Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Com Baile da Polka, Grupo Karolinka resgata tradição de dança popular polonesa

Grupo folclórico polonês organiza terceira edição do baile, que acontece em outubro em São Mateus do Sul.

No ano em que celebra seus 25 anos de existência, o Grupo Folclórico Polonês Karolinka trabalha para levar a tradição da música e da dança polonesa para cada vez mais pessoas. Em outubro, o grupo promove a terceira edição do Baile da Polka, que busca resgatar a tradição dos bailes poloneses na região.

A música e a dança foram fatores importantes para a preservação cultural da cidade. No final do século XIX, São Mateus do Sul via-se invadida por novos ritmos, novos instrumentos. Os sons do bumbo, do violino e do rabecão se misturaram aos sons locais. Assim, a música polonesa passou a fazer parte da história local.

Uma das músicas que se tornou símbolo da imigração polonesa no Paraná foi Orzeł Biały (ou Águia Branca, em polonês), demonstração do amor à pátria que eles deixaram do outro lado do oceano. Mas, nem só de nostalgia e melancolia era feita a música polonesa no Brasil.

Ritmos animados também compunham o repertório e animavam as festas dos colonos. Na sede das sociedades-escola ou mesmo nos lares de moradores, era comum haver bailes com música polonesa, tocada pelos próprios imigrantes. Essas festas eram ambientes de socialização e muitas vezes originava casamentos.

Em entrevista para elaboração do livro em comemoração aos 25 anos do Karolinka, Francisco Augusto Caminski, grande entusiasta das tradições polonesas recordou a importância que a música e os bailes tinham para os imigrantes poloneses e seus descendentes. “Ali, no Baile do Imigrante, tudo despertou. Fiquei pasmo. Eu, da terceira geração de imigrantes, nunca tinha visto pessoas colonas, com as mãos calejadas, tocando violino, rabecão, clarinete, bumbo. Pensei: ‘meu Deus do céu, o que nós já fizemos por essa gente?’. O baile foi o estopim de tudo o que veio pela frente”, afirmou. E o que veio pela frente, foi um movimento de revalorização da cultura e das tradições trazidas pelos imigrantes, que levou, inclusive, à criação do Karolinka, em 1991.

O xote Sete Passos, o Sokol e a valsa Szła Dzieweczka são canções populares que se perpetraram e até hoje têm presença garantida nos bailes poloneses locais.

Dentre os ritmos mais lembrados quando se fala em dança de salão polonesa, a Polka certamente ganha destaque. Embora tenha surgido numa região que hoje pertence à República Tcheca, este é um ritmo bastante popular na Polônia. O coreógrafo do Grupo Karolinka, Rafael Guimarães de Lima, explica que o próprio nome faz referência ao ritmo. “Polka na verdade vem da palavra pół (que significa metade em polonês), pois o compasso é dividido em dois passos”, explica Rafael.

São elementos desta cultura que o Karolinka procura valorizar ao promover o III Baile da Polka. Toda a animação da dança marcada por passos frenéticos em volta do salão deve ser levada a público no evento marcado para o dia 7 de outubro, no Clube União Vila Prohmann.

Em busca de apoiadores

Para que o evento se torne um grande sucesso, o Karolinka busca agora patrocinadores e parceiros. Afinal, o apoio de empresas e da comunidade são-mateuense foi fundamental para que o grupo chegasse aos seus 25 anos de atividades ininterruptas. “Sempre que precisamos de apoio, sentimos uma mobilização por parte de várias pessoas, o que possibilitou que as nossas atividades fossem mantidas e até ampliadas. Agora, queremos contar novamente com esta solidariedade em prol do Karolinka. Toda forma de apoio será bem-vinda”, explica Irio Janoski, coordenador do grupo.

“Nosso objetivo é inserir toda a comunidade são-mateuense neste evento, para que todos se sintam parte desta história tão bonita do Karolinka que completa 25 anos”, reforça a presidente Josiane Nizer.

Se você quer se tornar um patrocinador desta iniciativa e ter sua marca associada a um grupo com um histórico de dedicação a promover nossa cultura e a divulgar nossa cidade, entre em contato pelo e-mail grupokarolinka@gmail.com ou diretamente na página www.facebook.com/grupokarolinka.

Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: