Cidade

Depois de 6 meses sem caminhar pela Rua Antônio Bizinelli, moradora da Colônia Iguaçu consegue transitar com segurança

Ana Juraski Boianoski, de 84 anos, é moradora do trajeto pavimentado na Rua Antônio Bizinelli, e afirma que depois de 6 meses, hoje consegue caminhar pelo local asfaltado com autonomia e segurança. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Hoje o trajeto para a Rua Antônio Bizinelli, na Colônia Iguaçu, é completamente diferente do que alguns anos. Os 600 metros de pavimentação asfáltica que liga o Centro de Tradições Polônicas Marcelo Janowski (Cepom) até a Avenida Iguaçu, era uma obra que estava sendo esperada há muito tempo pelos moradores da região. Anteriormente, as condições da Rua impossibilitava o caminho digno das pessoas e veículos que transitavam pelo local.

“Quando era tempo de escassez de chuva sofríamos com a poeira. Quando chovia demais, o problema era a lama”, afirma Josnélia da Silva Stefaniak, moradora da Rua. Ela ainda comenta que era necessário o uso de botinas quando saia de casa para ir até o trabalho. “Agora a situação mudou completamente”, afirma.

De acordo com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal, o asfalto está parcialmente concluído. “O trânsito está liberado, porém faltam alguns detalhes para que a obra seja declarada como concluída.”

Mesmo sem a finalização completa da obra, a mudança já é percebida no cotidiano dos moradores. Isso refletiu diretamente na vida de Ana Juraski Boianoski, de 84 anos. Por problemas de saúde, sua locomoção é bastante comprometida, e de acordo com ela, fazia 6 meses que não realizava o caminho principal da Rua Antônio Bizinelli. “Agora consigo ir visitar minhas vizinhas sozinha”, afirma. Caminhando com muita calma, Ana segue contente pela realização do tão esperado asfalto.

A equipe da Gazeta Informativa acompanhou a moradora no trajeto até a sua casa, e percebeu a animação pela autonomia em caminhar com segurança pela Rua. “Passo por alguns problemas na minha perna e preciso da minha ‘bengalinha’ para me locomover. Fico muito feliz em poder sair de casa”, garante. Apesar da tranquilidade no caminhar, Ana se preocupa e reforça a necessidade de uma lombada para evitar possíveis acidentes. “Por ser uma reta, as vezes o pessoal extrapola na velocidade”, diz.

Anteriormente, os moradores da Rua Antônio Bizinelli realizaram manifestações para reivindicar as melhorias do trajeto. A pavimentação teve início em 2016, e após problemas nas tramitações legais para a liberação de verba, voltou a ser realizada no início do segundo semestre de 2018. Segundo a Assessoria da Prefeitura Municipal, tendo em vista que a obra era uma demanda considerada importante para os moradores da Colônia Iguaçu, a verba destinada para essa pavimentação partiu do próprio município através de parlamentares. Depois da liberação, a Prefeitura teve que rever junto com a empresa o valor da obra. “Por estar muito tempo parada, o valor da pavimentação teve acréscimo”, informa a Assessoria.

Segundo eles, o 7º Termo Aditivo ao Contrato de Empreitada nº 004/2015 refere-se à pavimentação da Rua Antônio Bizinelli. “Para este aditivo, foram feitos vários reajustes e houve também um acréscimo na obra onde o valor inicial era R$ 1.108.148,84 e o atual é de R$ 1.294.934,05”, apresentam.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Sacola ecológica com a cara de São Mateus do Sul
A falta de moedas em circulação no comércio gera preocupação aos empresários são-mateuenses
Paralisação dos caminhoneiros chega ao fim em São Mateus do Sul