Geral

Diretora do Colégio São Mateus recebe bilhete ameaçador

Fotos: Thaís Siqueira/Gazeta informativa

Fotos: Thaís Siqueira/Gazeta informativa

No dia 17 de novembro, ao sair para almoçar, a diretora do Colégio Estadual São Mateus Telma Staniszewski, reparou que havia um papel dobrado no para-brisa de seu carro, que estava estacionado em frente ao colégio, porém ela não imaginava que aquele bilhete anônimo, em escrita precária, a deixaria tão amedrontada. “Sei do teu caminho. Conheço teus horários. Sei tudo e onde vai seu filho também”, diz um trecho do bilhete que principalmente faz ameaças sobre a participação de Telma na vida pública e política do município.

Telma revela que chegou a pensar que o bilhete seria alguma propaganda, prática comum de fazerem em frente do colégio. “Mas ao pegar e ver o conteúdo do bilhete, me surpreendi e me senti bastante apreensiva, visto que fala em tom ameaçador usando meu filho, e quem é mãe ou pai, sabe o quanto isso nos balança, sendo sem dúvida nosso ponto fraco”, relembra.

O bilhete

“Você está mexendo com coisa perigosa. Vou te dar um conselho. Não se envolva e não entre para a política. Se não vai se arrepender”, diz outro trecho. Há muitas especulações quanto ao futuro de Telma na política, devido a um anúncio feito recentemente em uma visita da deputada estadual Maria Victoria, em São Mateus do Sul, onde ela anunciou que tanto ela quanto sua mãe, a vice-governadora Cida Borgheti, gostariam muito de lançá-la como candidata a prefeita nas próximas eleições. No entanto são informações que em nenhum momento Telma confirmou.

Telma está recebendo proteção da polícia e acredita na eficiência e comprometimento da polícia de São Mateus do Sul. “Eu procurei a polícia para me orientarem sobre quais procedimentos tomar sem colocar em risco principalmente a vida do meu filho. Fui orientada a fazer um boletim de ocorrência e no mesmo momento a polícia reservada já colheu as digitais do para-brisa, fez busca nas imagens da vizinhança e solicitaram segurança velada”, conta.

Segundo Telma, sempre lutou por uma educação pública de qualidade à frente da direção do colégio e sempre brigou por ações que acha justa para o desenvolvimento da cidade, sem atingir esse ou aquele político local. “Só temera meu ingresso na política aqueles que não trabalham pelo povo e por nossa cidade. Penso que não faço nada de mal para as pessoas ou para nossa cidade, muito pelo contrário”, destaca.

Portanto, se entrará um dia ou não para a política municipal, “não seguirei o que diz o bilhete, mandando eu esquecer nossa cidade, pois aqui nasci e cresci, tive meu filho nessa cidade e por isso sempre buscarei o melhor para todos, independentemente de não estar na política”, conclui.

Últimos posts por Thaís Siqueira (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Gruta Nossa Senhora da Conceição: uma parte da rica história triunfense
Paraná elimina sífilis congênita em 134 localidades
Semana Mundial de Amamentação destaca importância do aleitamento materno nos primeiros meses de vida