Região

Curiosos atrapalham resgate de incêndio em Porto União

(Vvale)

Tarde de domingo, 8, 18h05. Caminhões de combate a incêndio de Porto União passam em alta velocidade com as sirenes ligadas com destino à Rua Camarista João Clausen, no Bairro São Francisco, em Porto União. Em outra ponta, caminhões partem do quartel do Corpo de Bombeiros de União da Vitória em apoio.  A distância dos dois quarteis até o local do incêndio preocupa, mas os caminhões avançam rapidamente.

O que seria mais uma chegada em tempo recorde, apesar das dezenas de lombadas até a zona sul de União da Vitória ou a distância um pouco maior pelas vias de Porto União, se transformou em uma lamentável sucessão de interferências de populares. Próximo do local da ocorrência, os caminhões tiveram de reduzir a velocidade até quase parar. Vários carros atrapalharam toda a ação dos bombeiros para tentar “registrar” o fato com seus celulares, ignorando a urgência de quem estava preparado para combater as chamas.

Depois de muitos obstáculos, os bombeiros chegaram e, em questão de segundos, entraram até onde puderam. Os cômodos da casa ardiam em chamas. Nesse momento, os bombeiros não puderam entrar e socorrer possíveis vítimas. Paralelamente, mangueiras já estavam despejando água para debelar o fogo. Um cachorro que estava dentro da casa foi salvo, mas uma vida já estava perdida. Uma senhora, mãe de família, morreu queimada dentro do banheiro da sua própria casa.

Depois de controlado o incêndio, fogo apagado, o corpo foi encontrado. Outra espera angustiante: o Instituto Geral de Perícia (IGP) foi chamado para recolher o corpo, mas como é inoperante em Porto União e Canoinhas, quem faz o serviço é o de Joaçaba, no oeste de Santa Catarina.

Bombeiros lamentam

O comandante do Corpo de Bombeiros de Porto União, Marcos Luciano Colla, falou sobre o caso. Ele lamentou a presença de curiosos que estavam com celulares filmando o incêndio e tirando fotos, além de gente que estava passeando no local para ver o incêndio e atrapalhou a chegada dos bombeiros. “O fato que nos preocupou bastante ao chegar no local, e para quem conhece essa rua, sabe que ela é bastante estreita, foi a presença de muitos curiosos, que ao tomarem conhecimento do incêndio foram para o local com seus carros”, explicou. O comandante disse que pelas condições da rua, esses carros dificultaram a passagem e retardaram a chegada dos bombeiros até o incêndio. “Quando chegamos ao local, as chamas já haviam tomado grandes proporções, o que dificultou as ações de salvamento. Durante o combate às chamas, infelizmente encontramos o corpo de uma pessoa carbonizada no banheiro”.

O bombeiro militar deixou no ar a questão: “Se tivéssemos chegado um pouco antes teríamos condições de fazer o salvamento? São preocupações como essa que nos fazem refletir sobre essa questão. Em várias situações, cidadãos quando tomam conhecimento de uma ocorrência acabam indo para o local, por curiosidade ou mesmo para filmar ou tirar fotos, e acabam atrapalhando nosso deslocamento não só para chegar, mas na eventual necessidade de reabastecer um caminhão com água, por exemplo”, desabafou.

Colla disse que os veículos prejudicam o deslocamento com vítimas, reabastecimento de água nos caminhões, por ficarem próximos demais das ocorrências. “O cidadão curioso se expõe a riscos e, por outro lado quando a gente perde alguns segundos ou minutos, pode ser uma vida”. Colla se disse triste e preocupado com a interferência indevida de curiosos nas ocorrências.

Apelo

O comandante do Corpo de Bombeiros de Porto União fez um apelo às pessoas que querem aparecer em redes sociais com vídeos das tragédias cotidianas: “Não vá para o local da ocorrência. Deixa esse trabalho para o pessoal da imprensa. São profissionais que sabem como atuar nessas situações, sem atrapalhar nossas equipes no atendimento das emergências. Toda a informação é repassada através dos meios de comunicação, então, não se exponha a riscos e nem atrapalhe o nosso atendimento”, disse o bombeiro militar. De acordo com o Major Silvano Sasinski, comandante da PM de Porto União, para quem provoca obstrução ou lentidão ao trabalho de bombeiros, polícia, IML, Defesa Civil, por exemplo, o Código de Trânsito Brasileiro – (CTB) é claro: “O condutor que desobedece à regra, deixando de dar passagem aos veículos de emergência, comete a infração de trânsito do artigo 189 do CTB, de natureza gravíssima, sujeito à multa de R$ 191,54 e 7 pontos no prontuário”, explica. A Polícia Militar normalmente faz a disciplina do trânsito, onde a ocorrência é gerada, isolando o perímetro.

Fonte: Vvale.

Redação

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Governadora anuncia a construção de 2.486 moradias em São João do Triunfo, Rebouças, Rio Azul e mais 43 cidades
Verba de R$ 1,5 milhão é destinada a região de São Mateus do Sul
TCE-PR cobra medidas de segurança em 124 escolas sem laudo dos bombeiros