Uma carta com ameaças a alunos e professores da UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa) encontrada na manhã desta quinta-feira (21), em um banheiro do Campus Uvaranas, gerou preocupação entre pais e alunos e fez com que a reitoria acionasse as polícias Civil e Militar para investigar os autores e aumentar a segurança preventiva nas instalações da instituição.

A carta, anônima, alega que está sendo preparado um massacre em Ponta Grossa, visando alunos e professores, e faz referência aos ataques à escola estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), e a duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

O papel foi encontrado por volta das 8h40 por um estudante. Ele mostrou a carta a colegas e a compartilhou nas redes sociais. Via WhatsApp, a reitoria passou a ser questionada e iniciou uma averiguação. Paralelamente, acionou as autoridades. Houve reforço de segurança nos espaços da universidade e o início de uma investigação envolvendo as polícias.

De acordo com o reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, a segurança dos alunos e professores está garantida e já há uma linha de investigação “bastante coerente” que deve levar a uma rápida identificação de autoria.

O reitor disse estar ciente da possibilidade de se tratar de um “trote de mau gosto”. “Acreditamos que é uma questão de dimensão local, pequena”, disse, em uma coletiva de imprensa concedida na UEPG na tarde de quinta-feira, ao lado de outros representantes da instituição e das polícias. “Esse episódio foi muito amplificado por conta do contexto nacional que estamos vivendo hoje, pela tragédia em Suzano”, analisou.

O delegado-chefe da 13ª Subdivisão da Polícia Civil de Ponta Grossa, Nagib Nassif Palma, reforçou que não há motivos para pânico e que as medidas de segurança foram tomadas por cautela. Ele avaliou que o conteúdo da carta tem um teor “conspiratório” e apontou inverossimilhanças da ameaça. Explicou, porém, que a polícia age como um médico que pede exames para descartar qualquer perigo maior.

Também nesta linha, o subcomandante do 1º Comando Regional de Polícia Militar, Marcelo Moreira, disse que a polícia não pode ignorar a ameaça, mas também não pode dar “muito crédito” à carta, que não faz um “diagnóstico palpável da realidade”. “No momento, ela faz com que tenhamos essa cautela. Mas esperamos que tudo se resolva com a maior brevidade possível”, disse.

O vice-reitor da UEPG, Everson Krum, lembrou que uma ameaça semelhante foi identificada em um campus da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), em Porto Alegre. “Temos que dar a demonstração de que nós não temos medo disso”, disse, pedindo serenidade aos pais.

Uma vez identificado o autor, o delegado Palma disse que já se pode falar, “no mínimo”, em contravenção penal pelo tumulto causado pelo ato. Não havendo sanção criminal, o responsável poderá sofrer eventuais ações administrativas ou cíveis.

Clique aqui e confira a coletiva de imprensa feita pela UEPG.

Fonte: Folha de Londrina

Redação do jornal Gazeta Informativa

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Policiais de São Mateus do Sul são agraciados com medalhas no 27º BPM
Segurança das ruas deixa moradores preocupados
Posto da Polícia Rodoviária Federal em São Mateus do Sul pode ser fechado

Deixe seu comentário

*