteção para as crianças e adolescentes. A principal função é zelar pelo cumprimento dos direitos. O Conselho Tutelar é o Procon da criança. É ele quem vai verificar se seus direitos estão sendo cumpridos pela família, pela sociedade e estado.

Sempre que a criança e o adolescente estiver com seus direitos negados nos serviços públicos, é o Conselho Tutelar que vai requisitar o atendimento. Por isso é importante conhecermos o Conselho Tutelar do nosso município e irmos às urnas.

Todas as pessoas a partir de 16 anos, que tenham inscrição correspondente às zonas eleitorais, podem votar nos candidatos a conselheiro, por meio de voto universal, direto, secreto e facultativo.

Você sabe qual é a importância do Conselho Tutelar no dia a dia das cidades?

O conselheiro tutelar desempenha um papel de extrema responsabilidade na proteção de crianças, Por isso, é preciso eleger pessoas comprometidas e capacitadas para garantir a boa representatividade no órgão.

Um órgão fundamental na luta pelos direitos das crianças e dos adolescentes. Essa é uma definição precisa para a atuação do Conselho Tutelar. O papel dos profissionais que fazem parte desta rede é de extrema importância para o desenvolvimento pleno da nossa sociedade: são eles que trabalham como intermediários entre os meninos e meninas em situações de vulnerabilidade e os órgãos do Sistema de Garantia dos Direitos que vão realizar o devido atendimento, requisitando serviços e aplicando medidas protetivas.

Criado em 1990 pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o Conselho recebe pessoas de até 17 anos que tiveram algum direito violado ou que tenham sofrido alguma ameaça. Atualmente, existem mais de 5 mil instalados pelo país, muitos deles com uma série de deficiências para a devida atuação.

Cada município tem sua legislação, se quiser conhecer um pouco mais sobre esse trabalho em São Mateus do Sul é só entrar em contato pelo telefone (42) 3532-2081, plantão no (42) 98806-3824. O Conselho Tutelar está localizado na Rua João Gabriel Martins, 391, Centro de São Mateus do Sul.


A sede do Conselho Tutelar de São Mateus do Sul fica localizado na Rua João Gabriel Martins, 391, Centro. Horário de atendimento das 8h às 12h e das 13h30 às 17h. Para mais informações: (42) 3532-2081, plantão no (42) 98806-3824.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Novo mascote do Corpo de Bombeiros já é sucesso na equipe e nas redes sociais
Gazeta Informativa completa 3 anos e entrega os exemplares do jornal em livro personalizado ao acervo histórico do município
Do Armazém Central às Lojas Leonardo: a história do comércio da família Staniszewski

Deixe seu comentário

*