Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Educação são-mateuense é exemplo para todo o estado

O município alcançou a maior nota do IDEB dentre os municípios do sul do estado obtendo média 6,5. (Foto: Acervo Gazeta Informativa)

São Mateus do Sul ganha um grande presente ao alcançar nota 6,5 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), sendo a maior dentre todos os municípios que compõem a Associação dos Municípios Sul Paranaenses (AMSULPAR).

Segundo o Secretário Municipal de Educação e Cultura, Jorge Manfroni, o resultado é muito significativo e é um orgulho para o município. “É um grande mérito dos profissionais da educação. Atingimos 6,5 no IDEB, a maior pontuação da educação básica na região.”

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) foi criado em 2007 e reúne, em um só indicador, os resultados de dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: o fluxo escolar e as médias de desempenho nas avaliações.

Jorge salienta que o cálculo para se chegar a essa média é baseado em 4 critérios que o município obteve êxito: a aprovação e reprovação, a evasão escolar, o sistema de avaliação da Educação Básica (SAEB), e a Prova Brasil.

O IDEB agrega ao enfoque pedagógico dos resultados das avaliações em larga escala do INEP a possibilidade de resultados sintéticos, facilmente assimiláveis, e que permitem traçar metas de qualidade educacional para os sistemas. O índice varia de 0 a 10, e a combinação entre fluxo e aprendizagem tem o mérito de equilibrar as duas dimensões: se um sistema de ensino retiver seus alunos para obter resultados de melhor qualidade no SAEB ou Prova Brasil, o fator fluxo será alterado, indicando a necessidade de melhoria do sistema. Se, ao contrário, o sistema apressar a aprovação do aluno sem qualidade, o resultado das avaliações indicará igualmente a necessidade de melhoria do sistema.

O IDEB também é importante por ser condutor de política pública em prol da qualidade da educação. É a ferramenta para acompanhamento das metas de qualidade do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) para a educação básica. A meta é que em 2022 o IDEB do Brasil seja de 6,0, média que corresponde a um sistema educacional de qualidade comparável a dos países desenvolvidos.

Com a obtenção da nota, o Secretário comenta que vários municípios estão entrando em contato com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC). “Em 2015 alcançamos 6,2 pontos e em dezembro de 2017, alcançamos 6,5, a maior nota dentre os municípios da AMSULPAR, chamando a atenção das demais cidades. Recebi ligações de cidades como União da Vitória, Ponta Grossa e outros municípios que querem conhecer o nosso trabalho e ver de perto como está sendo desenvolvido.”

Hoje a equipe da SEMEC vem tabulando os índices a fim de se organizar e atuar onde se faz mais necessário, respeitando a especificidade de cada escola e as metas dos planos municipal e nacional de educação. No próximo ano a equipe fará a avaliação dos Centro Municipais de Educação Infantil (CMEI’s).

Jorge enaltece os esforços e investimentos da gestão municipal em prol à educação infantil. “Junto da minha equipe diagnosticamos e planejamos nossas ações e logo após agimos unidos buscando a eficiência operacional e dando sequência com o acompanhamento e a avaliação de cada ação.”

Manfroni agradece todos os profissionais da educação do município que estão unidos em prol a educação. “Se você tem uma boa educação, gera desenvolvimento. Nossos profissionais estão em constante preparação. Sempre incentivamos e promovemos capacitações e em 2019 aumentaremos a hora atividade de 4 para 5 horas e posteriormente em 2020 para 6 horas, a fim de oportunizar aos professores melhor planejamento das aulas”, afirma Jorge.

Os dados

O município de São Mateus do Sul alcançou a média 6,5 norteado por uma meta de 6,2, o que surpreendeu toda a equipe da SEMEC e os munícipes de uma forma geral.

Segundo o gráfico abaixo o município obteve a média 4,9 em 2007, primeiro ano do IDEB. Em 2009 alcançou a nota 5,4; em 2011 5,7; em 2013 5,9 e em 2015 a média foi de 6,2, demonstrando assim um crescimento gradativo a cima da média nacional e das metas estipuladas.

(Gráfico: Gazeta Informativa)

Média das escolas

Escola Anastácia Kimita de Paula, Lageado – 6,1;
Escola Apolônia Staniszewski, Fluviopolis – 6,4;
Escola Castro Alves, Água Branca – 6,1;
Escola Dr. Paulo Fortes, Centro – 6,8;
Escola Durval Wolff do Amaral, Vila Bom Jesus – 5,9;
Escola Ezilda Amaral Ferreira, Jardim Santa Cruz – 6,2;
Escola José Plácido, Cambará – 6,5;
Escola Nelson Santos Nascimento, Vila Americana – 6,4;
Escola Odemira Cunha, Vila Amaral – 6,6;
Escola Olalina de Almeida Faria, Turvo – 5,8;
Escola Olívio Wolff do Amaral, Vila Palmeirinha – 6,7;
Escola Pedro Effco, Vila Prohmann – 6,8;
Escola Santo Antônio, Pontilhão – 6,6;
Escola Graciano Meira, Lajeadinho – 5,5.

Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: