O casal Jenny e Gabriel segurando algumas máscaras prontas que serão destinadas às unidades de saúde do município.
(Fotos: Acervo Pessoal)

A pandemia do Covid-19, comumente chamado de novo coronavírus, despertou algumas atitudes nobres na sociedade, muito além da sensação de medo emanada através das redes sociais e no convívio diário. O sentimento de união entre os povos do mundo pode ser percebido na tomada de atitudes holísticas e direcionadas ao bem-estar comum. É o caso da utilização de impressoras 3D na produção de equipamentos médicos e sua destinação aos profissionais da saúde, que estão na linha de frente no combate ao novo vírus. Conheça a inovação e o trabalho da Beta3D Prints, empresa capitaneada por um casal de jovens são-mateuenses dispostos a direcionar sua atuação para um fim extremamente importante em momentos de pandemia global.

O que são as impressoras 3D?

Apesar da atualidade do tema, o método de impressões em 3D foi inventado no ano de 1984, pelo norte-americano Chuck Hull. Mesmo não se parecendo com os modelos atuais, essa técnica é considerada a precursora no segmento e a empresa criada posteriormente por Chuck deteve a patente da tecnologia, iniciando a venda das primeiras máquinas.

Impressora 3D produzindo o suporte que sustenta a máscara de escudo facial.

As impressoras 3D utilizam a tecnologia de impressão tridimensional, podendo produzir uma série de objetos. A velocidade e a ausência de materiais tóxicos na fabricação, além da durabilidade dos produtos são algumas das vantagens oportunizadas pela técnica. A evolução tecnológica surgida nos anos 1990 e vivida até os dias atuais fez com que várias modernizações provocassem o desenvolvimento e a difusão do método de impressão em 3D.

Materializando ideias em São Mateus do Sul

Gabriel Nalin Bettanin e Jenny Kuiawa Jaworski residem no município. Antes mesmo de se tornarem um casal, o interesse pelas impressões em 3D acometeu Gabriel, enquanto ele trilhava um curso de Eletrotécnica em São Mateus do Sul. A ideia inicial foi criar um protótipo de uma impressora 3D, tema que havia chamado sua atenção recentemente. “O desejo de desenvolver essa tecnologia de impressão foi uma coisa que me chamou a atenção logo cedo, assim que o Gabriel compartilhou isso comigo. A ideia de inovação e os serviços que isso pode oferecer nos cativam muito”, comenta Jenny.

Ainda que o tema possa parecer extremamente complexo, Gabriel destaca que a produção de uma impressora 3D funcional é barata e utiliza componentes simples. “Para aquelas pessoas que já possuem certa intimidade com a eletrotécnica, a projeção de um objeto desses é uma coisa barata e simples de se fazer. Com pouco menos de R$ 500,00 produzi a minha e o apoio da comunidade de impressão em 3D na internet foi muito importante no processo de desenvolvimento e de testes”, colocou ele.

A campanha global de produção de máscaras

Após a proliferação do coronavírus pelo mundo, surgiu um movimento global por parte das pessoas que atuam na impressão em 3D. Visando a atuação segura dos profissionais da área da saúde, a comunidade de impressão 3D passou a produzir máscaras de escudo facial, equipamento de segurança destinado aos profissionais que atuam em hospitais e locais de atendimento em saúde, a fim de evitar sua eventual contaminação com qualquer tipo de gotícula ou secreção. “Nós aproveitamos essa ideia da comunidade que se disseminou pelo mundo para promover esse tipo de ação em nosso município. Os profissionais da saúde estão constantemente atuando em prol da população e buscamos contribuir para sua segurança e o bem-estar deles nessa missão”, aponta Gabriel.

Já foram doadas 22 máscaras ao Hospital e Maternidade Doutor Paulo Fortes e a intenção de Jenny e Gabriel é dinamizar a produção para atender outras unidades de saúde pública do município. “O método de impressão em 3D é bastante adaptativo, existem uma série de parâmetros que determinam o tempo de produção. Começamos produzindo uma máscara que custava R$ 8,00 e demorava 2 horas para ser concluída. Agora já conseguimos diminuir o valor da produção para R$ 6,00 e diminuir o tempo de produção para aproximadamente 40 minutos”, destaca o casal de jovens.

Inovando em prol da saúde

A utilização da tecnologia em prol da saúde pública é um exemplo da boa vontade que a sociedade apresenta em tempos conturbados. “Nossa ideia além de otimizar o tempo de produção é prezar pelo padrão de qualidade e resistência do equipamento. Utilizamos um modelo certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e nossa intenção é auxiliar os profissionais que estão na linha de frente do combate ao coronavírus”, conclui Jenny.

Para aqueles que desejam colaborar com o projeto, o casal está arrecadando doações para fomentar e incentivar a produção das máscaras. O contato pode ser feito através dos telefones (42) 98874-1574 e (42) 98806-2199 ou da página do Facebook da Beta3D Prints.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Há 8 anos clube de trilheiros realiza entrega de presentes no interior de São Mateus do Sul
Sala do Empreendedor de São Mateus do Sul é premiada
Foi iniciada a sessão pública de julgamento das propostas da licitação para a construção do novo Hospital