Segundo o governo, a intenção é ‘desburocratizar’ tratamento e ‘eliminar barreiras que criam distinção’ entre funcionários. O decreto estabelece que agentes públicos utilizem termo ‘senhor’. (Foto: Reprodução Gazeta do Povo)

Um dos decretos assinados nesta quinta-feira (11), pelo presidente Jair Bolsonaro proíbe que funcionários, servidores e integrantes do governo federal utilizem os termos “Vossa Excelência” e “doutor” em comunicados, atos e cerimônias públicas.

O texto do decreto prevê ainda que os agentes públicos utilizem, uns com os outros, o termo “senhor” ou “senhora” no tratamento oral e escrito.

O decreto faz parte dos 18 decretos e projetos relacionados às metas dos 100 primeiros dias do governo assinados nesta quinta por Bolsonaro.

De acordo com o governo, a medida visa “promover a desburocratização no tratamento” e “eliminar barreiras que criam distinção entre agentes públicos no âmbito do Poder Executivo federal”.

O governo explicou que a forma de tratamento não valerá para os casos em que haja previsão legal exigindo o uso de algum pronome de tratamento específico ou exigência de outros poderes.

O termo “senhor” também fica proibido para comunicações com autoridades estrangeiras e organismos internacionais, de acordo com o decreto.

O decreto assinado por Bolsonaro é semelhante à portaria assinada há dois anos pelo então prefeito e atual governador de São Paulo, João Doria, que também determinou o fim do tratamento de referênciacomo “Vossa Excelência” ou “Ilustríssimo” nos atos e cerimônias da cidade de São Paulo.

Fonte: G1

Redação do jornal Gazeta Informativa

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Vice-prefeito de São Mateus do Sul Clóvis Distéfano é pré-candidato a prefeito pelo PSC
Propostas do NDE foram pautadas na casa de leis são-mateuense
44º Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores é marcada por discussão de projeto de lei que fraciona direitos capitais de servidores públicos

Deixe seu comentário

*