Lembro do dia que enviei minha primeira foto para ser publicada aqui na Gazeta no “Espaço do Leitor”. Era uma paisagem da cidade, lá em 2016. A partir de então, sempre que eu tirava alguma foto pensava se ela teria ou não potencial de ser publicada. Meu pai me ajudou a guardar esses registros impressos, pois ia comprar na banca os exemplares que tinha o meu nome referenciando as imagens. Caramba, era mágico!

Quando estava prestes a completar 18 anos, aproveitei as férias de fim de ano da minha irmã e pedi ajuda para ela me passar dicas de como montar o meu currículo, sem nem saber ao certo em que lugar eu queria trabalhar. Como todo jovem nessa idade, eu tinha dúvidas. Muuuuitas dúvidas. E desde então, o currículo ficou guardado na minha área de trabalho por 4 meses.

Certo dia, rodando o meu Facebook, percebi que no meu bate-papo a Thaís, proprietária da Gazeta, estava on-line. O que eu tinha a perder afinal? O currículo já estava pronto e a vontade de ter mais fotos sendo publicadas era grande. Enviei o conteúdo no Word, pois na época nem sabia ao certo como gerar um PDF. Minha primeira entrevista de emprego estava marcada para dia 1º de maio, Dia do Trabalho, na primeira sede da Gazeta. Lembro que até comentei com minha mãe sobre essa coincidência de ser o Dia do Trabalho, mas ela disse que era destino.

Depois da conversa na sala com a escadaria de madeira (que me encantou de primeira), meu coração sentia que ali seria o meu primeiro caminho de oportunidades. Para conhecer a minha forma de escrita, Thaís me convidou a produzir uma reportagem de algum assunto livre, e dessa maneira ela avaliaria minha redação. Eu queria escrever sobre algo que eu acreditava, sobre histórias de verdade! Minha primeira publicação foi sobre o Lar dos Velhinhos do Rio Azul, entregue no dia 2 de junho de 2017 para os leitores que eu começava a conhecer. Thaís, obrigada por acreditar em uma jovem de 18 anos sem experiências profissionais, pois é esse apoio que mais jovens nessa idade mereciam ter.

Para mim, é quase inacreditável pensar em tudo que passei aqui no jornal. Foram 135 edições que os leitores paravam para conhecer o meu trabalho que estava se aperfeiçoando. Pude conviver com pessoas que hoje são tão especiais que não sabem o quanto me amadureceram. Devo muito a elas pela profissional que eu sou hoje. Erros? Tive muitos! Mas acreditando que a partir deles eu estava passando da fase de sonhar que tudo era perfeito.

Hoje com o coração apertado, mas extremamente grato, me despeço da Gazeta Informativa, o jornal que me fez crescer e que me deixa feliz em perceber que colaborei para o crescimento dele também. À equipe do jornal: vocês não fazem ideia do quanto esse espaço me trouxe novos horizontes. Aqui sempre será a minha primeira “casa”. Aos leitores: obrigada por acompanharem tudo que escrevi por aqui, foi tudo para vocês! E à nova pessoa que será responsável pela redação no meu lugar: abrace o jornal tanto quanto eu abracei! Saiba que aqui será uma das principais vitrines para mostrar quem realmente você é e seus propósitos. Sucesso, juízo e boas histórias! Nos vemos por aí!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
“E vai conseguir emprego?”
Além de opinião, aqui também tem crônica
Tendências de trabalho entre os Baby Boomers, Geração X e Jovens Millennials