Sessão desta semana tratou de assuntos relativos às estradas rurais e atendimento em saúde, dentre outras coisas.
(Fotos: Fotos: Reprodução gravação oficial da Câmara)

Nesta terça-feira (08/09), na 30ª Sessão Ordinária, a Câmara fez a 2ª apresentação do Projeto de Lei nº 011/2020 que “dispõe sobre ações prioritárias da Administração Pública Municipal, Metas e Riscos Fiscais, Diretrizes Gerais para elaboração da Proposta Orçamentária e Normas de Execução Financeira a serem executadas pelo Município de São Mateus do Sul, para o exercício de 2021”.

Foi a 2ª das três apresentações da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) permitindo que vereadores possam fazer emendas (alterações) na proposição original da prefeitura. Após a 3ª apresentação, a proposição segue para discussão e votação, conforme o regimento interno. Antes disso, abre espaço no processo para apontamentos de mudanças na proposta. Depois sendo votada em duas sessões.

O Ofício nº 411/2020 encaminhou o projeto de Lei nº 024/2020, pedindo aprovação com urgência – no máximo até o dia 29. Segundo o descritivo ‘afim de permitir o cumprimento de ações administrativa referente a folha de pessoal’. Ao final da reunião, o presidente Nereu Dal Lago afirmou que o assunto entra em discussão e votação para que o processo seja agilizado.

Indicação e Moção

A indicação nº 057/2020, assinada pelos vereadores Omar Picheth, Fernanda Sardanha e Julio Balkowski, solicita a construção de poço artesiano no Rio das Pedras B. Ou então questiona a existência de projeto direcionado à comunidade sobre abastecimento de água. Demanda de anseios indicada pelos próprios moradores que têm sofrido com falta de água e necessitam do serviço, conforme a solicitação.

Sardanha mencionou que tem o conhecimento de alguns poços artesianos já solicitados ou cadastrados e pediu informações sobre Rio das Pedras B estar cadastrado. Outro assunto foi a Moção de Aplausos ao grupo Ivasko e profissionais pela promoção de emprego e renda. Proposição da mesa diretora. A proposição foi colocada em discussão e aprovada por todos os parlamentares.

Vídeo da APAE

Os vereadores haviam solicitado uma palestra da APAE que encaminhou um vídeo sobre os trabalhos e importância das ações da entidade. A escola segue atendendo 129 alunos, mesmo no período de pandemia. Entre outras coisas, foi citada a Semana da Pessoa com Deficiência, num momento diferente de ter criatividade para conseguir manter o trabalho com seus alunos.

Com 40 anos de história, a Escola 21 de outubro necessita de apoio para seguir trabalhando. “Parabenizar os funcionários que prontamente atenderam o requerimento da vereadora Fernanda e do vereador Julio e nos mandaram esta matéria muito importante que nos causa até uma emoção pelo trabalho que estas pessoas fazem, perante esta entidade que todos nós respeitamos e somo colaboradores”, afirmou Nereu.

Marta Centa parabenizou o encaminhamento feito pelos colegas e o material divulgado pela APAE à Câmara, citando o fortalecimento de um elo educacional entre as escolas estaduais e municipais e a entidade. “No nosso município quando se fala de acessibilidade é muito bonito no papel, mas se você for sair nas ruas. E eu sei muito bem porque há nove anos a minha mãe se tornou cadeirante”, observou.

A vereadora citou passeio de bicicleta, que disse gostar, mas frisou ter percebido ‘muita coisa irregular’. “De rampa, enfim. As pessoas que fazem a rampa, elas não utilizam mesmo. É algo assim que é imprescindível fazer uma avaliação nessa cidade desta questão da acessibilidade”, afirmou. Ao passo que parabenizou os profissionais da APAE. “Isso é uma missão que Deus deu para vocês”, frisou Marta Centa.

Trabalhos realizados, e não

Julio Balkowski, nas considerações finais, destacou que andando pelo município observa máquinas trabalhando. O parlamentar citou trabalhos realizados, mas segundo ele, “nos cantos do município ficam a desejar”. Locais mais isolados, de acordo com o vereador, acabam por ser deixados de lado e necessitam de melhor atenção na infraestrutura, sobretudo nas estradas rurais mais distantes.

Num tom de desabafo, o vereador Geraldo Altevir de Paula e Silva que é do mesmo partido do prefeito (PSDB) mencionou que faz quatro anos que pede por uma estrada na comunidade do Retiro. Nesta terça-feira (08/09), segundo ele, se deparou com morador dali que o questionou. “Até mostrei que eu tinha passado só umas dez vezes para o prefeito, este mês umas quatro”, afirmou.

