Imagem Ilustrativa

Você conhece (ou talvez você até seja) uma pessoa que já revirou os olhos ou desviou para o outro lado da rua quando viu que alguém tatuado estava se aproximando. Desenhos de todas as formas, tonalidades e tamanhos estampam braços, pernas, peitoral e até mesmo a face de pessoas apaixonadas pela arte. Sim, a arte.

Datas festivas sempre são os momentos de reunir a família para confraternizar durante todo dia. E neste Dia dos Pais não foi diferente. Já era fim da noite e meus familiares estavam na sala reunidos conversando sobre o passado e planejando os churrascos do futuro. Conversa vai conversa vem, a pauta da vez foi a minha última tatuagem, uma araucária tatuada no meu braço esquerdo. “Que seja a última, por favor né?”, foi um dos comentários mencionados mais de uma vez pelo povo lá de casa.

Tenho cinco tatuagens e desde que comecei a entender um pouquinho sobre a arte fiquei cada vez mais encantada. A sensação da pele sendo desenhada, o barulhinho da máquina e todo o processo de cicatrização faz com que o sentimento de pertencimento à vida fique cada vez mais perto da gente.

Todos nós temos uma forma de demonstrar nossa própria identidade, seja se vestindo, ouvindo músicas, convivendo de uma forma alternativa ou demonstrando o que queremos através de alguma arte, como a tatuagem.

“Ah mas você precisa se cuidar porque não vai conseguir emprego tatuada desse jeito”, sim infelizmente ainda existe muitas pessoas com o pensamento cultural retrógrado que vê a tatuagem como uma marca registrada de delinquentes. A partir do momento que as pessoas começarem a entender que a marca na pele não é a porta de entrada para criminalidade ou para o uso de algo ilícito esse pensando ainda vai continuar girando em nossa realidade.

Em compensação fico muito feliz em ver que esse preconceito está se rompendo e cada vez mais pessoas estão realizando o sonho de fazer uma tatuagem até depois dos 50. O preconceito infelizmente é cultural, e eu quero fazer parte da cultura que afirma que desenhos pelo corpo não significam marginalização.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Vencendo o medo e a dor de crescer
Tempestade num copo d’água
O pão da empatia