Locutor de rádio inspira nome de morador de Paulo Frontin. Da esquerda para direita: Cléversson Daniel Skrzypa e Cleverson Daniel Bugai Portes. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Você já se perguntou como é a história do seu nome? Alguns moradores de São Mateus do Sul possuem algumas bem diferentes e com homenagens à pessoas conhecidas pelo mundo todo. É o caso do Tafarel Soares e também do Tafarel Rodrigues, que referenciam o famoso goleiro da seleção brasileira Taffarel, da Copa de 94. Elvis Mozeleski, John Lenon Steffen, Axel Dillan Machiavelli, Mozart Moreira e Leandro Siurmicki também homenageiam nomes de grandes personalidades da música. Também surgem inspirações em personagens de livros, como é caso de Harry da Veiga dos Santos – referência à Harry Potter.

Com tantas inspirações para nomes, na edição dessa semana a equipe da Gazeta Informativa desembarcou no município vizinho de Paulo Frontin para conhecer a história de Cléversson Daniel Skrzypa, nome escolhido para homenagear o locutor são-mateuense Cleverson Daniel Bugai Portes, que trabalha na Rádio Cultura Sul FM.

Rádio sempre ligado

O dia estava nublado quando chegamos no alto da localidade de Limoeiro, em Paulo Frontin. A cidade possui em média 7 mil habitantes, e a maioria das famílias faz da agricultora uma forma direta de renda.

A casa azul de madeira é a moradia de Dirceu Skrzypa, Silvana Terezinha de Morais Skrzypa, Cléversson Daniel Skrzypa e Gustavo Kauê Skrzypa, a família responsável por toda essa história. Com o rádio ligado na programação da 97.5, fomos recepcionados já no portão da casa para conhecer de perto toda essa história.

O locutor conheceu a família na última terça-feira (20), que reside em Paulo Frontin. Da esquerda para direita: Silvana Terezinha de Morais Skrzypa, Dirceu Skrzypa, Cléversson Daniel Skrzypa e Cleverson Daniel Bugai Portes.

Como chegamos até lá

O locutor Cleverson Daniel é conhecido em toda a região pelos programas feitos na rádio. Apresentando o Cultura Sul Notícias, Manhã 97, Bateu Saudade e Bem Sertanejo, foi através do programa Sofrência que o profissional ficou ainda mais conhecido entre os ouvintes, justamente pela forma irreverente e as “histórias que o povo conta”. Trabalhando em rádio desde os 12 anos, foi nesse caminho de comunicação que Cleverson descobriu a paixão profissional.

Como é de praxe em uma rádio, muitas histórias dos ouvintes chegam até os apresentadores que comentam sobre as inúmeras situações do cotidiano. “Um dia recebi uma mensagem do Dirceu falando que o nome do seu filho foi inspirado no meu nome, e achei a situação incrível”, conta. Há algumas semanas Cleverson conheceu a prima de Dirceu no ônibus no caminho da faculdade, que confirmou toda a história pessoalmente. “Peguei o contato da família para conhecer o meu xará.”

O nome já estava escolhido

Dirceu conta que o rádio sempre foi muito presente em sua vida. “Até hoje escuto do meu trator”, menciona. No ano de 2008 ele veio até São Mateus do Sul para fazer a carteira de motorista. Esperando o ônibus para Paulo Frontin no Terminal Rodoviária, Dirceu viu Silvana pela primeira vez. “Começamos a conversar e depois descobrimos que iríamos voltar no mesmo ônibus”, relembra. Silvana residia na comunidade de Anta Ruiva.
Com a troca de mensagens de texto, foi por meio da programação da rádio que Dirceu encontrou uma forma de ficar mais perto de Silvana. “Sempre ligávamos pedindo a música ‘Noite Enluarada’, e o Cleverson sempre foi muito simpático com a gente”, afirma.

O casal começou a namorar e casou-se em seguida. “Alguns casais sempre têm o costume de fazer uma lista de nomes para os filhos, e com a gente não foi diferente”, dizem. Pensando em ideias para nomes masculinos, Silvana e Dirceu escolheram Cléversson Daniel justamente pela consideração do locutor durante o período em que os dois se conheceram.

Hoje Cléversson Daniel tem 8 anos de idade e pretende seguir a área da agricultura assim como o pai. Ele escuta a programação da Cultura Sul FM e o seu programa favorito é o Sofrência, apresentado pelo xará. “Com essas histórias que percebemos a responsabilidade de um comunicador na vida das pessoas, influenciando diretamente no comportamento. Ele sempre terá o meu nome e lembrará de mim quando for explicar toda essa história. Fico emocionado e agradecido por esse carinho”, afirma o locutor.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
III Mostra de Folclore encanta o público e mobiliza a cidade
São-mateuense volta de intercâmbio nos EUA
E se esse piano falasse…

Deixe seu comentário

*