“Daí eu falei para ele. Veja, quatro anos e não consegue arrumar meio quilômetro de estrada. Porque vão lá arrumar a frente de estrada para aparecer e as dos fundos fica”, reportou. “E de janeiro que vem, se continuar mesma administração, quando que vão ter estrada? Nunca mais! Se agora que é eleição não tem estrada, o vereador que apóia não consegue fazer um quilômetro de estrada”, disse.

“Depois de janeiro que não tem reeleição mais. Vai ter estrada? Deixo essa palavra aqui”, frisou. Ao passo que destacou a simplicidade do morador, de 85 anos, que o abordou e agradeceu pelo respeito dele e família. “Mas esta semana que vem eu vou ter tempo de filmar toda região. Daí vocês vão ver quando em me queixava. Estrada tem na beira de asfalto onde é os puxa-sacos”, relatou.

Melhoria no Sentinela e falta de transporte

O líder de governo, Jackson Machado, citou que o departamento de Saúde, na Unidade Sentinela que é de tratamento exclusivo à Covid-19, possuí equipamento de tomografia. Ele parabenizou a gestão municipal por fazer o atendimento em separado, do Coronavírus, frente aos demais serviços prestados para a população. “Temos ali leitos, respiradores”, ressaltou, mencionando a presença, ainda, do vírus na região.

O parlamentar frisou a necessidade do cuidado consigo e ao próximo, por parte de cada cidadão. Citando de que o cenário mostra que se encaminha a superação da pandemia, mas é sempre importante pensar na proteção de todos. Sobre os comentários do colega de bancada e partido, das estradas rurais, o vereador que geralmente faz a defesa e tem respostas prontas, não ser pronunciou.

Na sequência, inclusive, o líder de governo recebeu uma demanda encaminhada por parte de Fernanda Sardanha. A vereadora delatou caso de cidadã que não teve acesso ao transporte até a unidade Sentinela. “Se quiser depois até posso passar o nome e o contato da paciente”, apontou. Seria uma mulher que estava ‘passando mal’ e teve que se deslocar à pé. O pedido foi para que Jackson Machado investigue a situação.

Ao colega de Câmara, Sardanha mencionou a estrada da localidade da Fazendinha. Por ter encontrado o vereador na região, ela disse ‘imaginar’ que o líder de governo fosse intervir para recuperar a via rural. “Claro, não sei se vou ser atendida, mas talvez o próprio Jackson que esteve lá e viu a situação possa estar requerendo que vai ser mais fácil de ser atendido”, disse a vereadora.

Pintura de muro e lâmpadas queimadas

Omar Picheth apresentou fotos na Câmara de Vereadores sobre o muro do Cemitério Municipal. Nas imagens, uma parte estava sem pintar, num vão na metade da estrutura. A explicação, segundo o vereador, é de que havia entulho quando houve a realização da pintura. Após uma equipe concluir o trabalho, outra teria vindo e retirado os materiais que ali estavam, revelando a parte sem pintar.

Muro do Cemitério Municipal é pintado com entulhos na frente e ao retirar fica falha na pintura.

Afirmando entender a situação como vergonhosa, o parlamentar disse que foi conferir. “Eu fui lá verificar isso se era verdade que eu não acreditei e infelizmente é verdade”, disse. Segundo ele, na obrigação de fiscalizar por ser uma prerrogativa dos vereadores. “Eu fui obrigado e não queria mostrar esta foto”, observou. Omar Picheth, também, mencionou existência de lâmpadas queimadas.

“Eu parei de contar quando cheguei em 89 lâmpadas queimadas no centro da cidade”, afirmou. O vereador argumentou que se trata de desorganização, pois, segundo ele, há recurso para este trabalho cobrado na conta de luz. “Tem dinheiro de sobra porque é uma taxa na qual o prefeito cobra todo ano, todo mês e ela tem superávit. Não tem como falar que não pode trocar lâmpadas por falta de recurso”.

No mesmo tom, Omar Picheth citou sinaleiros em funcionamento com lâmpadas queimadas e outros sem funcionar. Ele recebeu fotos que destacam estes problemas. “Mas divulgo muito triste”, disse. No seu entendimento são situações inconcebíveis para a prefeitura que arrecada mais de R$ 150 milhões por ano. Ele ainda mencionou sobre câmeras de segurança, prometidas há dois anos, mas que seguem sem funcionar.

Sidnei Muran

Sidnei Muran

Jornalista (MTB 7597 DRT/PR), formado pelo Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), pós-graduado em História e Cultura pela Unespar – campus de União da Vitória e Licenciado em História pela Unespar – campus de União da Vitória.
Sidnei Muran

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Triunfo troca, Antonio Olinto mantém. Prefeitos comentam resultados
Câmara Municipal Vereadores realiza sessões extraordinárias para aprovar projetos legislativos e do executivo municipal ainda em 2018
Câmara Municipal de Vereadores realiza a 35º Sessão Ordinária e aprova Moção de Aplausos ao CEJU LKM Grupo de Dança