Educação e Cultura

Curso Técnico em Agronegócios é novidade no Colégio Estadual São Mateus

Com a chegada do curso técnico em Agronegócios, o Colégio São Mateus contemplará o quinto curso oferecido à comunidade são-mateuense e da região. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

O Colégio Estadual São Mateus (CESM), trará para o ano letivo de 2019, o mais novo curso técnico para São Mateus do Sul e região, trata-se do curso profi ssionalizante de Agronegócios. De acordo com a diretora, Telma Staniszewski, há tempos a direção do CESM vinha provendo a análise junto à comunidade em busca de novos cursos. A equipe consultou os alunos, empresários e o corpo docente, e explorou à fundo a demanda do município. “Analisamos a necessidade do mercado de trabalho da nossa região e chegamos à conclusão de que a agricultura é o forte, principalmente com o intenso crescimento da identidade da erva-mate.”

Existe uma importância muito grande dos cursos técnicos do CESM, contemplando a formação do ensino médio e colaborando com os alunos numa formação profi ssional especializada. O colégio já possui os cursos de Química, Meio Ambiente, Formação de Docentes e Segurança do Trabalho que também poderá, em breve, transforma-se em subsequente e ter a duração de apenas 1 ano e meio.

Segundo a diretora, a Secretaria de Estado da Educação (SEED), foi consultada e se chegou ao curso técnico em Agronegócios em meio à vários cursos a serem oferecidos, tendo em vista ser uma área em constante crescimento. “Esse será um investimento para nossa cidade, para nossos jovens e possivelmente atrairá empresas que dependem do Agronegócio como fonte para as engrenagens de suas indústrias”, relata a diretora.

Logo após a realização da análise por parte da equipe docente, o processo para a solicitação do curso foi iniciado, e em cerca de 2 meses, contrariando o tempo estimado para a realização do processo que gira em torno de 1 ano, ele foi encaminhado a SEED para a possível aprovação. O projeto que contempla o referido processo, demanda de justificativas, análises de mercado, profissionais para lecionar, áreas de estágio, campo de atuação, etc.

O curso atenderá o público de São Mateus do Sul, Antonio Olinto e São João do Triunfo, municípios que também sobrevivem da agricultura. Telma afi rma que solicitou a colaboração da deputada Maria Vitória Borghetti Barros (PP), vice-presidente da Comissão Parlamentar de Educação na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), que por sua vez contatou a atual secretária estadual de educação, Lúcia Aparecida Cortez Martins, assumindo um compromisso pelo carinho que possui com cidade e o CESM.

Na quinta-feira (7), o pedido da solicitação do curso foi aprovado pela SEED com o parecer favorável em todo o processo. O CESM atendia todas as especificações para sediar o curso. O próximo passo, segundo Telma, é enviar os últimos documentos em anexo ao processo. “Possivelmente já em 2019 tenhamos as primeiras turmas do curso de Agronegócios.”

O processo solicitou a demanda de turmas integradas, ou seja, a formação profissional junto ao nível médio, a ser realizado em 4 anos de curso. Mas ainda nessa semana o processo para a abertura de turmas subsequentes, ou pós-médio, com duração de 2 anos de curso, também foi encaminhado. “Cremos que como a aprovação da modalidade integrada, a subsequente também possa ser encaminhada, pois o processo é similar e existe uma demanda ainda maior de alunos”, destaca Telma.

Haverá duas turmas, uma no período matutino e outra no noturno, cada uma com 40 alunos, iniciando pelo primeiro ano. Os alunos serão escolhidos pelo processo de seleção como todos os cursos técnicos que o colégio já possui. Com o andamento da liberação, o processo de seleção ocorrerá entre os meses de outubro e novembro deste ano.

Questionada sobre a infraestrutura da instituição para atender a demanda do novo curso, a diretora garantiu que possui toda a estrutura necessária segundo exigências. “Já nos programamos para isso e vamos atender todos os requisitos.”

Na atualidade, percebe-se que os jovens se evadem do campo em busca de estudos e empregos, deixando para trás toda uma vida no local. O curso irá propiciar aos tantos jovens uma alternativa conveniente para aprimorarem seus conhecimentos para que possam também fomentar a economia local.

“Foi pensando justamente na valorização dos nossos agricultores que fomos buscar esse curso em Agronegócios, para que o jovem fique na sua propriedade, dentro das inúmeras comunidades são-mateuenses. Queremos que eles valorizem sua terra e os produtos de seu trabalho, e aprendam a gerenciar tudo que se tem no campo”, comenta.

O que é Agronegócio?

O Agronegócio envolve a produção agropecuária e as práticas a ela interligadas, eventualmente denominado por agribusiness – é um termo utilizado para fazer referência ao contexto sócio espacial da produção agropecuária, incluindo todos os serviços, técnicas e equipamentos a ela relacionados, direta ou indiretamente.

Portanto, esse setor da economia envolve uma cadeia de atividades que inclui a própria produção agrícola, a demanda por adubos e fertilizantes, o desenvolvimento de maquinários agrícolas, a industrialização de produtos do campo e o desenvolvimento de tecnologias para dinamizar todas essas atividades.

Ao contrário do que muitos imaginam, o Agronegócio não está somente relacionado com o campo. Ele especializa-se também no meio urbano, sendo um dos vetores de promoção da subordinação das atividades rurais à dinâmica das cidades. Isso ocorre porque, à medida que o agribusiness se moderniza, mais ele torna-se dependente de atuações industriais e produtivas advindas das cidades.

Esse importante campo da economia envolve uma inter-relação entre os três setores: o primário, com a agropecuária; o secundário, com as indústrias de tecnologias e de transformação das matérias-primas; e o terciário, com o transporte e comercialização dos produtos advindos do campo.

O Agronegócio brasileiro é um dos mais representativos do mundo, sobretudo no que diz respeito à dinâmica de exportações. O Brasil é o maior exportador mundial de café, açúcar e cana-de-açúcar; é também o segundo maior exportador de carne bovina e o maior exportador de carne de frango, sendo também o quarto do mundo na venda internacional de carne suína. A tendência é que os lucros produzidos nesse setor se intensifiquem ainda mais, com altas estimadas em 40% nos próximos anos, segundo o Ministério da Agricultura.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Colunista da Gazeta Informativa assume cadeira na Academia de Letras do Brasil
Colégio Duque de Caxias realiza IV Seminário Socioambiental
Antiga instalação do Colégio Integral poderá ser novo CMEI em São Mateus do Sul