Geral

Corte no juro do consignado entrou em vigor para aposentados e pensionistas do INSS

Agora o juro para empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS passou para 2,08%. (Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

O empréstimo consignado para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), é uma modalidade de crédito e empréstimo com menos juros no mercado, diferente do empréstimo pessoal. Sendo indicado para necessidades emergenciais, o valor adquirido de maneira consignada é descontado do pagamento pelo benefício do aposentado, evitando dessa maneira o atraso no pagamento do empréstimo ao banco.

Recebendo o valor em dinheiro agora para pagar em parcelas que serão descontadas automaticamente do benefício recebido pelo aposentado ou pensionista do INSS, o crédito consignado já é descontado antes mesmo do recebimento do pagamento. Vale a pena salientar que o valor do crédito consignado tem como base a aposentadoria ou pensão recebida.

Corte de juro

O corte datado e anunciado desde 28 de setembro deste ano para o juro consignado de aposentados e pensionistas do INSS, entrou em vigor na segunda-feira (6), salientando a redução dos juros efetuados nos descontos do benefício. Anunciada pela Resolução 1.333 publicada no Diário Oficial da União, a diminuição passou de 2,14% para 2,08% ao mês.

De maneira anual, a redução foi de 28,9% para 28,0%. Já para operações de cartão de créditos, o juro foi para 3%. De acordo com o Ministério do Planejamento, responsável pelo planejamento e administração governamental, a redução dos juros representará uma economia de R$ 5 bilhões ao ano e faz parte de um esforço da equipe econômica para estimular a retomada da economia.

Para servidores, a taxa de juros foi reduzida de 2,2% para 2,05% ao mês. Em março desse ano, o governo já havia reduzido as taxas do consignado para 2,2% ao mês. De acordo com site Negócios, aposentados do INSS estão mais endividados esse ano. Dados do Banco Central (BC) mostram que, entre janeiro e setembro, em comparação ao mesmo período do ano passado, as dívidas por meio do consignado aumentaram: nos nove primeiros meses de 2017, o montante em crédito liberado atingiu R$ 113,1 bilhões, acima dos R$ 99 bilhões de 2016.

“A linha de crédito consignado em folha de pagamento é sem sombra de dúvida a que apresenta a menor taxa de juros no mercado em face de um menor risco para a Cooperativa, nessa linha de crédito o SICOOB como Instituição Financeira Cooperativa e sempre regulador de taxas no mercado e por não ser uma entidade com fins lucrativos, sempre apresenta taxas bem menores que as definidas pelo Banco Central do Brasil (BACEN), no entanto, sempre que ocorre redução de taxa de juros é muito bom para o comércio em geral, mais pessoas acessam ao crédito e assim fomentam a economia”, comenta Jardel Ferreira de Castro, Encarregado de P.A. da Cooperativa SICOOB em São Mateus do Sul.

Problemas e cuidados necessários para empréstimos bancários

Mesmo com as facilidades desse tipo de crédito e taxas de juros menores, em relação a outras modalidades, empréstimos devem ser feitos com cautela. Antes de fazer qualquer contrato e assumir uma dívida, o consumidor deve sempre analisar se realmente precisa do dinheiro.

Apesar de sua prontidão, o crédito consignado precisa de atenção enquanto a cobrança de juros efetuada em cima do valor do empréstimo, faça uma avaliação de quanto isso irá comprometer seu orçamento mensal e anual.

É dever do banco ou cooperativa responsável pela efetuação do empréstimo informar o financiado sobre os valores dos juros presentes na forma de pagamento, apresentando prestação de contas e soma total do valor à ser pago.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Matriz São Mateus recepciona Imagem de Aparecida vinda para a Diocese
Saiba os riscos na compra de veículos “NP”, “pizera” ou “bruxo”
CDL realiza reunião para discutir melhorias na área de segurança pública