Prismas

Criando parágrafos e descrevendo cenas

Quem já não ficou em dúvida sobre como escrever um parágrafo? Muitas vezes me perguntam que tamanho deve ter um ou qual a melhor forma de estruturá-los.

Se você digitar no Google “como escrever um parágrafo?”, surgirão várias dicas, cada uma com determinado foco, dependendo do tipo de texto que você deseja escrever. Você pode usar boa parte delas, lhe serão muito úteis.

Eu posso responder, com certeza, que não há um tamanho definido para o seu parágrafo. A estrutura do parágrafo também depende do tipo de texto que você está redigindo. Vou me ater as narrativas de ficção e abordar alguns tópicos que julgo importantes para quem, como eu, busca o desenvolvimento na escrita.

É certo que o leitor quer ler boas narrativas, boas histórias. Para isso, quem escreve precisa envolve-lo. Então, é muito importante que ao invés de “dizer”, o redator “mostre” ao leitor. Deve fornecer as informações necessárias para que o leitor compreenda a cena, complemente-a com as informações e conhecimento que já possui.

Vejam que usei a palavra cena no parágrafo anterior. Numa narrativa, você pode, por exemplo, usar um parágrafo para descrevê-la. Evite várias cenas num mesmo parágrafo. Porém, é possível que uma cena tenha vários parágrafos, dependendo da complexidade do texto. Quando comecei a escrever meus contos, procurei usar um único parágrafo para cada cena.

Pense numa cena como no teatro ou no cinema. Enquanto a câmera ou a atenção está voltada ao mesmo ambiente, com as mesmas personagens e seguindo um tempo linear, temos uma cena.

O diálogo também é importante para suportar ou delimitar uma cena e também permite que o texto seja mais humanizado. Porém, não convém abusar dos diálogos. Eu procuro mesclar os diálogos com comentários do narrador, reflexões das personagens ou descrições do cenário, por exemplo.

Outro ponto importante: as cenas precisam estar conectadas, precisam de ligação. Tome cuidado nos textos que recuam no tempo e depois voltam ao tempo principal da narrativa, por exemplo. O leitor não pode se perder ao longo da história, nem você.

Quando fiz um curso de escrita criativa à distância, o professor fazia uma proposta:

• Pense na sua história;
• Escreva, uma em cada linha, dez frases breves que possam traduzir as principais cenas de sua história;
• Logos após cada frase, escreva uma outra, representando uma cena secundária, que complemente sua história;
• A partir daí, desenvolva o seu texto, detalhando mais cada uma das cenas, intercalando outros elementos narrativos, como comentários, diálogos, comentários do narrador ou descrições.

Não há fórmula para a escrita, esta é somente uma proposta de exercício. Experimente!

Adnelson Borges de Campos
Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O que fazer nos dias ruins
O futuro se aprende
O que não tem remédio, remediado está