(Banner: Prefeitura Municipal de São Mateus do Sul)

Como foi divulgado na edição passada da Gazeta Informativa, teve início a campanha de vacinação contra a COVID-19 em São Mateus do Sul. As primeiras pessoas que receberam a dose do imunizante foram 10 profissionais que trabalham diariamente na “linha de frente” da pandemia, mais precisamente na Unidade Sentinela, que fica em frente ao Hospital Dr. Paulo Fortes.

As operações logísticas para a vacinação contra a COVID-19 no Estado do Paraná compreenderão o recebimento, o armazenamento e a distribuição das doses de vacinas adquiridas pelo Ministério da Saúde (MS) com base nas diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI).

Profissionais de Saúde vacinados ainda na primeira fase. (Fotos: Alexandre Douvan/Gazeta Informativa)

A primeira fase é a única em andamento no município. Logo no dia seguinte da aplicação da primeira dose nos profissionais da Unidade Sentinela, outros trabalhadores da Saúde da cidade passaram a receber instruções para ministrar as doses e receber o imunizante. Já foram vacinados aqueles que trabalham no Hospital Dr. Paulo Fortes, no Pronto Atendimento Municipal e nas Unidades Básicas de Saúde.

Na sequência da fase receberão a vacina os profissionais do Corpo de Bombeiros e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), do Centro de Fisioterapia, dos laboratórios de análises clínicas que coletam exames do Coronavírus, membros dos serviços ambulatoriais e aqueles que trabalham em consultórios ou são profissionais autônomos.

Segunda fase: atendimento aos idosos

Na segunda fase serão vacinados os idosos do município. Mas dentro desse grupo também há aqueles que têm preferência, ou seja, que estão na frente na escala de prioridade.

No grupo estão os idosos acamados – doentes ou sem mobilidade –, aqueles que têm mais de 80 anos, na sequência vêm aqueles que têm de 75 a 79 anos, depois os de 70 a 74, em seguida o grupo de 65 a 69 anos e então os de 60 a 64 anos de idade. Não há distinção entre homens e mulheres, apenas a idade é fator de seleção para o grupo prioritário.

Terceira fase: pessoas com problemas de saúde

Na terceira fase serão vacinadas as pessoas com problemas de saúde. Mas não é qualquer problema de saúde que classifica o indivíduo a tomar a vacina, apenas as doenças que o colocam no grupo de risco da COVID-19.

Os problemas de saúde elencados são: cardiopatia grave, que é o que ocorre quando o coração adoece a ponto de perder sua capacidade funcional. Ela pode trazer grande incapacidade na vida pessoal e profissional do paciente.

Pessoas diabéticas e hipertensas também está no grupo. Os obesos com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 40 também se enquadram no grupo de risco. Para calcular o seu IMC basta dividir seu peso pela altura elevada ao quadrado.

Portadores de doenças neurológicas, pneumopatias graves, neoplasia (é uma proliferação desordenada de células no organismo, formando, assim, uma massa anormal de tecido), imunossuprimidos e transplantados.

Aqueles com deficiências permanentes e severas, a população em situação de rua e os profissionais Educacionais e da Assistência Social também estão no grupo – CRAS, CREAS, Casas/Unidades de Acolhimento.

Quarta fase: diversas categorias profissionais

Nesta penúltima fase divulgada até o momento estão profissionais da limpeza e da segurança públicas, recicladores, taxistas, motoristas e motoristas do transporte por aplicativo e professores.

Quinta fase: população privada de liberdade

Nesta última fase divulgada até o momento estão os trabalhadores das cadeias e os presos. Na divulgação do plano de vacinação, a “população privada de liberdade” foi citada em dois tópicos, em um deles excetuam-se trabalhadores da saúde e da segurança.

Vacina de Oxford aumenta velocidade da vacinação

No domingo (24) São Mateus recebeu 260 doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, da Inglaterra, e pela farmacêutica AstraZeneca, dos Estados Unidos – mas produzidas na Índia. A vacina foi encomendada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Rio de Janeiro e aprovada pela Anvisa no mesmo dia em que a CoronaVac. Com a remessa, São Mateus já recebeu 631 doses para imunizar os profissionais da Saúde.

Espera-se que até o dia 11 de fevereiro o município receba as doses para a segunda aplicação da CoronaVac nos profissionais da saúde que receberam a primeira no dia 20 de janeiro.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Clínica Odontológica da Uniuv atende cerca de 300 pacientes por mês
São Mateus do Sul e região recorrem à União da Vitória por sangue
Médicos plantonistas do Hospital e Maternidade Doutor Paulo Fortes abdicam de valores e geram economia de R$ 300 mil aos cofres da entidade